Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Altamira

Escola e Igreja Metodista ficaram alagadas. Cerca de 300 famílias de alunos do IMEA, Instituto Metodista de Ensino da Amazônia, perderam tudo!


"A religião Pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar  os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e si mesmo gurdar-se  incontaminado do Mundo" (Tiago 1.27)

Passei a noite pensando nas pessoas desabrigadas pela enchente em Altamira refletindo no que seria o nosso papel como entidade cristã, frente à tamanha calamidade.
Meu pensamento voltou aos bons tempos das décadas de 70 e 80 onde a igreja  tinha um projeto missionário que atendia as necessidades dos povos amazônicos com remédios e roupas. Quisera eu não precisar pedir nada em  favor deste povo. Mas, a necessidade deles tem urgência. ¼ da população foi atingida pela enchente e por questões político-partidárias a Governadora que é do PT recusou o pedido da Prefeita, PSDB, de estado de Calamidade conseqüência disso o povo padece! A Prefeitura sozinha não tem condições de atender a demanda, a União não ajuda porque não
está em "estado de calamidade". Por isso,  quero pedir ajuda: remédios, roupas, comidas e material escolar para as  crianças atingidas. Como o próprio slogan da Igreja Metodista afirma: Somos  Comunidade Missionária a serviço do Povo. Como parte deste slogan, quero fazer deste Pólo um local de coleta e distribuição de donativos.
OBS: cerca de 300 famílias de alunos do IMEA perderam tudo!

Sandro Alves dos Santos
Pólo - Altamira

Veja mais fotos:

 

 

 


 

Altamira,  do caos à força da Solidariedade

 

No último domingo, 12 de Abril, ao encerrarmos a Escola Dominical, às 11:05, saindo da igreja vimos a rua cheia de água, que cada vez mais se avolumava de água numa velocidade surpreendente.
A água pegou quatorze bairros de surpresa. Choveu toda a madrugada na região de Altamira, o que fez com que barragens construídas sem suporte técnico de engenheiros e a sua grande maioria de forma clandestina rompessem causando toda a inundação.

Bairros inteiros ficaram praticamente submersos rapidamente, e muitas vidas foram salvas com ajuda de botes e voadeiras que trafegavam onde até poucos momentos antes trafegavam pessoas, carros e bicicletas.
O IMEA (colégio metodista) e a Igreja Metodista também ficaram inundados.
Nos bairros mais críticos a água chegou a 3,50 mts de altura. Milhares de moradores saíram das águas apenas com a roupa do corpo.
Como igreja estamos trabalhando na arrecadação e distribuição de roupas, cestas básicas. E junto com o IMEA, estamos arrecadando colchões, roupas e alimento e distribuindo alimento pronto para famílias de alunos do colégio que foram atingidos pela calamidade.
A situação é crítica realmente; há muita mobilização para ajudar as vítimas que se encontram em estado de calamidade. Homens, mulheres e muitas crianças, sem ter onde dormir, e sem ter o que comer.

 

As maiores mobilizações são para se conseguir doações de colchões, roupas remédios e alimento. A área da construção também vem como um segundo passo importante, pois muitas casas foram levadas pelas correntezas.
A Igreja está representada junto à ACIAPA (Associação Comercial de Altamira), e hoje estaremos reunidos às 14 horas para discutirmos propostas e tomarmos decisões de ajuda para os atingidos pelas águas.
Hoje à noite, decidiremos como igreja a necessidade ou não de criarmos uma Conta para arrecadação de ajuda financeira para ajudarmos na recuperação das perdas.

Como igreja somos sensíveis a tudo que aconteceu; não somente nossa comunidade foi atingida mas todos de um modo geral ficamos marcados por essa calamidade. Nos bairros as aulas estão suspensas e as perdas se manifestam ao longo as ruas, pela sujeira, pelos bens perdidos, empilhados nas frentes das casas, e pelo ar desolado das pessoas, motivados pelas perdas sofridas.

Notícia enviada pelo pastor Luis Carlos Silva Marques, no dia 16 de abril.

Fotos do jornal Diário do Pará


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães