Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

eleição CMI

O teólogo e pastor luterano norueguês, Olav Fykse Tveit, 48 anos, foi eleito pelo Comitê Central, hoje, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Tveit é o sétimo e o mais jovem eleito para o cargo desde a fundação do organismo ecumênico, há 60 anos.

ALC/CMI
Genebra

"Realmente sinto que esta tarefa é um chamado de Deus. Sinto que temos muito que fazer em conjunto", disse Tveit ao tomar conhecimento da sua escolha. Ele pediu aos integrantes do Comitê a continuar orando por ele: "Por favor, não parem!", disse.

Tveit disputou o cargo com o teólogo presbiteriano da Coréia do Sul, reverendo Park Seong-won. Ele sucederá no cargo o pastor metodista Samuel Kobia, que informou ao Comitê Central, em fevereiro de 2008, que não disputaria um segundo mandato. Kobia assumiu a secretaria geral em janeiro de 2004.

Desde 2002, Olav Fykse Tveit ocupa o cargo de secretário geral de Ecumenismo e Relações Internacionais do Conselho de Igrejas da Noruega. Ele é membro da Comissão de Fé e Constituição do CMI e integra o comitê executivo do Conselho Cristão da Noruega.

O bispo da Igreja Metodista da Bolívia e membro do Comitê Central do CMI, Javier Rojas Terán, disse ter muita fé e esperança de que com esta eleição o organismo ecumênico se fortalecerá na sua missão e no seu trabalho, comprometido com as necessidades dos povos.

"Temos muitos desafios por diante, como dar respostas ao crescimento da pobreza, da fome, os temas ecológicos. Somos mordomos da Criação e como organismo ecumênico devemos pensar no mundo que estamos deixando às gerações futuras", assinalou.

"O Espírito Santo moveu-se de maneira especial", opinou o pastor pentecostal argentino e membro do Comitê Central, Hector Petrecca, da Igreja Cristã Bíblica. "Foi extraordinária a rapidez e o espírito de unidade com que se desenvolveu todo este processo. Uma mostra mais da fortaleza de nosso compromisso ecumênico", agregou.

Para Magali Nascimento Cunha, da Igreja Metodista do Brasil e membro do Comitê Central, a sessão prévia à eleição foi muito bem conduzida, criando-se um clima de confiança e tranqüilidade entre os delegados. "Os dois candidatos foram muito sábios ao expressar suas visões do trabalho do CMI", destacou. 

"O ambiente que se respira depois desta eleição é de esperança", afirmou o pastor metodista uruguaio, Emilio Castro, secretário geral do CMI de 1985 a 1992. "Tenho a certeza de que neste processo não teve nem vencedores nem vencidos, senão que o movimento ecumênico se fortaleceu. Estou convicto de que os melhores anos do CMI estão diante de nós", declarou.

 

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães