Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

deputadores evangélicos desistem de reeleição

BRASÍLIA, Brasil, Agosto 14, 2006
Fonte: Agência Latinoamericana e Caribenha de Comunicação

 Cinco deputados evangélicos, arrolados pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga o envolvimento de parlamentares na compra ilegal de ambulâncias, anunciaram, na semana passada, que não disputarão a reeleição, em outubro.

Os cinco desistentes são: José Heleno da Silva, eleito pelo Partido Liberal (PL) do Sergipe; Jorge dos Reis Pinheiro, contador e pastor da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), eleito pelo PL do Distrito Federal; Josué Bengtson, pastor da Igreja Quadrangular Brasileira, eleito pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) do Pará; João Mendes de Jesus, economista e bispo da Universal, eleito pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) do Rio de Janeiro; e Marcos Antônio de Barros, chamado de Marcos de Jesus, radialista e pastor da IURD, eleito pelo Partido da Frente Liberal (PFL) do Pernambuco.

Na quinta-feira, 10, a CPMI que investiga a máfia das sanguessugas encaminhou relatório à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados pedindo a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar contra 69 deputados e três senadores. Da lista dos deputados, oito são da bancada evangélica.

Mais de 90 deputados foram investigados. O relatório do senador Amir Lando absolveu 18 deputados da lista original e só indiciou aqueles contra os quais havia provas contundentes ou fortes indícios de envolvimento com a "máfia das ambulâncias". A Mesa Diretora deverá enviar a lista ao Conselho de Ética, que abrirá os processos de cassação do mandato.

A máfia das ambulâncias, como passou a ser chamada pela imprensa, foi desbaratada, em maio, pela Polícia Federal através da Operação Sanguessuga. Empresas mantinham lobby no Congresso Nacional voltado à venda de ambulâncias para prefeituras, superfaturadas até 110% acima do preço de mercado, com recursos de emendas do orçamento da União. As emendas eram apresentadas por deputados, que recebiam de 10% a 15% do valor da emenda a título de propina.

Além dos cinco deputados evangélicos que desistiram da reeleição, os outros três evangélicos arrolados no relatório da CPMI das sanguessugas são: Almir Oliveira Moura, radialista e ministro da Igreja Internacional da Graça, do PFL do Rio de Janeiro; Francisco de Almeida Lima, mais conhecido como Almeida de Jesus, servidor público e obreiro da IURD, do PL do Ceará; e Amarildo Martins da Silva, o pastor Amarildo, do Partido Social Cristão (PSC).

Com exceção de José Heleno da Silva, os outros sete deputados evangélicos têm passagens em pelo menos três agremiações partidárias. Almeida de Jesus e Marcos de Jesus já foram filiados em quatro agremiações políticas e agora militam num quinto partido. Dos oito, seis passaram ou estão no PL, quatro passaram ou estão no PFL e no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Os oito deputados encaminharam emendas ao orçamento para ações que poderiam contemplar a aquisição de unidades móveis de saúde, entre 2002 e 2006, num total de 43,5 milhões de reais (cerca de 18,5 milhões de dólares). Só o deputado e bispo João Mendes de Jesus apresentou emendas no montante de 8,9 milhões de reais (cerca de 3,78 milhões de dólares), seguido do deputado e pastor Josué Bengston, com 8,83 milhões de reais (cerca de 3,75 milhões de dólares).

O bispo João Mendes de Jesus é autor do livro "Servindo a Deus na vida pública",  editado pela Universal. Na Comissão de Ética os deputados acusados de envolvimento em fraude na compra de ambulâncias vão ter amplo direito de defesa.

 


Posts relacionados

Geral, Social, por Comunicação

Campanha Nacional de Ação Social 2023

  Inicia-se hoje a Campanha Nacional de Ação Social. Saiba mais e faça parte desse projeto de disseminação do evangelho, através de atos de piedade e misericórdia!

Geral, por José Geraldo Magalhães