Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

congresso de mulheres

Dia 25 de Novembro celebrou-se o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher

No mundo inteiro, igrejas e instituições sociais mobilizaram-se em favor da paz e da dignidade humana. A Igreja Metodista realizou, de 15 a 18 de novembro, um Congresso de Mulheres no qual se reafirmou a importância da mulher para a vida da Igreja e da Sociedade. Leias as reportagem a seguir:

7º Congresso Nacional de Mulheres Metodistas

Mulheres unidas para servir com alegria e esperança

 

Vermelho, amarelo, azul, rosa, laranja....As várias regiões da Igreja Metodista, cada uma representada por uma cor, transformaram num alegre arco-íris a abertura do 7º Congresso Nacional de Mulheres, realizado entre os dias 15 e 18 de novembro, no clube de campo do CNTI (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria), em Luziânia, próximo a Brasília. O estandarte de cada Federação adentrou o auditório pelas mãos de uma delegada devidamente paramentada com roupas típicas de sua região e foi recebido com festa. Festa é uma boa palavra para resumir o clima destes quatro dias de encontro das mulheres metodistas em todo o país, "unidas para servir com alegria e esperança".

Mas, entre momentos de louvor, edificação e lazer (as congressistas tiveram a oportunidade de fazer um passeio pelo Distrito Federal), também houve trabalho. As mais de 700 participantes participaram de oficinas de vários temas relacionados à vida cristã e aos desafios do cotidiano: Novo Testamento, doutrina metodista, evangelização, devocionais, oração, louvor, liderança, depressão, promoção da paz e saúde integral. E, na noite de sábado, foi eleita a nova diretoria da Confederação das Sociedades Metodistas de Mulheres do Brasil:

 

Presidente - Sônia do Nascimento Palmeira - 1ª RE

Vice-Presidente - Leila de Jesus Barbosa - 1ª RE

Secretária de Atas - Anita Araújo Quaglio de Souza - 4ª RE

Secretária Correspondente - Míriam Fontoura Dias Magalhães - Rema

Tesoureira - Victalina Lalucce dos Santos - 5ª RE

 

A bispa Marisa (ao centro, ao lado da Revda Amélia, redatora da revista Voz Missionária e da Revda Margarida Ribeiro, professora da Fateo)e da pregou na abertura do Congresso. A partir dos exemplos de fé de Ana, mãe de João Batista, e Maria, mãe de Jesus - mulheres corajosas que enfrentaram discriminação e solidão - ela conclamou as mulheres metodistas a assumirem o seu papel na missão: "A mulher tem que tomar o lugar dela, sim... Mas não o lugar que o homem deu a ela, mas o lugar que Deus reservou: ao lado do homem".

 

Os momentos de louvor foram conduzidos pelo maestro David Junker, professor da Universidade de Brasília. O professor Junker também ministrou a oficina sobre louvor e lembrou às participantes que músicas de vários ritmos, dança e teatro podem ser instrumentos de adoração a Deus, "mas não podem ser um fim em si mesmos". O objetivo não é o ritual ou a arte em si, mas a adoração.

A tarde da sexta-feira, dia 17/11, foi reservada à realização de oficinas. O bispo João Carlos Lopes falou sobre doutrina metodista: "Somos salvos pela fé. Nós costumamos jogar muito peso sobre as pessoas. Mas é pela fé que eu obedeço, cultuo ou dou o dízimo. Essas ações são conseqüência da fé; assim como aadoração é conseqüência do amor".

Na foto, a pastora Maria do Carmo Moreira Lima, a "Kaká", da 1ª Região, que conduziu a oficina Mulheres Promotoras da Paz, onde se discutiu a questão da violência doméstica. Após a exposição da pastora e reflexão em grupo, as mulheres chegaram à conclusão de que "em briga de marido e mulher" nós, como promotores e promotoras da paz, podemos, sim, "meter a colher", para evitar a violência. Mas essa intervenção tem que ser feita com sutileza, generosidade e compaixão, numa atitude que seja de acolhimento e valorização da vítima de violência. "Deus tomou a decisão radical de se fazer corpo humano. Ele valoriza a condição humana", disse a pastora.

Hulda Evencio de Souza, de 77 anos (primeira, da direita para a esquerda) participa da Sociedade de Mulheres desde 1964. Ela é mãe de Elifelete Evencio de Souza Gonçalves; avó de Patrícia Daniela Pires e bisavó de Eduarda, de 2 anos, que participa de seu primeiro Congresso de Mulheres. Patrícia, aos 24 anos de idade, é membro ativa da Sociedade de Mulheres da Igreja Metodista em Vilhena, Rondônia, que desenvolve um importante trabalho de apoio e orientação a gestantes adolescentes. Ela conta que, logo que se casou, quis participar da Sociedade de Mulheres de sua Igreja.

Quer participar mais ativamente dos Concílios da Igreja Metodista? Então leia a Cartilha de Orientação para participação em Concílios, que explica, de forma simples e prática, as normas que regem os processos decisórios de nossa Igreja. O objetivo da cartilha, editadapela Confederação Metodista de Mulheres, é aumentar a participação feminina na vida da Igreja. Entre em contato com a Sociedade de Mulheres de sua igreja e informe-se!

Veja a apresentação, em power-point, de três palestras sobre a participação da mulher na sociedade e na Igreja:

Mulheres na Bíblia: palestra da Revda. Suely Xavier

Mulheres no Cotidiano - palestra da Revda. Giselma Almeida

Mulheres na História do Metodismo - palestra da Revda. Margarida Ribeiro

 

Clique aqui para ver mais imagens do Congresso.

 

VEJA TAMBÉM

Dia Internacional pela não Violência contra a mulher: a mobilização em Porto Alegre. Clique aqui.

Homens de Maringá manifestam-se pela não violência contra a mulher. Clique aqui

Leia na seção Imprensa & Religião: Entrevista com a psicóloga cristã Esly Regina Carvalho e a reportagem "Agredidas em nome de Deus, elas pedem ajuda". Clique aqui

 


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Recadastramento de Agentes No Cenáculo

Entenda mais sobre o projeto que pretende reunir os articuladores da publicação

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães