Historia da maçonaria

Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral  |  20/09/2013 às 20:31:19

O protestantismo brasileiro tem cerca de 200 anos. Após um período chamado de "étnico", no qual chegavam missionários para assistir apenas às colônias de migrantes, começou o chamado protestantismo de missão, com a chegada de missionários das denominações tradicionais. Nesse período, os protestantes foram aliados da maçonaria. Os maçons, que tinham antes apoiado a Independência do Brasil, ao final do século 19 apoiavam a República. Os protestantes, que encontraram no país a hegemonia do catolicismo, religião oficial do país no período da monarquia, viam na implantação da República a possibilidade concreta de liberdade religiosa e separação entre Igreja e Estado. Assim, durante muito tempo protestantes e maçons foram aliados. Vários pastores protestantes e membros de igrejas eram maçons. Segundo o historiador Martin Dreher, em 1863, os maçons conseguiram que fosse aprovada a legalização do matrimônio dos não católicos (lembre-se que, na época, o casamento era oficializado na Igreja Católica). Em 1864, obtiveram a autorização para que fosse publicada a "Imprensa Evangélica".

Mas essa aliança não duraria para sempre...  os debates em torno da maçonaria chegaram a causar uma divisão na Igreja Presbiteriana, no ano de 1903. Naquela época, a Igreja Presbiteriana do Brasil , IPB, entendia que a maçonaria não era uma organização religiosa, mas apenas social e cultural. A discordância deste posicionamento foi um dos principais fatores que motivaram um grupo a sair da igreja e criar a Igreja Presbiteriana Independente. Hoje, porém, a própria IPB reavaliou sua decisão e o envolvimento de presbiterianos com a maçonaria foi condenado no Supremo Concílio, que aconteceu de 16 a 22 de julho no SESC Aracruz (mesmo local onde foi o Concílio Metodista), segundo informação extraída do site da Igreja Presbiteriana (www.ipb.org.br).

O Colégio Episcopal da Igreja Metodista tem uma Carta Pastoral tratando do tema, na qual afirma que a Igreja sempre manteve relações respeitosas com a maçonaria. Mas alerta que nenhum envolvimento com instituição, qualquer que seja, deve afetar o vínculo e o trabalho com a Igreja.

Mas, o que é a maçonaria?

Muito se fala da maçonaria, mas pouco se informa. Para algumas pessoas, ela seria apenas uma instituição filantrópica; outros a consideram uma instituição de caráter religioso, pela presença de rituais e simbologias. Leia, a seguir, algumas informações extraídas do site Historianet (www.historianet.com.br).

A maçonaria no Brasil

Desde a crise do Antigo Sistema Colonial, a maçonaria está presente em nossa história, destacando-se inicialmente, entre alguns revolucionários da Inconfidência Mineira e da Conjuração Baiana no final do século XVIII. Nesse período que antecede a Independência, a maçonaria assumiu uma posição avançada, representando um importante centro de atividade política, para difusão dos ideais do liberalismo anticolonialista.
Sua influência cresceu consideravelmente durante o processo de formação do Estado Brasileiro, onde apareceu como uma das mais importantes instituições de apoio à independência, permanecendo atuante ao longo de todo período monárquico no século XIX. Nesse processo, a história do Brasil Império é também a história da maçonaria, que vem atuando na política nacional desde os primeiros movimentos de independência, passando pelos irmãos Andradas no Primeiro Reinado, até as mais importantes lideranças do Segundo Império, no final do século XIX.

• O que é a Maçonaria?

Trata-se de uma associação semi-secreta, difundida no mundo todo, que adota os princípios de fraternidade e da filantropia entre seus membros. A maçonaria discrimina as mulheres, sendo composta principalmente por profissionais liberais, que se iniciam através de rituais incluindo juramentos de fidelidade e uma série de simbolismos, onde a moral, a fraternidade e a retidão são representadas pelo livro sagrado, pelo compasso e pelo quadrado. No cotidiano os maçons se comunicam através de sinais secretos, senhas e cumprimentos especiais.
A maçonaria não é uma seita religiosa, embora o único obstáculo para aceitação de um novo membro seja o ateísmo, já que os maçons professam a crença em um ser supremo. Ela é supra-religiosa, pois são aceitos cristãos, judeus, muçulmanos, budistas e qualquer homem de fé.

• Histórico e Características:

Em meados do século XV na Inglaterra as lojas medievais de free masons ("pedreiros livres"), inicialmente reservadas somente a profissionais ligados a esse ofício (arquitetos e engenheiros), abriram-se para membros da nobreza, da burguesia e do clero. Durante os séculos XVI e XVII, crescia cada vez mais o número desses maçons aceitos que conservaram os ritos e os símbolos da maçonaria tradicional de pedreiros, arquitetos e engenheiros, apegando-se contudo às suas próprias interpretações no tocante a questões filosóficas, científicas e espirituais.
No início do século XVIII aparece a franco-maçonaria moderna, com orientação interna baseada no Livro das Constituições publicado em 1723 por James Anderson, que exerceu influência internacional no pensamento das sociedades modernas, difundindo-se principalmente, nos países anglo-saxônicos.
A hierarquia para iniciação maçônica possui três níveis (aprendiz, companheiro e mestre), que são desenvolvidos em lojas ou oficinas. Do quarto grau até o décimo quarto o maçom se desenvolve em lojas de perfeição, depois, do décimo quinto ao décimo oitavo, em capítulos, e do décimo nono ao trigésimo em areópagos. A partir do trigésimo grau até o trigésimo terceiro e último, a iniciação é realizada por conselhos que administram os quatro grupos precedentes.
A simbologia da maçonaria é composta por elementos de uma linguagem coerente e complexa. Apesar de não possuir definição político-partidária ou religiosa, a maçonaria sempre atuou no campo político-ideológico.
No Brasil, a maçonaria distanciou-se dos interesses populares, passando a representar a aristocracia rural, estendendo-se no máximo às classes médias emergentes.

• A Maçonaria no Brasil:

Apesar da maçonaria estar presente no Brasil desde a Inconfidência Mineira no final do século XVIII, a primeira loja maçônica brasileira surgiu filiada ao Grande Oriente da França, sendo instalada em 1801 no contexto da Conjuração Baiana. A partir de 1809 foram fundadas várias lojas no Rio de Janeiro e Pernambuco e em 1813 foi criado o primeiro Grande Oriente Brasileiro sob a direção de Antonio Carlos Ribeiro de Andrada e Silva.
A lusofobia tão presente nos movimentos de emancipação, também caracterizava a maçonaria brasileira, que desde seus primórdios não aceitava se submeter ao Grande Oriente de Lisboa.

Como em toda América Latina, no Brasil a maçonaria também se constituiu num importante veículo de divulgação dos ideais de independência, sendo que em maio de 1822 se instalou no Rio de Janeiro o Grande Oriente Brasiliano ou Grande Oriente do Brasil, que nomeou José Bonifácio de Andrada e Silva o primeiro grão-mestre da maçonaria do país.

Com D. Pedro I no poder, o Grande Oriente do Brasil foi fechado, ressurgindo apenas com a abdicação do imperador em 1831, tendo novamente José Bonifácio como grão-mestre. Nesse mesmo ano ocorre a primeira cisão na maçonaria brasileira, quando o senador

Vergueiro funda o Grande Oriente Brasileiro do Passeio, nome referente à rua do Passeio, no Rio de Janeiro.
A divisão enfraqueceu a maçonaria, que começou a perder influência no quadro político do Império brasileiro. Essa situação agravou-se em 1864, quando o papa Pio XI, através da bula Syllabus, proibiu qualquer ligação da Igreja com essa sociedade.

No contexto de crise do Império brasileiro, esse quadro tornou-se mais crítico em 1872, quando durante uma festa em comemoração à lei do Ventre-Livre, o padre Almeida Martins negou-se a abandonar a maçonaria, sendo suspenso de sua atividade religiosa pelo bispo do Rio de Janeiro. Essa punição tinha sido antecedida por um discurso feito pelo padre Almeida Martins na loja maçônica Grande Oriente, no qual o religioso exaltou a figura do visconde do Rio Branco, que, além de primeiro-ministro, era grão-mestre da maçonaria.

Neste processo, o bispo de Olinda, D. Vital e o de Belém, D. Macedo determinam o fechamento de todas irmandades que não quiseram excluir seus associados maçons. A reação do governo foi rápida e enérgica, quando em 1874, o primeiro-ministro, visconde do Rio Branco, determinou a prisão dos bispos seguida de condenação a quatro anos de reclusão com trabalhos forçados. Apesar da anistia concedida no ano seguinte pelo novo primeiro-ministro duque de Caxias, a ferida não foi cicatrizada e o Império decadente junto com a maçonaria que o sustentava, perdiam o apoio do clero e da população, constituindo-se num importante fator para queda do obsoleto regime monárquico e para separação do mesmo com a Igreja.

No período republicano a maçonaria conseguiu crescer e diversificar suas atividades pelo país, apesar de ter perdido o poder de influência no Estado brasileiro. Nesse final de século, a maçonaria permanece como uma associação, que apesar de defender os princípios de fraternidade e filantropia, exclui, mesmo que de forma não assumida, a participação das camadas sociais menos abastadas entre seus membros.

Para saber mais:

Livro: O Protestantismo, a Maçonaria e a Questão Religiosa no Brasil

autor: David Gueiros Vieira, Editora da Universidade de Brasília, 1980


  

 

Tags:  sem tags no momento!


Deixe seu Comentário:





caracteres restantes
=  


BUSCA

FACEBOOK

DESTAQUES

adoniasendm Encontro Nacional de Discipulado e Missão