Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 16/08/2012

Bispo Lockmann: Pastor/a numa Igreja de discípulos/as

1. Urgência do Discipulado.
Antes de entrarmos no nosso tema reflitamos sobre sua relevância hoje para a Igreja.
O momento em que vivemos está profundamente permeado pelas forças do mercado, em especial, o mercado globalizado. A exclusão social das multidões, sem acesso ao mercado, ao lado da valorização do sucesso pessoal de quem sabe competir ou gozar as vantagens do oportunismo, agravam a violência social. O quadro religioso se tornou confuso com a emergência dos novos critérios, distantes dos valores éticos fundados na valorização da vida, da solidariedade e do amor.
A Igreja de Cristo vive dramaticamente esse momento. Ao mesmo tempo em que se constata uma grande movimentação religiosa, com uma constante busca de Deus, as fronteiras religiosas se confundem. Cresce o divórcio com a natureza, a racionalidade, sem falar na tradição e outros elementos fundamentais para entender e viver a experiência religiosa cristã e nós, metodistas, somos visivelmente afetados/as. Dentro desse quadro, as pessoas são levadas por “todo o vento de doutrina”.
Esta breve identificação da nossa realidade põe diante de nós metodistas, em especial o corpo pastoral, a urgente necessidade de sermos discípulos e fazermos discípulos, isto é, formarmos nos nossos membros homens e mulheres de Deus, maduros na Palavra, ou como diz Paulo: “O qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo.” (Cl 1.28). Esta é uma motivação do nosso discipulado. Sim, trilhar um caminho de Santidade.
2. Ser e fazer discípulo, nossa prioridade pastoral.
Jesus fez uma clara opção ao investir tempo e ensino recebido do Pai nos doze que o Pai lhe dera, por isso declarou na sua oração final: “Porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste.” (Jo 17.8). E nos deixou a grande comissão: “Indo fazei discípulos, batizando-os... e ensinando-os.” (Mt 28.19-20).
 Jesus investiu nos 12 apóstolos e nos 70 discípulos (cf. Lc 6.12-16; Lc 10.1). Sempre, no propósito de ensiná-los a viver uma vida segundo o propósito de Deus, tomava as mais diversas situações da vida, e com simples figuras lhes ensinava o caminho a seguir: “Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento .” (Mt 5.21-22). 
Jesus fez severas exigências aos seus discípulos, as quais, hoje, andam meio esquecidas. Deixem-me recordar algumas delas.
a. O discípulo irradia paixão por Cristo. 
Nosso primeiro e decisivo compromisso, como discípulos de Cristo, deve ser com ele como Senhor e Salvador de nossas vidas. Devemos irradiar isso. Os sermões de Wesley e de Lutero são depoimentos e mensagens de corações apaixonados por Jesus e seu Evangelho. Recordando que o maior obstáculo somos nós mesmos, nossos interesses pessoais. Mas também que não faremos discípulos se não formos discípulos/as, e sendo, irradiemos esta paixão por Cristo. 
b. O discípulo é alguém em decisiva e permanente união com Cristo.
Paulo dizia: “Logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” (Gl 2.20). É a total dependência do Cristo. 
c. O discípulo é alguém que reconhece e escolhe a cruz.
A cruz é uma realidade. Ainda que alguns tentem escondê-la, ela é o maior símbolo do Cristianismo. Hoje, há tentativas de transformar a fé cristã numa religião da negação do sofrimento, da exaltação, do prazer e da prosperidade. Mas o Cristianismo, embora considere alegria, prazer, prosperidade, frutos da vida cristã, não tem vergonha da cruz; pelo contrário, a considera o poder de Deus. Não foge da cruz, mas a assume a cada dia. Não escolher a cruz, nos termos das palavras de Jesus, é escolher o mundo, é perder a verdadeira vida.
d. O discípulo é que segue a Cristo, e dele aprende.
A expressão freqüente de Jesus aos discípulos foi segue-me. Somos seguidores de Jesus, e isso significa andar com ele, andar nos seus caminhos e não nos nossos caminhos: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma.” (Mt 11.29).
e. O discípulo persevera em obediência na Palavra.
Jesus deixa claro que segui-lo é andar em obediência à sua Palavra: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos.” (Jo 8.31). Esse é também um caminho de bênção e de sentir o cuidado do Senhor a nós: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito.” (Jo 15.7).
f. O discípulo que é pastor/a e líder se torna modelo para o rebanho.
“Mas, por esta mesma razão, me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna.” (1Tm 1.16)
Que grande responsabilidade ser modelo para o rebanho, ser modelo para o mundo. É isto que Deus espera do/a Pastor/a como discípulo e discipulador. 
Paulo de Tarso Lockmann
Bispo Presidente da 1ª Região Eclesiástica

1. Urgência do Discipulado.

Antes de entrarmos no nosso tema reflitamos sobre sua relevância hoje para a Igreja.

O momento em que vivemos está profundamente permeado pelas forças do mercado, em especial, o mercado globalizado. A exclusão social das multidões, sem acesso ao mercado, ao lado da valorização do sucesso pessoal de quem sabe competir ou gozar as vantagens do oportunismo, agravam a violência social. O quadro religioso se tornou confuso com a emergência dos novos critérios, distantes dos valores éticos fundados na valorização da vida, da solidariedade e do amor.

A Igreja de Cristo vive dramaticamente esse momento. Ao mesmo tempo em que se constata uma grande movimentação religiosa, com uma constante busca de Deus, as fronteiras religiosas se confundem. Cresce o divórcio com a natureza, a racionalidade, sem falar na tradição e outros elementos fundamentais para entender e viver a experiência religiosa cristã e nós, metodistas, somos visivelmente afetados/as. Dentro desse quadro, as pessoas são levadas por “todo o vento de doutrina”.

Esta breve identificação da nossa realidade põe diante de nós metodistas, em especial o corpo pastoral, a urgente necessidade de sermos discípulos e fazermos discípulos, isto é, formarmos nos nossos membros homens e mulheres de Deus, maduros na Palavra, ou como diz Paulo: “O qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo.” (Cl 1.28). Esta é uma motivação do nosso discipulado. Sim, trilhar um caminho de Santidade.

2. Ser e fazer discípulo, nossa prioridade pastoral.

Jesus fez uma clara opção ao investir tempo e ensino recebido do Pai nos doze que o Pai lhe dera, por isso declarou na sua oração final: “Porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste.” (Jo 17.8). E nos deixou a grande comissão: “Indo fazei discípulos, batizando-os... e ensinando-os.” (Mt 28.19-20).

 Jesus investiu nos 12 apóstolos e nos 70 discípulos (cf. Lc 6.12-16; Lc 10.1). Sempre, no propósito de ensiná-los a viver uma vida segundo o propósito de Deus, tomava as mais diversas situações da vida, e com simples figuras lhes ensinava o caminho a seguir: “Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento .” (Mt 5.21-22). 

Jesus fez severas exigências aos seus discípulos, as quais, hoje, andam meio esquecidas. Deixem-me recordar algumas delas.

a. O discípulo irradia paixão por Cristo. 

Nosso primeiro e decisivo compromisso, como discípulos de Cristo, deve ser com ele como Senhor e Salvador de nossas vidas. Devemos irradiar isso. Os sermões de Wesley e de Lutero são depoimentos e mensagens de corações apaixonados por Jesus e seu Evangelho. Recordando que o maior obstáculo somos nós mesmos, nossos interesses pessoais. Mas também que não faremos discípulos se não formos discípulos/as, e sendo, irradiemos esta paixão por Cristo. 

b. O discípulo é alguém em decisiva e permanente união com Cristo.

Paulo dizia: “Logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” (Gl 2.20). É a total dependência do Cristo. 

c. O discípulo é alguém que reconhece e escolhe a cruz.

A cruz é uma realidade. Ainda que alguns tentem escondê-la, ela é o maior símbolo do Cristianismo. Hoje, há tentativas de transformar a fé cristã numa religião da negação do sofrimento, da exaltação, do prazer e da prosperidade. Mas o Cristianismo, embora considere alegria, prazer, prosperidade, frutos da vida cristã, não tem vergonha da cruz; pelo contrário, a considera o poder de Deus. Não foge da cruz, mas a assume a cada dia. Não escolher a cruz, nos termos das palavras de Jesus, é escolher o mundo, é perder a verdadeira vida.

d. O discípulo é que segue a Cristo, e dele aprende.

A expressão freqüente de Jesus aos discípulos foi segue-me. Somos seguidores de Jesus, e isso significa andar com ele, andar nos seus caminhos e não nos nossos caminhos: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma.” (Mt 11.29).

e. O discípulo persevera em obediência na Palavra.

Jesus deixa claro que segui-lo é andar em obediência à sua Palavra: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos.” (Jo 8.31). Esse é também um caminho de bênção e de sentir o cuidado do Senhor a nós: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito.” (Jo 15.7).

f. O discípulo que é pastor/a e líder se torna modelo para o rebanho.

“Mas, por esta mesma razão, me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna.” (1Tm 1.16)

Que grande responsabilidade ser modelo para o rebanho, ser modelo para o mundo. É isto que Deus espera do/a Pastor/a como discípulo e discipulador. 

Paulo de Tarso Lockmann
Bispo Presidente da 1ª Região Eclesiástica


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães