Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 01/11/2011

Irmãos e irmãs se despedem do Bispo Adolfo Evaristo de Souza

"Ouviu cedo o chamado de Deus". Com esse título o Diário de São Paulo anuncia “Minuto de Silêncio” em suas páginas na edição de 1º de novembro, a morte do Bispo da Região Missionária da Amazônia (Rema), Adolfo Evaristo de Souza, 67, com destaque para a foto realizada no 19º Concílio Geral em Brasília, DF.

O corpo do Bispo foi sepultado na tarde do dia 1º, às 13h, no cemitério Araçá, em Perdizes, SP. Cerca de 1,5 mil pessoas passaram pela Catedral Metodista de São Paulo, desde a chegada do corpo às 24h do dia 31 de outubro. Antes do sepultamento houve vários testemunhos e cânticos preferidos do Bispo Adolfo foram entoados pelo Colégio Episcopal e por representantes de várias regiões eclesiásticas que foram no culto de despedida. As 14 coroas de flores demonstram o carisma do Bispo Adolfo.

Amizades, cuidado pastoral foram lembradas nos testemunhos. “Um dia conheci o pastor Adolfo e daí nasceu uma amizade muito grande. Há momentos que a gente chora sem saber o que fazer. Vim para apoiar a família porque o lar deles foi meu lar; a mesa deles foi minha mesa. Dou graças a Deus pelo companheiro Adolfo que nos deixa um grande exemplo de vida”, diz o Bispo emérito Rozalino Domingos que veio de Curitiba, PR .

Para o Bispo Adriel de Souza Maia, O Bispo Adolfo estava vivendo um bom momento. “A imagem que tenho do Adolfo nos últimos dias é muito alegre, vibrante, de compromisso com os familiares. 'Que bom que estou comprando um apartamento para minha família em São Bernardo do Campo. Que bom que estou lançando um livro. Estou fazendo uma grande mudança!', dizia ele.  Realmente ele fez uma grande mudança deste mundo para o Pai. A vida é assim, nossos caminhos não terminam aqui, mas ele continua”, afirma o Bispo Adriel.

Rodney Batista dos Santos expressou o cuidado pastoral e explica a intimidade de chamá-lo de pastor ao invés de Bispo. “Tínhamos uma programa de rádio chamado Metodistas em Marcha. Esse programa era por volta da meia noite. Tínhamos uma Kombi na Igreja e muitas vezes ele pegava a Kombi para nos levar. Como morava próximo eu disse: ‘Bispo eu desço aqui’. Ele respondeu: ‘não meu irmão, ovelha a gente deixa no aprisco’. São estas coisas que marcam nossas vidas”, diz.

Bispo Adolfo Evaristo de Souza (1944 – 2011) deixa saudades, mas os marcos e o exemplo de vida deste servo de Deus ficam como herança, principalmente, para o povo chamado metodista. “Do Senhor é a terra, sua plenitude e todos que nela habitam” (Sl 24.1).

A redação do Jornal Expositor Cristão está preparando uma reportagem especial sobre a vida e testemunho desse servo de Deus para a edição de dezembro.

Pr. José Geraldo Magalhães


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães