Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Palavra Episcopal Agosto 2009

O Serviço como resposta à Graça
Mateus 8.14 e Efésios 2.10

 

João Carlos Lopes - Bispo na 6ª Região Eclesiástica

Em Mateus 8 vemos Jesus voltando da montanha onde havia pronunciado o "sermão da montanha". Muitas pessoas o estão seguindo.
Um homem leproso vai ao seu encontro. Pede que Jesus o cure e Jesus atende o pedido. Depois um soldado romano - um centurião vai ao seu encontro. Seu servo está muito doente. Ele pede a Jesus que cure o seu servo. Jesus manda que o centurião volte para casa dizendo que seu servo já está curado.
Agora, no versículo 14, Jesus está parando na casa de Pedro.

É importante lembrar que Jesus conheceu Pedro quatro capítulos atrás quando, no capítulo 4, convidou Pedro e seu irmão André a se unir ao grupo. Então Jesus agora vai conhecer a família de Pedro. E os versos 14 e 15 dizem que:

"tendo Jesus chegado à casa de Pedro,
viu a sogra deste acamada e ardendo em febre,
mas Jesus tomou-a pela mão, e a febre a deixou"
.

Não parece um milagre digno de muita ênfase não é? Aparentemente no contexto desse capítulo, esse foi um milagre até insignificante para Jesus. No primeiro o homem tinha lepra - uma doença que poderia matá-lo.

 

O segundo milagre Jesus fez à distância. Foi sensacional. O homem veio a Jesus, pediu para ele curar seu servo e Jesus apenas falou de longe e o milagre aconteceu. Agora essa mulher tem apenas uma febre.
Bem, algumas coisas que eu não sabia a respeito de febres no Novo Testamento, e que agora eu sei é que:
1º. Febre não era considerada como um sintoma de doença. Era considerada como uma doença mesmo. Em outras palavras, alguém podia sofrer malária, câncer, enfisema ou febre.
2º. Febre tinha um forte significado teológico. De acordo com Levítico 26 e Deuteronômio 28 febre era uma punição enviada pro Deus para aqueles e aqueles que tivessem violado a aliança com Deus. Na tradição rabínica era considerada como "fogo celestial". Então, quando alguém agia contrariamente à aliança, podia contrair uma febre alta.

3º. Pela tradição rabínica era proibido tocar alguém com febre.

O fato é que o texto é bem simples e direto:

"Jesus tomou-a pela mão (Jesus a tocou) e a febre a deixou".

Se fosse uma simples febre conseqüente de algum outro problema no seu corpo, já seria um grande milagre. Mas se alguma questão de desobediência em sua vida tivesse causado aquela febre, então pense comigo: Apenas um toque de Jesus e liberta do resultado de seus pecados. Mas é sempre assim mesmo. É graça! Pura graça! Eu posso me identificar com isso. Você também pode.
Você consegue perceber a importância desse milagre para aquela mulher? Se a febre era causada por seus pecados, ou mesmo que não fosse. Ela não tem mais que lidar com aquela situação.
Como é que podemos saber que aquele milagre foi importante na vida dela?
Veja o final do versículo 15:

"Ela se levantou e passou a servi-lo."

Isso é o que a gente pode chamar de resposta à graça.
Quando somos tocados por Deus, verdadeiramente curados por Jesus, a reposta mais legítima e completa é levantarmos para servi-lo.
Algumas traduções desse texto e as outras narrativas encontradas em Marcos 1.29-31 e Lucas 4.38-39 dizem que ela se levantou e passou a servi-los no plural. Em outras palavras, ela não apenas passou a servir a Jesus, mas aqueles que estavam com ele e trabalhavam com ele.
Alguns estudiosos pensam que essa parte foi incluída nessa história como uma prova de que ela foi realmente curada. Eu creio que seja mais do que isso. Mas mesmo que esses estudiosos tenham razão, ainda faz sentido. Ou seja, a prova da cura é demonstrada pelo serviço.
Eu fui tocado por Jesus. Eu fui perdoado dos meus pecados. Eu não tenho mais que conviver com a culpa. Deus me adotou como seu filho. Eu recebi um chamado específico. Eu tenho todas as razões do mundo para me levantar a cada manhã e re-dedicar minha vida ao serviço do meu Deus.

Efésios 2.10: "Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras".

A verdade é que Deus, em Cristo, nos alcançou, nos recriou e nos curou para que pudéssemos servir. Fomos criados à imagem de Deus no nascimento, mas, pela graça, fomos recriados à imagem de seu filho - aquele que veio para servir. Fomos redimidos para servir. Ponto Final.
E quando ficamos feridos, enfermos na alma, com magoas, desencorajados, cansados, a graça de Deus se renova em nós para que possamos servir melhor e com mais alegria.
Mas voltemos à história da sogra de Pedro. Depois que foi curada, se ela ficasse na cama mais uns dois ou três dias seria completamente normal. Afinal, todos nós que já tivemos febre sabemos que é desgastante para o físico. Mesmo depois que a febre passa precisamos de um pequeno descanso.
Não no caso dela. Ele se levantou imediatamente, querendo servir.
Que seja assim conosco também. Que estejamos sempre dispostos a servir, testemunhando a graça e fazendo discípulos.

"Aproximemo-nos, confiadamente, junto ao trono da graça,
a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça em tempos de necessidade".


Posts relacionados

Geral, Em oração, por Sara de Paula

Em oração | 28.01.2022

Com o objetivo de mobilizar pessoas a orarem semanalmente e diariamente pelos propósitos selecionados pela área nacional da Igreja Metodista, te convidamos a participar da campanha EM ORAÇÃO. O versículo que conduz a campanha lembra a importância da oração para fazer qualquer coisa: ...porque sem mim nada podeis fazer. (João 15:5b).

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães