Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

Carta aberta do CLAI

 

 

"Procurem manter a unidade que provém do Espírito Santo, por meio da paz que une a todos." Efésios 4.3

 

Como Conselho Latino-americano de Igrejas nos surpreende este conflito entre países irmãos como o Equador e Colômbia. O que começou na sábado 01 de Março com o anúncio da morte de um importante líder guerrilheiro das FARC em território equatoriano, converteu-se na pior crise política da região andina nos últimos tempos.

 

O Equador denuncia uma violação à sua soberania por duas ações: a presença de guerrilheiros das FARC e a ação militar ordenada pelo Governo da Colômbia em território equatoriano. Entendemos que para a solução do conflito é necessário que se condene a violação da soberania, além disso que se arbitrem medidas concretas para que não se repitam feitos como os que causaram o conflito último, com seus efeitos nocivos pelo conflito interno e a violência no país vizinho, alguns dos quais afetam à população equatoriana mais vulnerável nas províncias fronteiriças pelo domínio do narcotráfico, guerrilha, paramilitares e delinqüência.

 

A violação da soberania equatoriana por parte da Colômbia teve um dramático desenlace: o Equador rompeu relações com Bogotá e autoridades da Colômbia levantaram muito graves acusações sobre supostos acordos das FARC e o Governo de Correia.

O presidente equatoriano disse que seu colega colombiano o enganou, pois, quando o chamou por telefone, na sábado 01 de Março, para lhe informar sobre a morte do Raul Reis e outros insurgentes, disse-lhe que nas operações houveram combates, ou seja, que houve enfrentamento e que os tiros foram disparados desde o território colombiano. Mas nada disso foi verdade.  Como se comprovou com imagens no lugar dos acontecimentos, o ataque se produziu do sul para o norte, o que significa que os colombianos penetraram o território nacional equatoriano, e não houve enfrentamento como disse o presidente colombiano, pois os mortos foram encontrados em roupas íntimas e, inclusive, alguns dos guerrilheiros foram "mortos" com disparos pelas costas
.

Certamente esta é a pior crise política da região andina nos últimos tempos. Vários organismos internacionais estão buscando consertar o desencontro entre duas nações irmãs.  Também como Igrejas queremos chamar com veemência ao governo da Colômbia e do Equador a sempre insistir no diálogo. Nossos povos querem viver em harmonia e em paz. Qualquer outro cenário é indesejável.

 

Como Igrejas no Equador e Colômbia, membros do Conselho Latino-americano do Igrejas seguiremos acompanhando os diálogos em torno deste conflito com nossas orações e nossa vigilância, pois proclamamos que "A mão do Senhor não é curta para salvar, nem é surdo seu ouvido para ouvir". (Isaías 59:1). Na graça de Deus, sempre há um tempo para a reconciliação que constrói o caminho da paz.

 

Atenciosamente, em Cristo Jesus

Quito, 04 de Março de 2008.

 

 

Rev. Nilton Giese

Secretário Geral Interino do Conselho Latino-americano de Igrejas

 

Para ler a carta em espanhol CLIQUE AQUI!

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães