Publicado por Sara de Paula em Geral - 30/09/2022

Conheça o Projeto Farinha Maruwai

comunidade-105-800x568.jpg

Foto: parte da comunidade Maruwai vestida a caráter

O Projeto Farinha Maruwai acontece na região de Boa Vista, Roraima, e tem o objetivo de viabilizar a plantação de mandioca na comunidade indígena Maruwai. A ação foi possível através de parceria entre as agências metodistas internacionais UMCOR/GBGM, United Methodist Committe on Relief (Comitê Metodista Unido de Socorro) e Igreja Metodista no Brasil, iniciada em junho de 2021.

A viabilização da plantação de mandioca no local, defendeu a ação como uma forma de sustentabilidade da própria comunidade, que após a colheita da mandioca poderá produzir farinha tanto para comercialização quanto para autossustento. Com coordenação do Pastor Luiz Sokoloviz da Congregação Metodista no Cambará em Boa Vista, e supervisionado pela Secretaria de Vida e Missão da área nacional da Igreja Metodista, o projeto vive hoje um tempo de conclusão da fase do cultivo.

Confira no vídeo abaixo o vídeo recente da plantação.

A parceria se encerrou em 30 de agosto de 2022 ao final da primeira fase do projeto (tempo de cultivo) e tem a colheita da mandioca prevista para início de 2023.


Saiba mais sobre o Projeto

Comunidade que o projeto visa alcançar: O alvo do projeto é a Comunidade Indígena Maruwai composta de aproximadamente 250 pessoas que vivem isolados por condições de estradas ruins, alimentação precária e em situação vulnerável na área Indígena Médio São Marcos na cidade de Boa Vista/RR. A comunidade Indígena Maruwai já estava vivendo em condições vulneráveis devido o descaso do Governo com estas comunidades indígenas e se tornou mais difícil neste período de pandemia da COVID 19. 

O projeto: O presente projeto visa fixar esta população em seu lugar de origem, oferecendo condições de trabalho, subsistência e melhorias de alimentação, evitando que esta população tenha que concorrer com a população da cidade de Boa Vista em relação às condições de sustentabilidade (trabalho, alimentação). O projeto “FARINHA MARUWAI”, consiste em plantio de mandioca para produção de farinha com o lema APRIMORAR PARA COLHER MAIS.

Pessoas alcançadas: O projeto busca alcançar a totalidade da população Maruwai, visto que a atividade proposta faz parte de sua tradição e cultura. O projeto visa as melhorias no cultivo da mandioca de onde se fabrica a farinha, oferecendo melhores condições, como preparo do solo, adubação adequada com técnicas comprovadas, sementes selecionadas, controle de pragas aumentando em três vezes a produção por hectare e acelerando com isso o ciclo de produção. Toda a população será previamente cadastrada e incentivada a participar do projeto, pois todos eles estão naquele lugar em condições de igualdade e dependem de uma atividade para fixá-los e melhorar a renda familiar.

Foto: Esta foto é da  Comunidade Indigena Maruwai localizada na Região Indigena de São Marcos na ponta DA SERRA DO MARUWAI, Area Indigena demarcada. Esta região se divide em Baixo, Medio e Alto São Marcos.

Parcerias já existentes: A organização do projeto já está permeada na comunidade devido à realização de palestras, cursos, projetos anteriores através da Igreja Metodista do Brasil que tem um templo de atuação no local e que é bem aceita pela comunidade. Esta comunidade foi beneficiada há alguns anos pela própria UMCOR com poço artesiano e reservatório elevado que abastece de água a comunidade até hoje.  O projeto tem, também, a participação da EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA e SEAPA – SECRETARIA DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, que forneceram as técnicas bem como irão disponibilizar técnicos da área para levarem palestras de incentivo e orientação de cultivo.

 


Posts relacionados

Geral, Mídia, Destaques Nacionais, Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Nota do Colégio Episcopal: nomeação do diácono M Bracklay

Tem circulado nas mídias eletrônicas a notícia, publicada originalmente pelo jornal The Washington Post, sobre a nomeação do diácono M Bracklay, pela Bispa Sally Dyck , da Conferência Nordeste de Illinois, USA, da Igreja Metodista Unida dos Estados Unidos da América. O fato em destaque é o de que Barclay se declara transgênero (Queer).

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães