Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 18/08/2011

Reforma valoriza templo da Igreja Metodista Central em Londrina

A Igreja Metodista Central em Londrina está em festa. O templo foi totalmente reformado. Depois de um ano de trabalho, além de melhorias na estrutura, pintura, equipamentos e acústica, o local ganhou mais espaço. Agora, pode abrigar até 370 pessoas, quase cem a mais que antes.  O tempo reformado foi reinaugurado no último dia 06 de agosto.

O que mais preocupava no início da reforma, em agosto de 2010, era a cobertura do templo. O telhado possuía ondulações visíveis em toda sua extensão. Para esse desafio uma equipe de carpinteiros, comandada pelo engenheiro Everaldo Pletz, foi destacada para iniciar o minucioso trabalho da reforma do telhado em madeira, mantendo suas características.

Após o planejamento das etapas, a desmontagem dos móveis e equipamentos, constatou-se que o madeiramento principal estava isento de ataques de cupins ou quaisquer outros insetos. “O principal problema era a ‘deformação’ sofrida pelas vigas principais - efeito causado, provavelmente, pelo desconhecimento na época, do cálculo e dimensionamento da estrutura de madeira e pelos anos de sobrecarga que as vigas sofreram”, explica o arquiteto responsável pela reforma, Pedro Alberto Palma dos Santos.

O maior desafio da obra, de acordo com arquiteto foi com relação às tubulações, tanto de elétrica como o cabeamento de som. A única saída, diz ele, foi ‘rasgar’ todas as paredes para a passagem das tubulações necessárias. “Conseguimos também realizar muitos serviços que não estavam no escopo inicial, como por exemplo, a captação das águas pluviais, a eliminação das floreiras laterais que traziam infiltrações e umidade às paredes do templo”, diz.

Melhorias - Uma nova porta lateral para facilitar a saída de emergência foi criada. A sala de som, bem como os sistemas de som e imagem também foram readequados, ganhando, inclusive janela de vidro temperado. As paredes internas ganharam um barrado lateral de lambril, o que facilitará a manutenção, limpeza e melhorará a acústica da nave.

O sistema de ar condicionado foi trocado e a iluminação interna da nave, dotada com refletores e luminárias de última geração, respeitando o sistema de eco eficiência e sustentabilidade. Os lustres originais foram restaurados e ganham destaque no cenário atual. Mantendo as características do madeiramento francês original, o altar foi projetado para suportar grande número de pessoas e equipamentos e ganhou ao centro uma escada de estrutura metálica e madeira, para ser utilizada nas cerimônias nupciais.

O púlpito foi voluntariamente restaurado pelo chefe dos carpinteiros, Augusto. O piso externo, de granito santa Izabel, foi recoberto com uma grossa camada de concreto e recebeu pintura própria para facilitar tanto a manutenção como o caminhar dos irmãos. A pintura externa da nave, tanto das paredes, janelas, como dos elementos da cobertura da torre também foram realizados. A porta de entrada principal, feita de ipê, recebeu tratamento especial.

Relatos históricos contam que em novembro de 1932, numa pensão italiana o reverendo H.I Lehman, que vinha de Cambará a Londrina, fez o primeiro culto metodista na cidade. Antes do primeiro culto acontecer, pastor H.I Lehman já havia solicitado à Companhia de Terras do Norte do Paraná (CTNP), a doação de um terreno para a construção de um templo. Este templo hoje está sendo entregue totalmente reformado. Mas suas características originais foram mantidas, bem como seu estilo.


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães