Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

profissão de fémarie claire

Para a maioria dos jovens, sucesso é ter um bom salário, casa própria e carro zero na garagem. Se a fama vier no pacote, ainda melhor. Para aqueles que decidem ser padres, monges ou pastores, contudo, nada disso parece ter real importância. Na contramão da sociedade de consumo, não hesitam em fazer renúncias em nome da sua vocação. Deixam de ir a baladas, comprar roupas caras e abrem mão da sexualidade, se necessário.
Para Ricardo Mariano, professor de sociologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, os jovens que optam pela carreira religiosa fazem escolhas que implicam, sim, em grandes sacrifícios. Mas conquistam benefícios para sua auto-estima. "Dominar os impulsos sexuais ou de consumo significa ter controle sobre si mesmo. Isso pode produzir uma noção de superioridade moral e prestígio. Além disso, existe uma diferença entre a realidade e as promessas de felicidade da sociedade moderna. Uma vida de 'prazeres' também pode ser repleta de frustrações."
O apego a alguma religião é uma tendência, diz Marcelo Carmurça, pesquisador da relação entre jovens e religião da Universidade Federal de Juiz de Fora. "Numa sociedade que vive a era do risco, a religião funciona como nicho de segurança." Para o americano Mark Regnerus, autor do livro "Forbidden Fruit - Sex & Religion in the Lives of American Teenagers" (ainda sem tradução no Brasil), essa opção pode ser vista como a melhor das alternativas diante de um mundo instável. "É um modo eficiente de obter equilíbrio emocional dentro de uma realidade que muda rapidamente", diz ele. "Uma vida de devoção religiosa pode parecer muito mais rica que outra centrada no individualismo e no consumo."


"Disseram que eu ia estragar minha vida, mas eu nem ligava. O amor que sinto por Deus é maior que tudo" - Patrícia

Patrícia Pereira de Morais, 28 anos, faz parte da Congregação das Irmãs de Santa Marcelina, em São Paulo. Ela sentiu sua vocação quando tinha 14 anos

"Fiz meus votos perpétuos há dois anos. Para mim, foi como se tivesse sido o dia do meu casamento. Quando falo sobre isso, meu coração dispara, minha mão fica gelada. O texto que nós dissemos naquele dia é assim: 'Para a glória de Deus e diante da Igreja, eu, irmã Patrícia Pereira de Morais, prometo e faço um voto a Deus de observar a pobreza, a castidade e a obediência por toda a vida [...] para poder alcançar com a graça do Espírito Santo e com o auxílio da Virgem Maria a caridade perfeita no serviço a Deus e aos irmãos em Cristo'. Nos prostramos no chão e ouvimos: 'Vocês estão mortas para o mundo'. Quando escolhi esse caminho, as pessoas diziam: 'Como assim, você, tão jovem, vai se trancar num convento e estragar sua vida?' Eu nem ligava. Quando uma jovem se apaixona, não é determinada? Mesmo que todas as pessoas digam que o moço não presta, ela não quer saber. Ela só quer saber do amor que sente. Sei que foi Deus quem me escolheu. Tenho essa convicção, mas não sei explicar: é algo que nasce de um eu profundo.
Até os 14 anos, eu pensava em viajar, casar e ter filhos. Depois, passei a sentir algo diferente. Tudo o que eu estava vivendo não me preenchia. Quando participava de festas, não ficava à vontade. Parecia pouco. Com 16 anos, fui morar num convento. Aos poucos, fui percebendo minha vocação. Eu gostava muito de estar com as irmãs. Quando voltava para minha casa, sentia falta. Hoje, não consigo imaginar como seria minha vida fora. Talvez estivesse casada. Não sei. Não é uma dor não ter filhos, levamos a maternidade para o lado espiritual. É a mesma coisa em relação à vida afetiva. Nós dividimos a vida com muitas pessoas. Não existe a falta de namorado. É um dom que Deus nos dá, não preciso lutar contra um sentimento. Posso achar um homem bonito, mas não me desperta nada. Graças a Deus, nunca fui seduzida, não cheguei nem a beijar.
Mas as religiosas também são humanas. Não somos diferentes. Existem pessoas que nos olham e pensam: 'Coitada, não tinha outra opção de vida'. Eu tive várias. Sou normal. Adoro sapatos e bolsas, mas faço um trabalho de renúncia. Qual a necessidade de ter 30 pares? Tenho só três, uma sandália e dois sapatos, um para festas e outro para o dia-a-dia. Não construo minha carreira para adquirir coisas, mas para Deus. Tudo o que eu faço é para Ele. É por Ele que eu levanto às 5h15, mesmo com muito sono, para rezar. É por Ele que eu vou à missa, estudo e trabalho. Hoje, minha família sente orgulho de mim. Meus irmãos falam para os amigos: 'A minha irmã é freira. Pelo menos ela tem um excelente marido. Não vai sofrer.'"

"O celibato me deixa livre. Posso me deitar sozinho e agradecer a Deus por fazer muitas pessoas felizes" - Rafael

Rafael Querobin, 27 anos, vai se formar padre no fim deste ano. Ao todo, serão dez anos de estudo de teologia e filosofia. Na mão esquerda ele usa um anel de ouro 18 quilates com uma cruz: "Me ajuda a ter consciência da minha consagração". No Orkut, tem 114 fãs

"Sei que poderia ser um bom pai, fazer uma mulher feliz, mas eu posso deitar na minha cama de solteiro, sozinho, e agradecer a Deus por ter o dom de fazer muitas pessoas felizes, de receber um telefonema às 3 horas da manhã, de um hospital, e poder ir até lá. Ou então de me colocar à disposição para trabalhar na China. Sou virgem: o celibato me deixa mais livre. A oportunidade de crescimento humano, intelectual e afetivo que tenho no seminário, com certeza, eu não teria em nenhum outro lugar do mundo.
Sou filho de católicos praticantes. A expectativa deles era de que eu tivesse uma carreira de sucesso, não queriam que eu fosse padre. Até os 17 anos, eu estudava muito porque queria fazer uma boa faculdade, ter um bom emprego, um bom carro, comprar um apartamento. Sempre gostei de ter roupa de marca, não usava qualquer tênis ou relógio.
Terminei o colégio e prestei vestibular para ciências da computação. Durante o tempo que estive na faculdade, eu me dedicava aos estudos. Mas a lógica de lá era cada um por si e Deus por todos. A dimensão da fraternidade e da solidariedade não existiam. Isso me angustiava demais. Eu me perguntava: 'Rafael, é isso que você busca para a sua vida?' O que me fazia feliz era ir para a igreja, auxiliar na catequese, fazer os trabalhos sociais na Febem, na favela. Daí, teve o despontar do padre Marcelo Rossi e isso me influenciou muito. Ele era jovem, feliz e finalmente as pessoas começaram a falar com gosto de um padre. Mas eu não tinha forças para falar sobre esse sentimento em casa.
Em junho de 97, participei de um grande encontro de renovação carismática e aquilo mexeu demais comigo. Daí, fui criando forças e decidi falar para a minha mãe. Disse: 'Vou procurar uma congregação'. Ela não aceitou, achou que estavam colocando coisas na minha cabeça. Mas eu estava decidido. Cheguei ao Santuário São Judas por meio de um programa da Rádio América. Eu tinha de procurar o padre. Na minha cabeça, visualizei um senhor de 50 anos, mas logo chegou um homem todo agitado, elétrico. Uma pessoa me cutucou e disse: 'Esse é o padre'. Eu me assustei [risos]. Ele era alegre, brincava com todos, e eu tive a sensação de estar em casa. Parecia que esse lugar já tinha sido preparado para mim há muito tempo. Era um domingo e no dia seguinte começaria o segundo semestre do curso de computação. Na quinta, eu me decidi. Fui para a faculdade feliz da vida e cancelei tudo. Meus pais choraram, minha irmã não aceitou, mas, aos poucos, eles foram se acostumando. Estou no meu décimo ano de estudos e me formo no fim de 2007. Para mim, não existe outra vida que não seja essa."

"Nunca bebi, nem usei drogas. Para mim, o corpo é o templo do Espírito Santo. Você gostaria de morar numa casa suja?" - Thelma

Thelma Ferreira Guimarães do Nascimento, 24 anos, é pastora auxiliar e celebra cultos na Igreja Metodista em Rudge Ramos, São Bernardo do Campo, uma das mais importantes de São Paulo

"Nunca tomei bebida alcoólica, não usei drogas, nem fumei. Eu entendo o corpo como o templo do Espírito Santo. Se nós não cuidarmos do nosso corpo, será que o Espírito Santo vai morar conosco? Você iria gostar de morar numa casa suja? Não, ninguém gosta. Quando decidi estudar para ser pastora, passei a não freqüentar certos lugares, não fui mais a shows nem baladas. Não que isso seja errado, mas tenho de dar o exemplo. Enquanto eu ainda não cursava teologia, era apenas uma adolescente, ia, sim, a baladas, mas sempre tomei cuidado. Namorei quatro anos o meu marido, com quem estou casada há um ano e oito meses. Tive outros namorados, mas tudo com decência. Nada de namorar um hoje, outro amanhã. Me casei virgem. Isso não é exigência da igreja, mas eu não queria agredir minha consciência. Tinha medo de me sentir culpada pelo ato sexual antes do casamento. No namoro, nós orávamos pedindo a Deus que nos abrandasse. O corpo humano tem limites. Então, a gente reconhecia a fraqueza e orava. Valeu a pena. Não por conta do sacrifício, mas para aprender a se controlar. Isso é um exercício de autocontrole, um fruto do espírito.
Não uso blusa de alcinha nem saia curta. Sempre fui recatada, lembro da minha avó dizendo: 'Guarde essas pernas, menina'. Ainda pequena, eu sempre me destacava na igreja metodista, que freqüento desde os 9 anos. Eu sentia como se estar ali fosse natural na minha vida, como se tivesse nascido lá dentro. Meu pai não pertencia a igreja nenhuma, detestava que eu fosse lá, mas eu era apaixonada pela igreja. A que eu freqüentava era bem pequena, não tinha nem instrumentos musicais, só pessoas desafinadas cantando hinos. Não tinha nada para agradar a uma criança, mas eu gostava de viver aquilo. Aos 12 anos, fui a uma reunião local das igrejas metodistas e então tive certeza que entraria num seminário para me formar pastora. Era algo que eu sentia, não era racional. As pessoas me diziam para ter uma profissão paralela, mas eu não quis. No colégio, fiz curso técnico de nutrição. Poderia ter me formado nutricionista, que com certeza ganha muito mais que uma pastora. Ainda não tenho casa própria nem carro. Estou aqui para servir, não para ganhar. Minha jornada de trabalho não tem horários definidos, mas, em tese, trabalho 44 horas semanais. Depende do número de reuniões, dos cultos, das visitas pastorais a hospitais, casamentos, batizados. Já parei para pensar que teria mais conforto, mas acho que a gente tem de fazer aquilo para que tem dom e sente prazer. Jesus nunca quis fama, nunca lutou por poder, e sempre teve autoridade e poder."

"Se eu não comer ou dormir, eu morro. Mas sexo não é necessário. Tenho mais satisfação no templo" - Miao Shang

Miao Shang abandonou a engenharia química para se tornar monja budista aos 28 anos. Fez voto de castidade e pobreza e hoje, com 36 anos, é coordenadora pedagógica da Universidade Livre Budista do Templo Zu Lai, em Cotia, São Paulo

"Para um monge, beneficiar o outro é um trabalho. Nós temos um lema: o budismo em primeiro lugar e eu em segundo. Sempre quis fazer o bem para muitas pessoas. Não tive decepções afetivas. Ao contrário, era sempre eu que deixava os namorados. Não achava essencial ter filhos, me vestir bem ou me arrumar. Aos 28 anos, raspei meu cabelo, que ia até a cintura, e senti um alívio. Não achava sexo algo necessário. Se eu não fizer, morro? Não. Mas, se não dormir, eu morro; se não comer, eu morro. O trabalho no templo me traz muito mais satisfação. Quando você entende os fundamentos budistas, afetividade, fama, dinheiro, filho, tudo isso fica secundário.
Na minha infância, em Taiwan, eu vivi com meus avós, meus pais eram ocupados com negócios. A minha avó me levava ao templo budista. Tinha um altar em casa, ela era muito devota, fazia as orações comigo. Nós andávamos juntas por caminhos pontilhados por imagens. Sem ninguém me dizer nada, eu ficava em frente à imagem e sentia que tinha de parar e fazer reverência. Não sei de onde vinha isso, tinha apenas 5 anos. Quando fiz 8, fui morar no Paraguai. Antes de viajar, minha avó me deu um colar de platina que tinha uma imagem de Bodhisattvas. Lembro que eu o deixava na cabeceira da cama e rezava espontaneamente.
O caminho para eu me tornar monja foi o da obediência. Eu não pude batalhar por isso. Até os 28 anos, tive de seguir os passos da minha mãe, passei por várias religiões e morei em vários países. Fui cursar engenharia por causa dela. Na época que estudava, participei de um retiro espiritual e li um texto que dizia: 'A pessoa que pode ser útil é a que tem valor'. Chorei muito e pensei: 'É no monastério que está o objetivo da minha vida'. Me tornei monja em 2000. Na época, eu já tinha feito uma reflexão sobre quem eu era de verdade. Não queria me fechar numa pequena família. No monastério, cada uma tem seus afazeres. Eu cuido dos alunos da Universidade Livre Budista. Faço meditações, traduções para o português, além de atividades domésticas. Minha ambição é que um dia o budismo possa se enraizar e fazer bem aos brasileiros."

Produção: Astrid van Rooy/cabelo e maquiagem: Camila Ade / Camila de Moraes (BLZ)


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Em oração | 09.04.2020

“...porque sem mim nada podeis fazer.” - João 15:5b Com o objetivo de mobilizar pessoas a orarem semanlmente e diariamente pelos propósitos selecionados pela área nacional da Igreja Metodista, te convidamos a participar da campanha EM ORAÇÃO. O versículo que conduz a campanha, lembra a importância da oração para fazer qualquer coisa: ...porque sem mim nada podeis fazer. (João 15:5b).

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães