Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 14/03/2012

Secretários Executivos da AIM e Departamento de Música e Arte se reúnem em São Paulo

Sede Nacional da Igreja Metodista recebe mais duas reuniões essa semana. Uma delas é com os Secretários Executivos da AIM - Associação da Igreja Metodista que tem representatividade das seis Regiões Eclesiásticas e, também da Remne e  Rema: Regiões Missionárias do Nordeste e Amazônia. As reuniões tiveram início na manhã de hoje, 14 e tem previsão para terminar no dia 15 às 12h.

O bispo presidente da Igreja Metodista, Adonias Pereira do Lago, afirma a necessidade dessa conexão entre as regiões. “O objetivo da reunião é trazer uma unidade de ações por parte das regiões dentro do que a lei de cada Estado e município determina. Isso é fundamental porque muitas coisas são comuns, mas para chegar à meta final há caminhos diferentes”, enfatiza.

O bispo também deixou claro a importância da regularização diante do Estado. "Em nível nacional, obviamente que a unidade dos secretários executivos vai ajudar a Igreja em se manter regularizada diante do poder público de nosso país”, conclui.

Para o Secretário Executivo da AIM, Dr. Alexandre Rocha Maia, a conexidade também é importante para agilizar os encaminhamentos. “Queremos fortalecer ainda mais o vínculo entre as Regiões Eclesiásticas e Missionárias com a Área Nacional. Na verdade, é uma troca de informação, identificação dos problemas e assuntos que surgem na hora que não estão na pauta”, afirma.

De acordo ainda com o Dr. Alexandre Maia, uma harmonia entre os secretários executivos facilita o andamento nas regiões. “A idéia é ter essa integração e manter as AIM’s sintonizadas sabendo do que está acontecendo no Brasil para  procurar soluções e tentar ajudar aqueles que não têm um acesso mais fácil em todos esses sentidos”, conclui.

Música e Arte – Em 2007 foi criada uma comissão com oito integrantes que criou documentos, projetos e várias propostas enviadas ao Colégio Episcopal da Igreja Metodista para aprimorar ainda mais a área musical da Igreja. A partir dessa ação foi instituído o Departamento Nacional de Música e Arte. Dentre os documentos criados pelo departamento está o HMB - Hinário Metodista Brasileiro lançado no 19º Concílio Geral da Igreja Metodista realizado em julho do ano passado em Brasília.

A Revda. Renilda Martins Garcia participou como convidada da reunião e fala sobre as prioridades do departamento. “Temos duas ênfases primordiais. A primeira delas é a formação de músicos e a outra é a expansão para dar acesso às igrejas por meio de um site, além de um possível encontro nacional no final do ano”, diz.

De acordo com a Revda. Renilda Garcia, o processo será gradativo. “Em curto prazo teremos um site para as pessoas postarem músicas e termos um feedback para saber como está a parte musical nas igrejas locais. Já em médio teremos um curso de formação musical de três anos”, conclui.

Para o bispo Adonias Pereira do Lago o departamento é fundamental na vida da Igreja Metodista. “A questão da música é importante porque há uma diversidade por parte das Igrejas locais. Tem regiões que cantam mais hinos outras não,. Há aquelas que são mais criteriosas em relação as letras. Enfim, quando o departamento se reúne eles devem procurar construir uma linha comum em termos de música e arte para a Igreja nível nacional” afirma.

O bispo também disse da importância do resgate dos hinos e do departamento como uma ferramenta útil para a Igreja Metodista. “O trabalho do departamento ajuda na conexidade da Igreja, em especial na qualidade das músicas, ministrações, uso de instrumentos no templo, fazer um resgate em relação aos Hinos. Tudo isso é para ajudar as igrejas locais e, principalmente, a Igreja Metodista no Brasil em ter a mesma linguagem musical”, conclui.

 

Rev. José Geraldo Magalhães - Assessoria de Comunicação

Para saber mais entre em contato com o Coordenador do Departamento Rev.
Edson Mudesto no seguinte e-mail: edmud@uol.com.br

 

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães