Publicado por Herbert em Administração, Expositor Cristão - 13/04/2014

Palavra episcopal: discípulas e discípulos em comunhão

Bispa Marisa de Freitas Ferreira
Pastora no exercício do episcopado

Há uma fala que é muito comum em nosso meio: "Precisamos nos unir, minhas irmãs e meus irmãos. Só assim poderemos vencer as adversidades.". Acredito que você ouviu isto por inúmeras vezes. E certamente já percebeu que, apesar de desejar essa união, não são muitas pessoas que a vivem.

Toda pessoa cristã deveria viver em comunhão com as irmãs e irmãos. Comungar com a família da fé deveria ser tão simples quanto o correr das águas dos rios em direção ao mar. Deveria sim. Mas não é o que se vê com frequência.

Na verdade, comunhão cristã não é uma escolha, é uma decorrência da conversão a Cristo Jesus. Quando se experimenta o encontro com o Senhor Jesus ressurreto, passa-se a uma nova condição: filhas e filhos do Deus Oni­potente. Dá-se início a uma longa caminhada de discipulado: cada dia é uma oportunidade para que "cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo" (Ef 4.15).

Sob a ação do Espírito Santo somos transformados/as por meio da Palavra e da convivência com os/as santos/as. A luz, que agora brilha em nós, tem o poder de extirpar as trevas que nos acompanham. A imagem e semelhança com o Pai vai sendo refeita a cada dia. É como restaurar uma obra de arte que se deteriorou com o tempo.

Desfazendo o nó

Ter desejo de viver em comunhão não é o bastante para que a mesma aconteça. Não se une em torno de Cristo por uma lógica mágica. Não. A unidade se estabelece por uma nova condição que se dá com a nova vida em Cristo. Discípulas e discípulos se reconhecem irmãs e irmãos. O amor de Cristo que as alcançou, revela-se em atos concretos de cuidado para com o/a outro/a.

Lendo os evangelhos verifica-se que isto ocorria em todo o tempo na vida das pessoas que a Cristo se convertiam. Foi assim com a mulher que sofreu, durante 12 anos, com hemorragia. Ao ser tocada por Jesus, pôde voltar à convivência com todas as pessoas ao seu redor (o que até então lhe era proibido, já que estava em condição de impura - Lv 15.27-30). Foi assim com os doze, que atendendo ao chamado de Cristo, passam a viver em intensa comunhão de vida, propósitos e ações (mesmo havendo traição e negação por parte, respectivamente, de Judas e Pedro).

São inúmeras as evidências de que a comunhão se dá sempre na vida das pessoas que vivem por Cristo. Jesus é o centro da vida de cada um/a e de todos/as. O que une é Cristo e a missão. Em decorrência da comunhão com Cristo, destaco o maior ato de amor de Deus à humanidade: para que todos/as sejam um só corpo em Deus, Jesus dá a sua vida por nós.

A morte na cruz é caminho de aglutinação de pessoas pecadoras que se arrependem dos seus pecados. Este ato de Cristo restaura vidas antes perdidas por desobediência a Deus. Em Cristo, são redimidas e passam a ser seguidoras dele. São, agora, discípulas e discípulos do Messias. Cristo passa a ser o centro de suas vidas.

Em união comum

Na vida cristã a comunhão é uma evidência de que Cristo é o Senhor das vidas. Como ele é o alvo, a comum união se dá em função dele. Ama-se como ele ama; vive-se em discipulado como ele viveu com os doze; socorre-se ao próximo como ele o fez; ora-se em grupo como ele fazia; parte-se o pão em uma mesa comum, tal como ele o fez tantas vezes; acolhe-se crianças, reconhecendo que o Reino do Pai é delas. E por aí vai. Perceba que a comunhão é algo inerente a quem confessa o nome de Jesus.

Viver como Cristo, tal como disse as bem-aventuranças, não é fácil. Também não é opcional. Quando o povo de Deus perde-se em desentendimentos e distanciamentos, pode-se afirmar que isso é decorrente de uma vida cristã fictícia e não legítima. Vive-se mais em religiosidade que em vida cristã. Na vida cristã o Espírito Santo dá conta de destituir a obra da carne e, em contra partida, gerar o fruto (Gl 6.16-26).

A alegria da vida em família de Deus é o que predomina. Já não se permite viver em discurso cristão vazio. O que marca a vida da pessoa convertida é exatamente a condição de ser serva. Os diversos dons suprem as necessidades do corpo. Há um movimento conjunto, que revela o poder de Deus em fazer de todos/as um só organismo. Os interesses pessoais já não predominam: mais vale obedecer a Deus que a pessoas.

Quando a igreja de Cristo vive esta unidade em torno dele, o mundo passa a crer que Deus existe. Não são necessárias tantas palavras: o visível fala do invisível e atrai as pessoas. É puro poder de Deus no meio do seu povo. É alegria no Senhor!

É vida, e vida abundante! Que o Senhor nos mantenha com os olhos fixos nele. Só assim a comunhão brotará como água cristalina que mata a sede. No Caminho, em discipulado.


Posts relacionados

Expositor Cristão, por Sara de Paula

Jornal EC de dezembro | Natal: temos motivo para celebrar?

É Natal. Tempo de celebrar uma das datas mais importantes de nosso calendário cristão. O nascimento do Messias. Mais de 175 mil pessoas em nosso país estarão ausentes na hora da Ceia de Natal. Foram vencidas pela Covid-19. Certamente, lágrimas vão cair por causa da ausência eterna. Ficam as boas lembranças daqueles/as que se foram.

Expositor Cristão, por Sara de Paula

[EC] Webinar do Metodismo Mundial

O webinar será realizado nos sábados do mês de agosto, dias 1º, 8, 15, 22 e 29, pela manhã, das 8h30 às 12h, e contará com palestras, diálogos e painéis, além de uma sessão especial opcional das 19h às 20h30 (horário de São Paulo, Brasil). As sessões ocorrerão através da plataforma de videoconferência Zoom.

Expositor Cristão, Geral, por Sara de Paula

Terremoto no Equador: já são 350 mortos

Os tremores de magnitude 7.8 na escala Richter foram sentidos no país inteiro

Expositor Cristão, Jovens, Mídia, Missionária, Geral, por José Geraldo Magalhães

Juventude mobilizada na Copa do Mundo

A Copa do Mundo vai trazer ao Brasil 600 mil turistas de acordo com o Governo Federal. Tantos visitantes trazem a tona gargalos como mobilidade, atuação dos órgãos públicos, limpeza e segurança. Desafios logísticos à parte, a presença de estrangeiros/as é também uma grande oportunidade evangelística. fonte: Marcelo Ramiro /  foto: José Geraldo Magalhães

Departamento Nacional de Trabalho com Crianças, Expositor Cristão, Geral, por José Geraldo Magalhães

Caminhando com os meninos e as meninas: uma conversa com pais e educadores/as

Leia a reflexão da Coordenadora do Departamento Nacional de Trabalho com Crianças da Igreja Metodista

Administração, por José Geraldo Magalhães