Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 16/12/2013

Celebrando o Natal: tempo de reflexão sobre o amor divino

“E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem”. (Lc 2.13-14)
 
 
Há mais de dois mil anos, em humilde manjedoura, em Belém de Judá, nasce uma adorável criancinha. Na plenitude do tempo irrompe, na terra, o Emanuel, Deus conosco, dádiva inaudita! É o cumprimento da profecia desse acontecimento único na história do mundo: o Deus eterno, Todo Poderoso e soberano Senhor, revela-se em forma humana, nascendo de uma mulher, para, em tudo, identificar-se com os seres humanos. Concretiza o plano de salvação engendrado nos arcanos de Deus para a restauração da humanidade, envolta nas malhas inexoráveis da Queda Universal.
 
Todos os anos celebramos esse glorioso dia do nascimento do celestial Infante. Reviver tão singular e miraculoso evento faz vibrar, intensamente, nossos corações e uma imensa emoção domina a sensibilidade dos cristãos. A magnificência desse fato extraordinário a todos deslumbra, fascina e encanta. O passado se faz presente, e a mística da manjedoura se atualiza qual ditosa reedição daqueles dias remotos da aurora do Cristianismo.
 
Sinos bimbalham, pinheirinhos tremeluzentes assemelham-se ao brilho das estrelas que iluminaram o firmamento naquela Noite Santa. Indescritível sentimento acalenta os nossos corações. Tudo é expectativa, gratidão, amor e ternura.
 
O Natal é a época oportuna para refletir e meditar sobre a extensão imensurável do amor divino e sobre a suprema grandeza do Seu inefável gesto; é o momento para erguer os mais solenes e sinceros louvores ao excelso Deus glorificando-O pelo envio de Seu amado Filho, mistério insondável de Deus e tão extraordinário ato salvífico. O nosso mais imperioso e urgente compromisso, no tempo e na eternidade, é louvá-Lo, engrandecê-Lo e glorificá-Lo.
 
Glorificá-Lo é preencher nossos corações do mais intenso reconhecimento por essa atitude emanada da  Providência; é estabelecer o propósito de viver vida justa e íntegra fazendo brilhar a nossa luz diante dos homens para que vejam as nossas boas obras e glorifiquem a Deus que está nos céus; é nossa total submissão ao senhorio de Seu Filho e fidelidade aos Seus ensinos.
 
Natal é a Boa Nova de alegria para todos os povos consubstanciada no derramamento do Amor eterno em todos os corações. É glorificar a Deus, celebrar a paz e a reconciliação entre Deus e os homens.
 
A paz proclamada pelos anjos não é apenas a absentia belli, ausência da guerra entre as nações, mas é também a disposição de deixar florescer e frutificar dentro de nós, no mais íntimo de nosso ser, a opção por uma vivência amorosa, solidária e fraterna, pautada pela perfeição dos princípios da ética cristã. É a extinção dos conflitos, da violência em todas as suas horrendas e inimagináveis formas e dimensões, realidades exibidas, cotidianamente, pela mídia.
 
A paz é o equilíbrio social, político, econômico e a célere implantação da justiça, sem discriminação, em benefício de todas as classes sociais; é possibilitar o livre exercício do direito constitucional à segurança, à integridade física, à moradia digna, à alimentação, ao vestuário, à educação e à saúde; é a extinção do egoísmo, da ganância, da corrupção, da ambição e das obras da carne, substituídas pelos frutos do Espírito.
 
A paz inundará a todos os corações como as águas cobrem o mar e abrangerá toda a terra, quando todos amarem a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmos, e andar como Jesus andou, e amar como Jesus amou.
 
A palavra paz é o shalom da língua hebraica. Constitui o pressuposto da harmonia entre a criatura e o Criador; da amizade e da conciliação entre os povos. É viver em um estado de calma e tranquilidade, confiança no futuro, livre de agitação e discórdia. É a manutenção da ordem social sem violência.
 
Já estamos no terceiro milênio, entretanto, muitos ainda não compreenderam, plenamente, o espírito do Natal que se expressa em forma de altruísmo, abnegação, amor e doação de si mesmo em favor do outro.
 
A compreensão do mistério e dos desígnios divinos ainda está ofuscada pela tirania da maldade e da desobediência, consoante a narrativa de Gênesis 2, versos 1 a 6. Os deuses destes séculos cegaram a visão e obstruíram o entendimento dos profanos para que não lhes raiasse a luz do Evangelho.
 
Inspirados na celebração deste NATAL, que todos os povos e todas as famílias, em todos os lugares, possam entoar, em uníssono, a sublime melodia dos anjos, conclamando a humanidade para dar Glória a Deus e difundir a Paz. Entoai, ó continentes, louvor em sons ardentes; cantai, ó Cristandade, por toda a eternidade, glorificado seja Deus.
 
Estamos aguardando, Senhor, uma vez mais, no decurso de nossas vidas transitórias e efêmeras, a chegada deste Natal.
 
Queremos ver a universal restauração da imagem de Deus, a santidade, a fraternidade, a dignidade humana, a bondade e o amor.
 
Queremos cantar e louvar, em uníssono, com a multidão da milícia celestial louvando a Deus e dizendo: “Glória a Deus nas maiores alturas e paz na terra entre os homens a quem Ele quer bem”.
 
Rev. Dr. Ivam Pereira Barbosa
Redator e Editor do Informativo Regional da 5ª RE

Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães