Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

culto de abertura do concilio

12 DE OUTUBRO DE 2006 - 14 horas

 

Tema: MISSÃO

 Igreja Metodista em Rudge Ramos

 

Concílio com bis

 

 

Ao som do piano, tocado por Liséte Espíndola, os participantes e visitantes do 18º Concílio Geral adentraram o templo para o culto de abertura do 18º Concílio Geral da Igreja Metodista. Na entrada, um presente bem humorado: cada pessoa ganhou um chocolate "bis". O Rev. Marcos Munhoz (pastor titular da I.M. Rudge Ramos) fez a saudação inicial fazendo referência à 2ª sessão e ao chocolate: "Recebemos a todos vocês com carinho, no doce afeto do Espírito Santo, sinalizado no sabor do chocolate, que pede bis, unção dobrada do Espírito".

 

O pastor Pedro Nolasco, da Igreja Metodista em Jundiaí, fez a leitura bíblica de Amós 5.21-24: "Aborreço  desprezo as vossas festas; e com as vossas assembléias solenes não tenho nenhum prazer. (...) Antes corra o juízo como as águas e a justiça como ribeiro perene"

 

 

 

Após a leitura, ele conclamou a Igreja a fazer o louvor com os "olhos abertos" à realidade. O Ministério Toque de Poder cantou um cântico que dizia: "Ajuda-nos a olhar com os teus olhos" , enquanto imagens de crise, desemprego, dor e miséria passavam na tela. Ao final do cântico, a Igreja Metodista foi chamada a ficar de joelhos em atitude de contrição e arrependimento. Ao final do momento de oração, o hino "Eu venho como estou? (hino 245).

 

 

 

 

Igreja com paixão: o sermão do bispo João Carlos Lopes

 

O Bispo João Carlos fez seu sermão baseado em 1 Coríntios 12.31 e 13.1, lembrando a preocupação do apóstolo Paulo com a unidade orgânica da Igreja. "Nenhum membro é tão grande e nenhum é tão pequeno que não tenha importância no corpo: procurem com zelo os melhores dons para exercer sua função". Cada membro tem função específica e precisa de dons específicos. Dom é ferramenta para ser bem utilizado, não para esnobar, salientou o Bispo. Lembrando do "caminho sobremodo excelente", ele instou a igreja a realizar a obra de maneira excelente, a fim de que recebam o certificado "ISO Eternidade". "Excelência não se alcança com competição, nem com o ser melhor do que os outros - ser excelente é ser o melhor de nós mesmos".

 

 

 

Disse também o Bispo João Carlos:

 

Na busca pela excelência, estamos competindo conosco mesmo, com a nossa tendência de aceitar a mediocridade, e mediocridade significa mediano, ficar no meio, fazer o que todo mundo faz - mas você e eu não somos todo mundo, somos servos/as de Deus! Habilidade técnica, estudo e dinheiro também não são essenciais na busca pela excelência. Há pessoas mais capacitadas, com mais habilidades técnicas e com mais tempo e dinheiro do que nós, mas a diferença é que tudo o que temos está nas mãos de Deus, e Ele pode usar do jeito que quiser. Excelência tem a ver com consagração total para a obra a qual Deus nos chamou! O que fazemos não é melhor que o outro, mas o melhor que temos - fazei tudo como que para o Senhor, conforme as tuas forças, para Cristo a quem serve!

 

Paixão e Compaixão

 

Por que confiamos em Deus? Porque sabemos que Ele é um Deus excelente. Tudo o que faz é bem feito, perfeito, excelente. Efésios 3.20 "Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo o que pensamos ou pedimos, segundo o seu poder que opera em nós". Mais do que falar sobre a excelência, o apóstolo diz que irá nos mostrar o caminho para a excelência, o caminho para que o amor se manifeste. E o amor se manifesta, na prática, em forma de paixão, na vertical - na relação ?eu e Deus?; e em forma de compaixão, na horizontal - na relação ?eu e o próximo?.

 

O primeiro amor

 

No início da carta de Paulo aos Efésios, ficamos entusiasmados com os elogios que ele faz à igreja: "conheço as tuas obras e que não podes suportar homens maus.." - dá vontade de fazer parte de uma igreja com esse currículo! Mas, de repente, uma virada leva Paulo a dizer "mas uma coisa tenho contra vós, que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te de onde caíste, arrepende-te, volta à prática anterior; se não, venho contra ti e tiro o teu candeeiro" - serás qualquer coisa, menos luz do mundo, menos igreja, porque a igreja existe para brilhar a luz de Deus! É preciso retornar às obras do primeiro amor. Como é o namoro, nos primeiros dias? Renunciamos a tudo para ficar com a pessoa amada. A paixão é assim, se manifesta no desejo de conhecer mais a Deus, e de renunciar, como Paulo: "para mim, o que era ganho reputei por perda, por amor a Cristo" - paixão. Paixão que gera conhecimento e também obediência, e adoração. Não precisamos aprender a adorar quando aprendemos a amar, porque adorar é elogiar, e elogiamos quando amamos. O caminho do amor e da excelência é a paixão. E a relação ?horizontal? é conseqüência da relação ?vertical?: a relação com Deus nos leva à compaixão com o próximo. "Filho de Davi, tem misericórdia de mim". A palavra misericórdia se aproxima da palavra compaixão. A misericórdia liberta da cegueira, a compaixão cura as pessoas. Nós não adoramos um pacote doutrinário, mas a Cristo Vivo, que está presente aqui nesta tarde. Nossas reuniões de oração e vigílias terminam sempre com a busca de mais poder. Não precisamos de mais poder do que já temos, precisamos é de mais amor no coração! Temos muito poder e pouca compaixão. O milagre é muito mais conseqüência da misericórdia e da compaixão pela dor do próximo. Os discípulos tinham poder e não curavam. Devemos sentir com o outro a dor que ele sente - olhe ao redor, todos passamos por lutas, tribulações. O ?grupo? do qual você não gosta muito tem dificuldades e problemas também. É preciso espelhar a vida de Jesus em nós e lidar com as pessoas com compaixão, baseado no amor de Cristo. Quero fazer parte de uma igreja assim, onde haja fervor no relacionamento com Deus e compaixão no relacionamento com o próximo - e o milagre da ressurreição de pessoas que estão mortas mesmo dentro da igreja por falta de compaixão! Que Deus nos abençoe.

 

 

O culto terminou com o cântico do hino 394, A excelência do amor, e uma oração do Bispo Adriel de Souza Maia. Antes do momento de oração, ele lembrou de um motivo de gratidão - o cinqüentenário da 3ª Região - e um pedido de que oremos em favor da família do Rev. Otto Gustavo Otto da 2ª região, e do Prof. Hugo Bayer, seu sobrinho, que estava no vôo da Gol. Ambos foram enterrados hoje. Ele também lembrou do Dia das Crianças e convidou a todos a buscarem inspiração nos pequenos:  "Precisamos de uma criança em nosso Concílio".

 

veja  mais fotos do culto de abertura aqui

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães