Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

A cruz

 

   

"... a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus." 1 Co 1.18ss

Nós, cristãos, falamos freqüentemente sobre a cruz e o suplício de nela morrer, sobretudo, por ter sido o instrumento da morte de Jesus.

A MORTE DE CRUZ

No período neotestamentário morrer na cruz, no fogo, e entregue às feras, era provar de uma das três supremas penas romanas.

O que as tornava supremas não eram, tão somente, a crueldade desumana ou a desonra pública, mas, também, o fato de não poder restar nada para ser enterrado do sentenciado, a não ser a própria cruz, segundo afirmam pesquisadores. É fácil de se entender por que não se sobraria nada de um cadáver consumido pelo fogo ou devorado por leões. No caso da morte na cruz - a crucificação, para espanto de muitos hoje, isso ocorria porque o corpo ficava exposto na cruz aos abutres e aos cães comedores de carniça.

Por tratar-se de sentença suprema eram comuns crueldades que precediam o ato da crucificação. Tal como açoitar o réu e depois de lacerado o corpo, obrigá-lo a carregar a cruz, o patibulum, a viga transversal.

A crucificação era o ato pelo qual, um réu condenado à morte era fixado à cruz, atando-lhe as mãos e os pés ou cravando-os com os pregos para dar-lhe morte mais cruel.

O sentenciado atado à cruz comumente morria de maneira mais lenta, podendo sobrevir o óbito até três dias após a crucificação. O que ocorria por asfixia, por esgotamento nervoso, por fome ou por sede. Em alguns casos este tipo de obituário acontecia até com os que eram pregados, e quebrar as pernas do réu era um recurso utilizado na necessidade de abreviar a morte.

As cruzes utilizadas eram de vários tipos. No caso de Jesus talvez tenha sido a do tipo +, que mais facilmente se prestava a receber a inscrição que Pilatos mandou inscrever sobre a cabeça de Jesus, Mt 27.37; Mc 15.26, Lc 23.38; Jo 19.19. A inscrição trazia o motivo da condenação do réu, podendo ser pendurada em seu pescoço ou afixada em cima de sua cabeça.

Embora existisse a orientação por parte do Estado de extinguir o cadáver e a cruz, para evitar que possivelmente o túmulo se tornasse local de culto e resistência, e a cruz instrumento de veneração ou contaminação. Pelo menos em país judaico a família e/ou amigos contavam com a possibilidade de obter o corpo do condenado após a morte.

Não se sabe precisamente, mas provavelmente os romanos receberam dos cartagineses a prática de crucificação que foi abolida, séculos depois, por Constantino em todo o império romano.

Quando em vigor, os romanos eram isentos desta pena em virtude de leis especiais, sendo infligida somente aos escravos ou aos libertos que cometiam crimes hediondos.

A MENSAGEM DA CRUZ

Em um primeiro momento, para os discípulos a morte de Jesus na cruz foi um choque violento, um escândalo, a prova cabal de que Jesus não era o redentor esperado (Lc. 24.21). E a reação, como vimos acima, dificilmente seria outra diante de tamanha crueldade, infâmia e vergonha que a crucificação expunha o réu.

No Novo Testamento as palavras cruz e crucificar só aparecem nos evangelhos, nas cartas paulinas, em At. 2.36; 4.10; Hb. 6.6; 12.2 e Ap. 11.8. Salta-nos aos olhos o lugar tão proeminente que a cruz ocupa no pensamento do apóstolo Paulo. Sumariamente podemos afirmar que a cruz de Jesus, também, o chocou violentamente antes de reconhecê-la como a cruz de Cristo.

Como acreditar que Jesus de Nazaré fosse o Messias de Israel, entregue pelo Sinédrio a Pôncio Pilatos, crucificado e ferido pela maldição divina (Gl. 3.16)? Entretanto, a revelação fulminante do caminho de Damasco (Gl. 1.16) foi suficiente para convencê-lo. Daí por diante Paulo tem a certeza de que Jesus é o Cristo, não a despeito, mas por causa de sua morte

na cruz. Esta conversão total de juízo de Paulo sobre o crucificado norteia todas suas reflexões.

"Pregamos um Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tantos judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus" (1 Co. 1.23-24). Com estas palavras Paulo exprime a espontânea reação de todo homem e mulher posto na presença da cruz reconciliadora e redentora.

Paulo reconhece a cruz como obra reconciliadora ao considerar-nos outrora inimigos de Cristo, quais potestades subjugadas, agora conquistados pela cruz vitoriosa, que se renderam alegremente, em obediência, diante do verdadeiro Rei. Para o apóstolo a morte de Cristo é manifestação suprema do amor de Deus: "Deus prova o seu amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores" (Rm 5.8). O Rei, que poderia aniquilar os inimigos, não o faz, mas reconcilia-nos com Deus mediante a morte do seu Filho.

Desta forma evidencia-seo fato de que é a morte de Cristo que efetua a reconciliação (Rm 5.6-10; Ef. 2.13; Cl. 1.20). Que essa morte de cruz é ato de Deus em benefício da criação e jamais ato humano de propiciação oferecido a Deus. O Supremo estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, não imputando à humanidade as suas transgressões (2 Co. 5.18-19). Pois a rebelada raça humana era incapaz de fazer qualquer coisa para estabelecer paz com Deus, ou qualquer relação adequada.

Inerente a morte de Cristo na cruz está a obra redentora da humanidade. Que significa "resgate", "aquisição", "compra", libertação, efetuada por Cristo no Calvário (Rm. 3.24; Cl. 1.14). A palavra original no grego traduzida por redenção é lytrón que significa originalmente devolver escravos (se tivesse sido aprisionados na guerra ou por bandos de salteadores) mediante o pagamento de um resgate, ou alforriá-los, ou libertá-los.

Desta forma, Paulo sintetiza a Tito a obra redentora do Cristo: Jesus é Salvador "o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obra" (Tt. 2.14) Entrementes, Deus fez seu filho pecado por nós, a fim de que nele nós nos tornássemos justiça de Deus (2 Co. 5.21).

Foi Deus quem quis que seu Filho, por solidariedade a humanidade, fosse submetido aos efeitos maléficos do poder mortífero que é o pecado; constituindo o maior ato de amor e de obediência que se possa conhecer. Assim a obra nefasta do pecado está reparada, restaurada, resgatada, e a humanidade de novo diante da vida divina pelo sacrifício vicário de Jesus na cruz.

Destarte, não é pela vontade do Pai, mas pela rebelião humana, que perecerão aqueles que não se reconciliarem. Entretanto, este é o preço frustrante que Deus está disposto a pagar para manter a liberdade humana.

A cruz que era a aparente derrota, a morte de Cristo, era na realidade a vitória sobre a morte e sobre Satanás, o autor da morte (Jo. 12.31; Hb 2.14), era a fonte de toda suficiência, de amor prático. E, se é verdade (o que de fato é) que se deve temer a apostasia, que levaria a "crucificar de novo por própria conta o Filho de Deus" (Hb. 6.6),devemos exclamar com Paulo: "De minha parte que eu jamais me glorie a não ser na cruz de do nosso Senhor Jesus Cristo que fez do mundo um crucificado para mim, e de mim um crucificado para o mundo" (Gl. 6.14)

 

Bibliografia

ALLMEN, J. J. von. Vocabulário Bíblico. São Paulo: ASTE, 2001. pp. 103-107.

DAVIS, John D. Dicionário da Bíblia. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1973. pp. 141-142.

LÉON-DUFOUR, Xavier. Vocabulário de Teologia Bíblica. Petrópolis: Editora Vozes, 1999. pp. 196-198.

RICHARDSON, Alan. Introdução a teologia do NovoTestamento. São Paulo: ASTE, 1966. pp. 215-222.

 

Rev. Robson Vargas de Melo

Igreja Metodista em Cangulo


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Um dia histórico nas conquistas das pessoas com deficiência no Brasil

Advogado da União Claudio de Castro Panoeiro, é nomeado para exercer o cargo de secretário Nacional de Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O Dr. Cláudio Panoeiro é deficiente visual e doutor em direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha e foi a primeira pessoa cega a fazer uma sustentação oral em um tribunal superior, em 2010 no Superior Tribunal de Justiça.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães