Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

assassinato de indios

Milícias armadas estariam agindo nos municípios da região sul de Mato Grosso do Sul, a mando de fazendeiros, para intimidar e expulsar índios Guarani-Kaiowá de terras reivindicadas por eles. A denúncia é do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e do Ministério Público Federal de Dourados (MS).

Nos últimos anos, os pistoleiros teriam assassinado vários índios Guarani-Kaiowá. Os matadores também seriam responsáveis pelo assassinato da índia Kurutê Lopes, de 70 anos, com um tiro no peito, na Fazenda Madama, na noite da última segunda-feira (8).

Segundo o coordenador regional do Cimi em Mato Grosso do Sul, Egon Heck, as milícias se identificam como seguranças a serviço dos fazendeiros. "Os pistoleiros têm agido com violência e assassinatos, inclusive mataram o índio Dorvalino, em dezembro de 2005. Eles são o braço armado dos fazendeiros", diz ele. "É importante que o Ministério da Justiça e a Polícia Feder al averigúem a fundo essa realidade, para que atos como a morte de Kurutê não continuem se repetindo", afirma o indigenista.

O procurador do MPF de Dourados Charles Pessoa confirma as suspeitas. "Existe. sim, uma desconfiança de que possa haver grupos que prestam esse tipo de serviço, e eu acredito firmemente nessa possibilidade", diz o procurador.Ele explica que essa suspeita se deve aos assassinatos freqüentes de indígenas na região. "O MPF abriu inquéritos, mas ainda não deu para amarrar os vários casos, que comprovariam a ação de milícias armadas. Mas, estamos aprofundando as diligências", completa ele.

O delegado da Polícia Civil Marcelo Batistela Damasceno, da região entre Amambai e Coronel Sapucaia, onde foi morta Kurutê, disse não ter informação a respeito da suposta atuação de milícias. "Nunca ouvi dizer", resumiu. A Recovê, entidade não governamental formada por grandes produtores rurais da região, foi procurada para falar sobre a denúncia, mas não fo i possível um contato telefônico.

Também foram procurados pela reportagem o Sindicato dos Proprietários Rurais de Amambai, cujo presidente está em viagem a São Paulo, e a Federação da Agricultura e Pecuária do MS, onde a assessoria alegou que, devido a recesso coletivo na entidade, não é possível fazer contato com a diretoria.

 
www.campograndenews.com


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Como usar o Google Drive para organizar arquivos da sua Igreja

Nesse tempo de distanciamento social as igrejas buscam ferramentas para seguir se organizando com seus grupos de trabalho, sociedades e ministérios. No vídeo abaixo apresentamos na série de dicas de ferramentas digitais para igrejas, a ferramenta Google Drive, para se organizar de forma gratuita com a sua equipe.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães