Publicado por Comunicação em Colégio Episcopal - 06/02/2024

Acórdão nº 12/2023

 

COMISSÃO GERAL DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA

Consulta de Lei - nº 12/2023 CGCJ

Consulente –  Reverendo Luis Fernando Carvalho Sousa Morais - REMENE

Relator – Hamilton Fernado Dutra Militão– 4 ª Região Eclesiástica

 

EMENTA: CONSULTA DE LEI – aplicabilidade normas para o aspirante ao Ministério Clérigo, vigência cânones atual – nomeação Episcopal para funções pastorais – exercício pleno do Ministério da Palavra e ministração de sacramentos- decisão publicada e confirmada em julgamento digital por maioria de votos da CGCJ.

 

Acórdão

ACORDAM, os integrantes da Comissão Geral de Constituição e Justiça da Igreja Metodista, por maioria de votos, posto que, o consulente Reverendo Luis Fernando Carvalho Sousa Morais, membro da CGCJ representante da REMENE, se declara impedido para este julgamento, os votos dos demais membros acompanha o voto do Relator, nos termos da fundamentação.

 

São Paulo, 12 de dezembro de 2023.

 

Carla Walquiria Vieira Pinheiro

Presidente da CGCJ

 


 

 COMISSÃO GERAL DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA

 

CONSULTA  de Lei 12/2023

CONSULENTE: Luis Fernando Carvalho Sousa Morais

RELATOR: Hamilton Fernando Dutra Militão

 

DA CONSULTA:

O Consulente formalizou através de e-mail encaminhado à presidência dessa egrégia comissão, datado de 03.08.2023, suas considerações e seus questionamentos, a saber:

CONSIDERANDO:

- Os Cânones da Igreja Metodista no Brasil, dizem expressamente que os membros da Igreja Metodista dispõem -se em duas categorias, quais sejam: clérigos e leigos (art 7, §1º dos Cânones Metodista 2023);

- Os Cânones da Igreja Metodista no Brasil, no que diz respeito à figura do/a Aspirante ao ministério clérigo da igreja supracitada, traz uma interpretação dúbia;

- Que no veio do diploma legal acima citado, nos seus arts. 25, §2º c/c 38, §4º trazem que o/a Aspirante permanece como membro leigo/a ligados à uma igreja local;

- Que no mesmo compêndio legal traz também que o/a Aspirante ao ministério clérigo ao receber nomeação episcopal, recebe o título de Pastor/a (arts. 27 §§ 8o e 9o c/c 38 §§ 7o e 8o);

- Que nos arts 27, VIII, §10o c/c 38, §9o, dizem que o/a Aspirante ao ministério clérigo não podem, no período do aspirantado, votar e ser votado, tirando-lhe um direito constitucional de membro leigo/a, disposto no art 11, V dos Cânones Metodista 2023;

- Que o/a Aspirante ao ministério clérigo com designação/nomeação de tempo integral segundo os arts. 27, VIII, §12º c/c 38,§11º, “tem de estar vinculado(a) ao sistema de previdência social oficial do país, considerando que ele(a) assume votos de religioso(a)”;

- Que, caso tenha, contra si, um processo disciplinar, “a Comissão de Disciplina será composta de membros clérigos nos termos do parágrafo único do Art. 255, § 1º, dos Cânones 2023”, tal como o membro clérigo/a;

QUESTIONO:

1. Prospera a interpretação de que o legislador canônico apresenta duas categorias de Aspirante, sendo o primeiro, o seminarista/teólogo, que não possui nomeação episcopal e por conseguinte, permanece como leigo servindo em uma igreja local e o segundo, com nomeação episcopal que recebe título de pastor/a, assumindo votos religiosos?

2. O Aspirante ao ministério clérigo, com nomeação episcopal, ao receber o título de pastor, exercendo funções pastorais é reconhecido pela instituição como pastor/a, podendo exercer o sacerdócio do Ministério da Palavra e ministração de sacramentos?

Diante de todo o exposto, requer dessa douta comissão, a apreciação e por conseguinte, a resolução da consulta de lei em tela.

A Consulta, foi encaminhado a mim, Hamilton Fernando Dutra Militão, membro da CGCJ pela 4ª Região Eclesiástica para relatoria e voto, o que passo a fazer:

DO PARECER:

a) Interpretando a atual Legislação Canônica em vigor, e considerando o disposto nos artigos supracitados, a saber:

Art. 7, §1º:

Os membros da Igreja Metodista – LEIGOS E LEIGAS, CLÉRIGOS E CLÉRIGAS – dela participam segundo dons e ministérios por ela reconhecidos. (Cânones 2023)

Têm-se assegurado por previsão legal, a garantia da participação na estrutura metodista, através de duas categorias formais, a saber: LEIGOS e CLÉRIGOS, oportunizando dentro do cumprimento legal e formal, a progressividade dos mesmos, como assim afirma o artigo canônico.

Art. 3º, Parágrafo único:

A Igreja Metodista cumpre a sua missão realizando o culto de Deus, pregando a Sua Palavra, ministrando os sacramentos, promovendo a fraternidade e a disciplina cristãs e proporcionando a seus membros meios para alcançarem uma experiência cristã PROGRESSIVA, visando ao desempenho de seu testemunho e serviço no mundo. (Cânones 2023)

O Escopo da consulta, se amolda na progressão da categoria: “Aspirante ao ministério clérigo” (Folha 01). Por se tratar de progressão a uma outra categoria, o/a candidato/a, ao aspirantado clérigo, deve satisfazer as exigências legais, formais e temporais, prevista em nosso ordenamento canônico, como se segue:

A primeira delas é a permanência na categoria leiga de sua origem, quer seja, na busca do ingresso da Ordem ou na Consagração ao Ministério Pastoral,

Art. 25, § 2º,

O (a) Aspirante à ORDEM PRESBITERAL permanece na condição de membro leigo e não tem os mesmos direitos do Presbítero ou Presbítera com ordenação. (Cânones 2023)

Art. 38, § 4º

O(a) Aspirante ao MINISTÉRIO PASTORAL continua na condição de membro leigo e não tem os mesmos direitos do Pastor consagrado e da Pastora consagrada. (Cânones 2023)

A referida exigência, prevista em nosso ordenamento, tem a finalidade da preparação legal, formal e temporal do/a candidato/a à nova categoria clériga.

 

A segunda exigência é a da “abdicação” do direito de votar e ser votado, conforme entendimento transcrito dos artigos: 27, VIII, §10º c/c e 38, §9º da lei canônica.

Art. 27, §10º

É vedado ao(à) Aspirante à Ordem Presbiteral, enquanto PERMANECER NESSA CATEGORIA, votar e ser votado(a) para cargos eletivos na Igreja Metodista; (Cânones 2023)

Art. 38, § 9º

É vedado ao(à) Aspirante ao Ministério Pastoral, enquanto permanecer nessa categoria, votar e ser votado(a) para cargos eletivos na Igreja Metodista. (Cânones 2023)

Tal formalidade se amolda ao que se busca, ascender a uma outra categoria, não podendo mais, em face desse desejo, manter o direito que estava assegurado de modo especifico, à categoria de origem. Tal exigência legal é Pro tempore, buscando tão somente aperfeiçoar e confirmar ao candidato/a, a capacidade daquele/a que está apto para assumir uma nova categoria com direitos e deveres inerentes à mesma.

Dentro do intento escalonado do candidato/a à Aspirante ao ministério clérigo, está a previsibilidade legal que lhe assegura, quando necessário, através de nomeação episcopal, a equiparação ao título de Pastor/a, conforme determina os artigos, 27§§ 8º e 9º e 38§§ 7º e 8º:

Art. 27 §§

§ 8º. O(a) Aspirante à Ordem Presbiteral, com nomeação episcopal, recebe o TÍTULO DE PASTOR OU PASTORA;

§ 9º. O(a) Aspirante à Ordem Presbiteral passa a exercer funções pastorais COMPATÍVEIS com CATEGORIA eclesiástica requerida;

Art 38 §§

§ 7º. O(a) Aspirante ao Ministério Pastoral com nomeação episcopal recebe o TÍTULO DE PASTOR OU PASTORA.

§ 8º. O(a) Aspirante ao Ministério Pastoral passa a exercer funções pastorais COMPATÍVEIS com a CATEGORIA eclesiástica requerida.

Dentro do exercício das funções compatíveis à do Ministério Pastoral, está a observação legal:

Art. 27, VIII, §12º

O(a) Aspirante à Ordem Presbiteral TEM DE ESTAR VINCULADO(a) ao sistema de previdência social oficial do país, considerando que ele(a) assume votos de religioso(a);

Art 38 §§

§ 11. O(a) Aspirante ao Ministério Pastoral TEM DE ESTAR VINCULADO(a) ao sistema oficial de previdência do país, considerando que ele ou ela assume votos de religioso(a).

Tal exigência legal, acompanhará não somente o candidato/a ao aspirantado já nos trilhos de uma nova categoria, como lhe será exigido posteriormente, através de recibos comprobatórios, que coadune para sua real efetivação. Assim preceitua os artigos canônicos:

Art. 28. Os deveres pertinentes ao Presbítero ativo e à Presbítera ativa, além daqueles dos membros leigos da Igreja Metodista, são os seguintes:

VII. COMPROVAR, periodicamente, que está em dia com as contribuições ao sistema de previdência do país;

Art. 41. Os deveres pertinentes ao (à) integrante do Ministério Pastoral, além daqueles dos membros leigos da Igreja, são os seguintes:

VII. COMPROVAR, periodicamente, que está em dia com as contribuições ao sistema de previdência do país;

Ainda no acompanhamento da progressão do candidato/a à nova categoria eclesiástica, a saber: A categoria clériga, não resta dúvida, que em nosso ordenamento canônico, a letra da lei vislumbra de maneira formal e temporal, os mecanismos previstos para a concretude deste intento, já inclusive tratando o/a candidato/a com valores preestabelecido à nova categoria, como se segue:

Art.27.

§ 15. Havendo QUEIXA OU DENÚNCIA disciplinar contra o(a) ASPIRANTE à Ordem Presbiteral, no exercício de sua nomeação, observar-se-ão as Normas da Disciplina Eclesiástica da Igreja Metodista, estabelecida nos Cânones, sendo competente para receber a ação disciplinar o Bispo ou Bispa Presidente da Região a que esteja vinculado(a

§ 16. POR ESTAR NO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO PASTORAL, a Comissão de Disciplina SERÁ COMPOSTA DE MEMBROS CLÉRIGOS nos termos do parágrafo único do Art. 255, § 1o, destes Cânones.

Art. 38.

§ 14. Havendo QUEIXA OU DENÚNCIA disciplinar contra o(a) ASPIRANTE AO MINISTÉRIO PASTORAL no exercício de sua nomeação, observar-se-ão as Normas da Disciplina Eclesiástica da Igreja Metodista estabelecidas nestes Cânones, sendo competente para receber a ação disciplinar o Bispo ou Bispa Presidente do Concílio Regional.

§ 15. POR ESTAR NO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO PASTORAL, a Comissão de Disciplina SERÁ COMPOSTA DE MEMBROS CLÉRIGOS nos termos do Art. 256 destes Cânones.

Prosseguindo no intento de clarear dúvidas trazidas pelo consulente, passa-se a análise de seus questionamentos, a saber:

1. Prospera a interpretação de que o legislador canônico apresenta DUAS CATEGORIAS DE ASPIRANTE, sendo o primeiro, o SEMINARISTA/TEÓLOGO, que NÃO POSSUI NOMEAÇÃO EPISCOPAL e por conseguinte, PERMANECE COMO LEIGO SERVINDO EM UMA IGREJA LOCAL e o segundo, COM NOMEAÇÃO EPISCOPAL que recebe título de pastor/a, assumindo votos religiosos?

Por se tratar de uma CATEGORIA ESPECIAL, o referido “SEMINARISTA/TEÓLOGO” está restrito à condição acadêmica conforme preceitua a lei canônica:

Art. 27.

§ 1º. Os alunos e alunas DO ÚLTIMO ANO das Faculdades de Teologia da Igreja Metodista, quando solicitado pela Região, PODEM receber NOMEAÇÃO EPISCOPAL e A TITULAÇÃO DE PASTORES ACADÊMICOS e PASTORAS ACADÊMICAS.

Aqui há uma restrição da lei, que atendendo a diversidade e o dinamismo de nossa Igreja, estabelece esta previsão, ou seja, ENQUANTO ESTIVER NO ÚLTIMO ANO ACADÊMICO, PODERÁ, SE NECESSÁRIO, receber nomeação com TÍTULO ESPECIAL: “PASTORES ACADÊMICOS”, não há nem

mesmo a previsão por parte do legislador da linguagem “ASPIRANTE”, pelo contrário, não havendo essa necessidade específica, permanece o ACADÊMICO, como membro leigo, conforme previsão legal supracitada em nosso parecer. Destaca-se aqui, a EXCEÇÃO do PROCEDIMENTO FORMAL, que certamente se findará, com a CONCLUSÃO do REFERIDO CURSO, restando tão somente o retorno à observação formal que o legislador previu em nosso ordenamento.

2. O ASPIRANTE AO MINISTÉRIO CLÉRIGO, com nomeação episcopal, ao receber o TÍTULO DE PASTOR, exercendo funções pastorais é reconhecido pela instituição como PASTOR/A, podendo exercer o sacerdócio do Ministério da Palavra e ministração de sacramentos?

Conforme já abordamos em nosso parecer acima, exatamente assim previu o legislador:

Art. 27

§ 9º. O(a) Aspirante à Ordem Presbiteral passa a exercer FUNÇÕES PASTORAIS COMPATÍVEIS com CATEGORIA eclesiástica requerida;

Art 38

§ 8º. O(a) Aspirante ao Ministério Pastoral passa a exercer FUNÇÕES PASTORAIS COMPATÍVEIS com a CATEGORIA eclesiástica requerida.

 

VOTO:

A condição precípua de RECEBER NOMEAÇÃO quer seja na condição de “Pastores Acadêmicos”, “Aspirantes ao Presbiterado” ou “Aspirante ao Pastorado” abre EXCEÇÕES para ATENDER AS DEMANDAS MISSIONÁRIAS e ao mesmo tempo conferir de maneira especial, PODERES ESPECÍFICOS, sendo assim, RECONHECIDO PELA IGREJA nessa CONDIÇÃO ESPECIAL, conforme previsão canônica: “...com NOMEAÇÃO EPISCOPAL, recebe o TÍTULO DE PASTOR OU PASTORA”. (Art. 27 §8 e §9 e Art. 38 §7 e §8 dos Cânones).

NÃO HAVENDO NOMEAÇÃO, ou interesse das regiões em efetivá-las, O ALUNO/A ou O/A ASPIRANTE (da ordem Presbiteral ou Pastoral), permanecerá na condição de MEMBRO LEIGO, até vencer os prazos e procedimentos formais previstos em nosso ordenamento Canônico.

É como voto.

 

Com o devido respeito e consideração, encaminho o voto para apreciação dos/as companheiros/as da CGCJ.

Muriaé, 28 de novembro de 2023.

 

Hamilton Fernando Dutra Militão

Membro da CGCJ – 4ª Região Eclesiástica

 

Aos órgãos oficiais da Igreja Metodista

Publique -se.

 


 

           

 


Posts relacionados

Colégio Episcopal, por Comunicação

Pronunciamento da Igreja Metodista do Brasil sobre decisão da Conferência Geral da Igreja Metodista Unida

  A Igreja Metodista do Brasil, através do Colégio Episcopal, torna público seu pronunciamento sobre a decisão da Conferência Geral da Igreja Metodista Unida sobre a homossexualidade.

Colégio Episcopal, por Comunicação

Comunicado: Retificação de Orientação - FATIM

  A Igreja Metodista, através do Colégio Episcopal, torna público o comunicado expedido ao corpo discente oriundo do curso presencial da FaTeo, aos seminários regionais e às assessorias episcopais aos alunos e alunas da Faculdade de Teologia.

Colégio Episcopal, por Comunicação

Intimação

  Resultado proferido em face do pedido de Antecipação de Tutela em Liminar e a abertura de concessão de prazo regulamentar para apresentação de recurso ao Pleno CGCJ.

Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Nota oficial da Igreja Metodista sobre as Instituições de Ensino

Nós, membros da Cogeam (Coordenação Geral de Ação Missionária) e Colégio Episcopal da Igreja Metodista, estamos cientes de que a Educação Metodista entrou, no último dia 09, com uma cautelar cujo objetivo é elaborar um plano de recuperação que viabilize a manutenção das atividades acadêmicas das instituições.

Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Oração, caminho de esperança | Carta pastoral do Colégio Episcopal da Igreja Metodista

"Desde o início da pandemia da Covid-19, o mundo tem testemunhado os efeitos devastadores da doença, mas também de toda a desigualdade econômica, social e cultural que ela deflagrou. Como estamos em um tempo de intensos debates políticos e ideológicos em todos os continentes, muito do foco que deveria estar no cuidado e tratamento das pessoas nas diferentes cidades e países acabou sendo desviado." | Leia o documento na íntegra.