Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral, Administração - 13/09/2013

6ª Ênfase Missionária da Igreja Metodista

6ª Ênfase:

Promover maior

comprometimento e

resposta da Igreja ao

Clamor do Desafio Urbano.


O Plano para a Vida e Missão da Igreja (PVM) sublinha: "há necessidade de conhecer o bairro, a cidade, o campo, o país, o continente, o mundo e os acontecimentos que os envolvem, porque e como ocorrem e suas consequências. Isto inclui conhecer a maneira como as pessoas vivem e se organizam, são governadas e participam politicamente, e como isto pode ajudar ou atrapalhar a manifestação da vida abundante. A missão acontece quando a Igreja sai de si mesma, envolve-se com a comunidade e se torna instrumento da novidade do Reino de Deus (Mateus 4.16-24; 2.18-20). À luz do conhecimento da Palavra de Deus, em confronto com a realidade discernindo os sinais do tempo, a Igreja trabalha, anunciando os dramas do nosso povo".
O PVMI desafia a Igreja a fazer uma leitura de conjuntura e, igualmente, estar atenta aos sinais dos tempos, a fim de que a mensagem do Evangelho tenha ressonância prática no momento histórico que vivemos.Nesta leitura de cenário, a questão urbana é de extrema importância levando-se em  consideração que os indicadores apontam que cerca de 90% da população brasileira concentra-se nas áreas urbanas. Isto significa que o Brasil, hoje, tem a sua configuração urbana e isto é um fenômeno irreversível. Sem dúvida, a concentração urbana traz no seu bojo os mais variados problemas estruturais e, consequentemente, sociais. Grandes problemas afetam a população urbana em setores essenciais, por exemplo, saúde, educação, habitação, transporte. A dignidade do ser humano, cada dia mais, é ameaçada pela violência estrutural, conjuntural e pessoal, presente nas diversas esferas deste contexto.Verifica-se, ainda, o crescimento do bolsão de pobreza nos principais centros urbanos de nosso país. Esta rápida consideração é suficiente para alertar sobre a urgente necessidade de uma evangelização que possa focar os seus olhares para a realidade urbana do nosso país. Ou seja, uma mensagem da boa notícia do amor de Deus para a realidade da cidade com seus desafios e oportunidades. Há necessidade de uma pastoral urbana marcada pelo acolhimento e pelo comprometimento com os dramas do nosso povo que experimenta "na pele" as rachaduras de um sistema excludente e sem acesso aos bens fundamentais para uma sobrevivência digna, em consonância com os valores do Reino de Deus. Johannes Blayw afirma que: "a obra missionária é como um par de sandálias dado à Igreja para que essa se ponha a caminho". As trilhas do mundo urbano exigem uma Igreja acordada 24 horas - a fim de que a prática missionária da comunidade possa ter ressonância frente aos graves problemas sociais decorrentes do crescimento desordenado deste modo de ser da sociedade.Do mesmo modo, Sérgio Lyra, em seu livro: "Cidade para a glória de Deus" faz uma  afirmativa desafiadora: "A Igreja de Jesus não está na cidade. Ela vive a cidade, seus problemas, e também sofre as consequências da loucura criativa que a vida urbana pecaminosa produz.}Como povo com uma missão, é preciso desenvolver pela cidade o mesmo amor e compaixão que foram vivenciados por Jesus, que chorou ao constatar a perversidade dos seus habitantes (Lucas 13.14). Viver na cidade não significa absorvê-la nem cruzar os braços diante dos seus gigantescos problemas, mas entendê-la, e ao participar de suas redes de criação e relacionamentos, ser o seu sal e a sua luz (Mateus 5.13-16)".
Espera-se que este eixo missionário possa gerar nas igrejas locais um testemunho vigoroso da graça de Deus em termos de evangelização, testemunho e serviço diaconal, à semelhança de Jesus: "vendo eles as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor" (Mateus 9.36).

Objetivos

o Desafiar a criação de projetos na área urbana no contexto de uma Igreja de Dons e Ministérios.
Desafiar as igrejas a elaborar projetos pastorais fortalecendo a vida familiar, abrindo os espaços dos lares para oração, comunhão, partilha, evangelização e serviço.
Conscientizar sobre os novos desafios com relação à família, orçamento doméstico, violência contra a mulher e trabalho infantil que precisam ser trabalhados pela Igreja, analisando o contexto social onde a igreja está inserida, desenvolvendo projetos de acolhida, transformação social e evangelização.
Desafiar a igreja a fazer uma leitura de conjuntura e estar atenta aos sinais dos tempos.Alertar sobre a urgente necessidade de uma evangelização que possa focar os seus olhares para a realidade urbana do nosso país.
Incluir, nos currículos das Instituições Teológicas, embasamentos sobre práticas pastorais para a cultura urbana.
Alertar sobre a urgente necessidade de análise dos aspectos que envolvem os Povos do Campo.

Ações afirmativas

Escrever uma nova Carta Pastoral do Colégio Episcopal sobre a Família, trazendo os novos desafios da família moderna.Aproveitar os espaços das igrejas locais, edifícios de educação cristã, salas, salões, terrenos, etc., a fim de que essas instalações tenham um uso missionário, à luz das demandas dos desafios urbanos, em termos da proposta do Evangelho de Jesus Cristo.
Elaborar carta pastoral urbana marcada pelo acolhimento e pelo comprometimento com os dramas que o nosso povo experimenta, viabilizando espaços para a discussão, bem como produção de estudos bíblicos e realização de conferências missionárias abordando a
questão urbana.


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães