Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

escola dominical invenção metodista

"Deus começa a sua obra com as crianças"

A frase acima é de autoria de João Wesley, que aprendeu a ler na própria Bíblia pelas mãos de sua mãe Susana. Em sua longa vida ele nunca deixou de se preocupar com os corações e as mentes das crianças. Apesar do exemplo de Jesus e de suas recomendações, feitas repetidas vezes, a verdade é que, durante quase 1.800 anos, as crianças não tiveram lugar nem vez na vida da Igreja. Como também não tiveram na própria sociedade. Ao Movimento Metodista - e a João Wesley certamente - o cristianismo deve hoje o interesse pelas crianças.

O surgimento da Escola Dominical no seio do Movimento Metodista, um dos primeiros espaços conquistados pelas crianças numa igreja cristã, se deveu sem dúvida àquelas preocupações de Wesley. Já em Savannah, na Georgia, por volta de 1736-1737, onde servia como missionário, Wesley se reunia com crianças para ensiná-las no caminho da Bíblia. Alguns chegam até a achar que ali é que foi inventada, por Wesley, a Escola Dominical.

Num de seus sermões, Wesley diz o seguinte: "Vocês devem particularmente esforçar-se para instruir seus filhos bem cedo, de maneirasimples, freqüente e pacientemente". Eu chamo esses conceitos práticos de "Leis de Wesley para o ensino de crianças". O cedo para Wesley era a primeira hora em que os pais percebessem que a razão começava a alvorecer em seus filhos. E ele dizia que isto acontecia mais cedo do que se poderia supor, fato que a ciência só comprovou mais de dois séculos depois.Uma das "dicas" de Wesley era: "quando uma criança começa a falar, você pode estar certo de que sua razão começa a trabalhar".Outra recomendação dele é a simplicidade, que é fundamental em educação. "Use somente as palavras que uma criança pode entender".

"Se você quer ver o fruto do seu labor, você tem que ensiná-las não só cedo e de maneira simples mas freqüentemente também. Será de pequeno ou nenhum valor se você o faz apenas uma ou duas vezes por semana. Com que freqüência você alimenta seus corpos? Não menos do que três vezes ao dia. A alma é de menor valor do que o corpo?"

Por último, Wesley enfatiza a paciência e a perseverança na atividade de ensinar as crianças: "nunca pare, nunca interrompa seu labor de amor até que você veja os frutos dele". Como pastor de pastores, Wesley não se cansava de recomendar diligência no trabalho com as crianças. Ele os exortava para reuni-las em bands (classes) pelo menos duas vezes por semana. Quando algum pregador se desculpava dizendo que não tinha esse dom, a resposta de Wesley era clara e incisiva: "Com dom ou sem ele, você deve fazer isso; do contrário, você não foi chamado para ser um pregador metodista". Nos exames de admissão para novos pregadores, os roteiros (minutes), preparados por ele em 1766, incluíam uma pergunta específica, na realidade uma determinação de Wesley: "você instruirá diligente e cuidadosamente as crianças e as visitará de casa em casa?"

Podemos afirmar que nenhum pastor metodista já falou para crianças na proporção de João Wesley. No seu Diário (20.4.1788), ele menciona ter falado em Bolton às três da tarde para um público de 900 a 1000 crianças. Diz ele: "Eu nunca tinha visto nada igual. Que belos hinos cantavam juntos, nenhuma delas fora do tom. A melodia soava melhor do que se pode ouvir num teatro. O melhor de tudo é que elas realmente crêem em Deus e a maioria conhece a verdadeira salvação. Elas são modelo para toda a cidade. Em grupos de 8 ou até 10 crianças juntas elas visitam os pobres e os doentes para encorajar, confortar e orar por eles". Foi mencionando aquela escola dominical que, em carta a Alexandre Suter, Wesley afirmou : "eu amo muito a Escola Dominical. Ela tem distribuído o bem em abundância".

O Metodismo e a Escola Dominical

A Escola Dominical, a mais importante agência de aprendizado bíblico e de evangelização da igreja, é uma invenção metodista.Wesley, quando estava em sua missão na Georgia, já havia começado um trabalho especial de ensino bíblico para crianças. Mas a glória da criação da Escola Dominical cabe auma mulher chamada Hanna Ball. Ela aceitou a Cristo através de um sermão de João Wesley no dia 8 de janeiro de 1765, quando tinha 22 anos. O sermão foi sobre Mateus 15:28: "Disse Jesus: Ó mulher, grande é a tua fé. Faça-se contigo como queres". A partir daquele dia ela se tornou uma grande batalhadora da fé.

A Escola Dominical nos tempos de Hanna Ball, por volta de 1770.Ilustrações extraídas do livro A New History of Methodism, de W.J Townsend, Volume I, impresso em 1909.

No ano de 1769 ela criou a primeira escola dominical.O testemunho de Wesley ao trabalho de Hanna é eloqüente. Em muitas de suas cartas ele valoriza o trabalho por ela desenvolvido. Onze anos mais tarde, em Gloucester, um jornalista metodista, Robert Raikes, criou a primeira escola dominical para os meninos de rua, ensinando-lhes, além da Bíblia, aritmética e inglês.

Os frutos da escola dominical eram impressionantes. A escola de Bolton tinha, no ano de 1787, mais de oitocentas crianças. Só como curiosidade, a introdução da escola dominical no Brasil também se deve à Igreja Metodista. A primeira escola dominical em nossa terra foi fundada pelo Rev. Justin Spaulding em junho de 1836. Também é pioneirismo metodista a publicação de revistas para a escola dominical. O Rev. Ransom, o fundador do Expositor Cristão, editou, na nona década do século XIX as revistas "A nossa gente pequena", para crianças, e "A Escola Dominical", para adultos.Essa maravilhosa instituição é fator importante na ministração de conhecimentos bíblicos e orientação para o bom exercício da fé cristã. Por isso, é dever de todo o bom metodista participar de suas atividades.

Texto adaptado do livro "Pequena História do Povo Chamado Metodista", de autoria de João Wesley Dornellas


Posts relacionados

Geral, Escola Dominical, por Sara de Paula

9 sugestões para as famílias que tem criança em casa

Confira as sugestões preparadas pelo Departamento Nacional de Escola Dominical para trabalhar com as crianças em casa, em tempos de quarentena.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães