Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

mensagem da CNBB à Igreja Metodista

Brasília - DF, 23 de agosto de 2006

À Igreja Metodista

Querida irmã e queridos irmãos do Colégio Episcopal;

Queridas irmãs e queridos irmãos, membros do 18º. Concílio da Igreja Metodista,
Integrantes das muitas Comunidades das 8 Regiões da Igreja!

"Tenho certeza de que Deus, que começou em vocês este bom trabalho, vai continuá-lo até que seja concluído no dia de Jesus Cristo". (Fil 1,6).

Recebemos, com pesar e dor a decisão do 18º. Concílio Geral da Igreja Metodista, realizado na cidade de Aracruz, ES, de 10 a 16 de julho, pp., de não participar de "todos os órgãos ecumênicos com a presença da Igreja Católica e grupos não cristãos".

Respeitamos com o coração constrangido a decisão tomada no 18º Concílio. Alicerçados na profundidade dos laços espirituais e do compromisso que uma caminhada comum teceu ao longo de quatro décadas entre nossas Igrejas, reafirmamos nossa comunhão com cada um de nossos irmãos e irmãs da Igreja Metodista, assim como com suas Comunidades locais, seus pastores e pastoras e seu Colégio Episcopal, assegurando-lhes a nossa constante oração.

Estamos abertos à compreensão e ao diálogo. Entendemos que as dificuldades do presente não anulam o compromisso ecumênico de nossas Igrejas e o espírito cristão de fraternidade, diálogo e convivência que levou nossas Igrejas a fundar o CONIC e a caminhar juntas durante 24 anos.

Reiteramos, portanto, nossa total disponibilidade em constituir uma Comissão Bilateral de Diálogo, para construirmos pontes que nos ajudem a superar as divisões existentes e possam ser fraternalmente estudadas e compreendidas, como já havíamos proposto em carta dirigida ao Colégio Episcopal da Igreja Metodista, em 08 de março de 2000.


E fazemos isto em obediência ao apelo que nos vem da nossa fé e que Paulo, escrevendo da prisão à comunidade de Éfeso, tão bem exprimia:

"Por isso, eu prisioneiro no Senhor, peço que vocês se comportem de modo digno da vocação que receberam. Sejam humildes, amáveis, pacientes e suportem-se uns aos outros no amor. Mantenham entre vocês laços de paz, para conservar a unidade do Espírito. Há um só corpo e um só Espírito, assim como a vocação de vocês os chamou a uma só esperança: há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Há um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, que age por meio de todos e está presente em todos" (Ef. 4, 1-6).

Tendo o Senhor abatido entre nossas duas Igrejas "os muros da separação", aprendemos a nos conhecer, a nos amar, a servir juntas ao Evangelho e ao povo de Deus numa caminhada que só aprofundou os laços de mútua compreensão, de apreço e de fraterna comunhão.

Por isso sentimos a retirada da Igreja Metodista de "todos os órgãos ecumênicos com a presença da Igreja Católica e grupos não cristãos", como dolorosa separação para nós e para cada uma das demais Igrejas-Membro.

Em momento tão difícil de divisões, violência e guerras que atravessa o mundo, um distanciamento entre nós enfraquece e debilita nosso testemunho cristão e nossa capacidade de prestar um bom serviço as pessoas de hoje e ao mundo em que vivemos.

O testemunho da Igreja Metodista sustentou entre nós, com entusiasmo e generosidade, a caminhada ecumênica e o serviço de nossas Igrejas aos mais pobres, com seu ininterrupto serviço na Coordenadoria Ecumênica de Serviço - CESE - e em tantas iniciativas comuns em favor da dignidade das pessoas, da superação das desigualdades e da instauração da paz que brota da justiça. Queremos lembrar especialmente a decisão recente tomada pelo Conselho Mundial Metodista de assinar a Declaração Conjunta Católica Romana e Federação Luterana Mundial sobre a Doutrina da Justificação, bem como a participação do Revdo. Adriel Souza Maia, Bispo da Igreja Metodista e, então Presidente do CONIC, e de Dom Odilo Pedro Scherer, Secretário-Geral da CNBB, e representantes da Confederação Suíça de Igrejas Evangélicas e da Igreja Católica na assinatura da Declaração Ecumênica sobre a "Água como direito humano e bem público", em Fribourg, aos 22 de abril de 2005.

A Igreja Metodista tem papel importante para o testemunho cristão no Brasil e sabemos que foi no sofrimento e em meio também a dúvidas e perplexidades que a decisão conciliar foi tomada. Que o Espírito ilumine a Igreja Metodista e a nós, indicando o caminho e o modo de nos reencontrarmos para agradecer a Deus por tudo o que nos une e para buscar juntos a superação das dificuldades que possam ter surgido em nossa história passada, por causa de nossa humana fragilidade e do nosso descuido ou mesmo de nosso pecado. Temos consciências de que devemos e podemos trabalhar juntos no serviço comum ao Evangelho e ao Povo de Deus.

Que o Senhor continue nos guiando e que a Igreja Metodista na sua oração e testemunho ajude a sustentar as Igrejas-Membro do CONIC, lembrados do que Paulo diz a respeito do corpo, para nós, Corpo de Cristo:

"Os membros do Corpo que parecem mais fracos, são os mais necessários" (1 Cor 12, 22) para que sejamos um em Cristo a fim de que o mundo creia (Jo 17,21).

Cardeal Geraldo Majella Agnelo
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Presidente da CNBB

Dom Antônio Celso de Queirós
Bispo de Catanduva (SP)
Vice-Presidente da CNBB

Dom Odilo Pedro Scherer
Bispo Auxiliar de São Paulo
Secretário-Geral da CNBB

Fonte: CNBB


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães