Publicado por José Geraldo Magalhães em Destaques Nacionais | 24/04/2014 às 09:56:00


Bispo Luiz Vergilio fala sobre a realidade das instituições de ensino da Igreja Metodista


Prezadas pastoras e pastores metodistas, irmãs e irmãos metodistas! 
 
 
Graça e Paz!
 
1. Como é do conhecimento das irmãs e irmãos, as Instituições de Educação Metodistas são administradas pela Área Nacional da Igreja, sob a supervisão da COGEAM, e administradas pelo Conselho Superior de Administração – CONSAD, cujo Diretor Superintendente Executivo é o irmão Wilson Zuccherato, capacitado administrador, com experiência internacional, membro da Igreja Metodista de Campinas.
 
2. Desde o ano de 2002, as Instituições Educacionais da Área Geral da Igreja Metodista estão organizadas como Rede Metodista de Educação, ligadas ao Conselho Geral de Instituições da Igreja Metodista – COGEIME, tendo uma Central de Serviços Compartilhados – CSC, sob a orientação do Diretor Superintendente, Sr. Wilson Zuccherato, que, também, é Diretor Geral das IMEs. Todas estas instâncias estão subordinadas a Coordenação Geral de Ação Missionária – COGEAM, que é a Assembleia das Instituições.
 
3. Tendo em vista o endividamento histórico das Instituições Educacionais, o que, em muitas oportunidades provocavam o bloqueio de contas bancárias das Igrejas Locais e Sedes Regionais, por conta de demandas trabalhistas e/ou empréstimos bancários tomados para saldar compromissos com folhas de pagamento de professores (as), funcionários (as) e fornecedores, etc., o XIX Concílio Geral, realizado em 2011, determinou que a COGEAM buscasse todos os caminhos possíveis para saldar as dívidas; pois caso não fossem tomadas providências urgentes e drásticas, o histórico projeto educacional da Igreja Metodista entraria num penoso processo de descontinuidade, como já tem acontecido a muitas Instituições Confessionais.
 
4. Assim, uma série de soluções vem sendo trabalhadas e buscadas pelos órgãos responsáveis pela administração das Instituições; quer em termos otimização do patrimônio, quer em termos de projetos imobiliários, ou no desinvestimento de parte do ensino superior. Estes caminhos estabelecidos, para a busca de enfrentamento das dívidas acumuladas, têm gerado muitas especulações; especialmente por pessoas que desconhecem esses processos e as decisões conciliares sobre as IMEs. Fato que tem sido agravado, nos últimos dias, por duas notícias publicadas em jornais de Porto Alegre, (Zero Hora e Correio do Povo) dando conta de que, por uma demanda do Sindicado dos Professores (as) – SINPRO-RS, o patrimônio do Colégio Americano seria leiloado, para pagamento de uma dívida da Instituição IPA. Uma dívida referente ao ano de 2003.
 
5. Na verdade, a cobrança era uma parcela que já estava sendo devidamente pago, e, cujo montante já está quitado.
Em decorrência, gerou-se uma movimentação, especialmente entre ex-alunos (as) das Instituições IPA/Americano, com manifestações de apreço às escolas e com ações programadas, incluindo uma movimentação para tombamento dos prédios de ambos os Colégios; com a participação de alguns irmãos e irmãs metodistas. 
 
6. Quero lembrar aos irmãos e irmãs que a Igreja Metodista, em seu Concílio Geral, anteriormente citado, reafirmou o compromisso histórico do Metodismo com a Educação. Mesmo que as escolas confessionais enfrentem uma concorrência esmagadora de outras Instituições Privadas, que são verdadeiras empresas que contam com capital internacional e investimento em Bolsas de Valores, o Metodismo continuará a exercer sua missão educacional no quer for possível economicamente; cuja origem passou pelas antigas escolas paroquiais, para o atendimento às crianças pobres, e para a promoção do Evangelho; fundadas no exemplo do que fez o Rev. John Wesley ao instituir a Escola de Kingswood, em 1748, e que continua funcionando até hoje.
 
7. A Igreja Metodista é conciliar e de sistema representativo. Ela não pode, e nem deve, ser pautada por notícias da imprensa ou que transitam pelas redes sociais. As decisões conciliares, os Cânones, os documentos da Igreja estão à disposição de qualquer membro da Igreja, ou mesmo de pessoas de fora da Igreja; pois estão acessíveis no site nacional da mesma. As tomadas de decisões conciliares são apresentadas e discutidas com toda a transparência, de forma plenária e democrática. Esta é a nossa força conciliar, e, paradoxalmente, a nossa fragilidade institucional; pois pessoas podem fazer uso inadequado destas informações. Evidentemente, muitas decisões que são tomadas por órgãos internos deliberativos ou executivos da Igreja exigem um nível de descrição que indica o trânsito da representatividade e da confiabilidade que delegamos a irmãos e irmãs que constituem estes Colegiados. 
 
8. No órgão maior de deliberação da Igreja (COGEAM) temos a representação de nossa Segunda Região através da irmã Prof.ª Iara Covolo e do Rev. Clemir Chagas. No Conselho de Administração Superior temos a representação do irmão Eng.º Jonas Sala, sendo que o atual Presidente deste Colegiado o Revmº Bispo Stanley da Silva Moraes é membro clérigo da Segunda Região Eclesiástica. (Cargo assumido em substituição ao irmão Paulo Bruhn, membro leigo da Igreja Metodista de Vila Jardim). 
 
Estas representações de nossa Região Eclesiástica foram indicadas e eleitas, na forma representativa, pela Igreja Conciliar. No Concílio Geral tivemos doze irmãos e irmãs delegados e delegadas da Segunda Região. Neste fórum máximo de deliberação da Igreja as macro decisões são tomadas. Como sabemos, é no plenário dos Concílios que cada irmão e irmã, podem, por delegação de seu respectivo Concílio Regional, expressar de forma transparente e democrática os seus posicionamentos em relação aos assuntos tratados, concordando e divergindo; ao cabo, avalizando as decisões estabelecidas por consenso ou maioria. 
 
Assim, oremos a Deus pelas vidas destes irmãos e irmãs do RS, que nos representam nestas instâncias de decisão da Igreja, bem como aos demais conselheiros e conselheiras de outras regiões eclesiásticas, e as pessoas que trabalham e estudam em nossas Instituições.
Isto indica que devemos, também com a mesma paixão, voltar nosso olhar, esforço e mobilização para as nossas instituições regionais e locais, em suas esferas de atuação.
 
Na Presidência da Segunda Região e Bispo Assistente do COGEIME posso testemunhar a seriedade e o compromisso com os valores do Evangelho e o compromisso com a educação metodista destes colegiados; sempre visando o bem da Igreja e de suas Instituições; bem como cumprir com as determinações Conciliares, na busca de equacionar o passivo financeiro das mesmas.
 
Que a Ressurreição de Cristo mova a nossa esperança, apostando na vitória dos sinais de vida, face aos sinais de morte.
 
Fraternalmente em Cristo:
 
Bispo Luiz Vergílio Batista da Rosa
 
Segunda Região Eclesiástica-RS
- Porto Alegre, 16 de abril de 2014.

Tags: instituicoes-metodistas