Publicado por José Geraldo Magalhães em Expositor Cristão, Pastoral do Combate ao Racismo, Geral - 30/04/2014

Denúncia contra o Racismo

Eva Regina Pereira Ramão
Referência Nacional de Combate ao Racismo
 
No dia 13 de maio de 1888, foi assinada a Lei Áurea que aboliu a escravidão no Brasil. O país foi o último a libertar os africanos/as e afro-brasileiros/as escravizados/as. Aos libertos não foi assegurado o acesso à terra e não havia assistência social ou econômica. Não tinham educação formal e, em sua maioria, não eram alfabetizados. Não houve ações do governo para integrá-los à sociedade de forma que pudessem ascender socialmente e participar da vida política. 
 
Ao contrário, proibiram as crianças negras de frequentarem as escolas. Portanto, nada há para comemorar! Os movimentos sociais negros transformaram o dia 13 de maio em Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo. Hoje, a situação dos/as afro-brasileiros/as ainda é muito semelhante àquela do dia 13 de maio de 1988: não possuem acesso à terra, propriedade e, em sua maioria, possuem baixa escolaridade e recebem baixa remuneração.
 
Poucos/as desempenham funções públicas de juiz/a ou promotor/a. O acesso à universidade ainda é pequeno. A desigualdade continua grande entre negros/as e não negros/as. É preciso chamar a atenção para a mulher negra que é discriminada enquanto negra, pobre e mulher.
 
Entre os trabalhadores domésticos existe um contingente enorme de mulheres. Segundo dados da Secretaria de Políticas para Mulheres, 95% deles são mulheres, sendo 60% negras. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 5 milhões de empregadas domésticas não possuem registro na carteira de trabalho. O trabalho das empregadas domésticas no Brasil ainda é muito semelhante ao que era realizado pelas negras escravizadas, com jornadas de trabalho é excessivas chegando até a 14 horas diárias. 
 
Lembramos aqui de Cláudia Silva Ferreira, morta aos 38 anos, num domingo, no Morro da Congonha, Rio de Janeiro/RJ, durante tiroteio entre polícia e traficantes. Os policiais colheram seu corpo do chão e colocaram no porta-malas. Ainda estava viva. No caminho, o porta-malas se abriu, o corpo dela foi jogado para fora, ficou pendurado na traseira do carro e foi arrastado por 250 metros. 
 
Houve muita indignação por parte da sociedade, entretanto, para muitos, passou simplesmente como mais um caso policial. A sociedade brasileira é racista e o racismo é tão intenso que aparece até nos momentos de diversão como nos campos de futebol. Os recentes casos de racismo no futebol, envolvendo o árbitro gaúcho Márcio Chagas da Silva, o santista Arouca e o cruzeirense Tinga, ocorridos em menos de um mês, indignaram a todos/as cidadãos/ãs defensores/as dos direitos humanos.
 
O jornalista David Coimbra, em sua coluna no jornal Zero Hora de 11 de março de 2014, diz: “Os 300 anos de escravidão do Brasil são uma mácula horrenda que o Brasil jamais teve coragem de expor. Uma culpa nunca expiada. E, mais do que mácula e culpa, é um episódio definidor do caráter e da história do brasileiro. Por isso, toda reação a manifestações racistas será bem–vinda no Brasil. Ser chamado de gringo ou alemão nunca foi pejorativo. Chamar alguém de macaco é ofensa no mundo inteiro pela conotação histórica que a palavra ganhou. Pelo que o homem branco fez com o homem negro”. 
 
O racismo contra o/a negro/a atinge a todos/as, desrespeita a pessoa humana, mas também a outros povos e nações. Nelson Mandela, Madiba, como era chamado, uns dos maiores heróis da luta dos/as negros/as pela igualdade de direitos na África do Sul, dizia que ninguém nasce racista, o racismo é ensinado. 
 
A educação é essencial para desconstruir o racismo e deve acontecer na família e na sociedade. A Igreja tem um papel importante e urgente a desempenhar neste sentido. Na Copa do Mundo no Brasil, não poderemos esquecer que o maravilhoso futebol é abastecido pelo talento de jovens da periferia e muitos são negros.
 
O mundo tem conhecimento dos atos racistas no futebol, mas acho que nós, brasileiros/as, deveremos fazer um esforço para que não aconteçam atos de racismo durante os jogos da Copa, quer nos estádios ou fora deles. Nós cristãos/ãs não podemos fechar os olhos para a realidade, precisamos ser voz profética na desconstrução do racismo estrutural da sociedade brasileira, reconhecendo o pecado do racismo, externando a sua inconformidade com os atos de racismo, preconceito e qualquer forma de discriminação. 
 
Assim, estaremos testemunhando Cristo, que deu a Sua vida para que todos/as tenham vida plena e abundante.
 
Dica de Filme
12 Anos de Escravidão
Oscar de melhor filme (2014) 
Duração: 133 min.
 
1841. Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor) é um escravo liberto, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. Ao longo de doze anos ele passa por dois senhores, Ford (Benedict Cumberbatch) e Edwin Epps (Michael Fassbender), que, cada um à sua maneira, exploram seus serviços.
 
 
 
Leia na íntegra em PDF
 

Posts relacionados

Expositor Cristão, por Sara de Paula

EC agosto Projetos Missionários

Após dois anos sem os projetos missionários regionais por causa da pandemia, algumas Regiões Eclesiásticas retomaram as atividades. O Expositor Cristão identificou três Regiões que voltaram com as atividades no mês de julho. Os missionários e as missionárias se preparam meses aguardando o dia para desenvolver ações nas áreas de saúde, social, religiosa e cultural nas cidades preestabelecidas. 

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães