Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Evangelizar ou Educar

   Esta pergunta aparentemente ingênua é, na verdade, um divisor de águas ou um motivo de divisão entre as pessoas que professam a fé metodista. Isto porque existe a compreensão de que a missão da Igreja é evangelizar as pessoas e a compreensão de que a missão, para ser integral deve agregar, além da evangelização, a educação.

Os metodistas primitivos entenderam que não dava para separar a evangelização da educação e a educação da evangelização, pois uma contribui ou complementa a outra para o cumprimento pleno da missão.

Evangelizar tem como objetivo a vida. Educar também. Evangelizar é apresentar o Evangelho para que as pessoas e a sociedade recebam uma vida nova e a vivam na perspectiva dos valores do Evangelho. Educar é transmitir valores que valorizam a vida e a vivência em sociedade. Evangelizar e educar tem a vida como seu objetivo maior. Quando se evangeliza se educa e quando se educa se evangeliza, pois ambas focam a vida, pois são ações confessionais.

A missão na perspectiva dos metodistas caracteriza-se pela paixão evangelística, pela proclamação das boas novas do Evangelho, pela misericórdia e solidariedade, pelo desenvolvimento de um processo que ofereça às pessoas e sociedade uma compreensão da vida comprometida com uma prática de libertação e de valorização da pessoa, pelo questionamento dos sistemas que produzem a opressão, a violência e a morte, pelo confronto da realidade com a presença histórica do Reino de Deus e pelo desenvolvimento de uma consciência crítica da realidade e que produza transformação da pessoa e da sociedade.

Desta forma, a evangelização é definida em termos de "encarnar o amor divino nas formas mais diversas da realidade humana para que Jesus Cristo seja confessado como Senhor, Salvador, Libertador e Reconciliador. A evangelização sinaliza e comunica o amor de Deus na vida humana e na sociedade através da adoração, proclamação, testemunho e serviço". Isto é anúncio e educação.

Já a educação é definida como: "processo que visa oferecer à pessoa e comunidade, uma compreensão da vida e da sociedade, comprometida coma uma prática libertadora, recriando a vida e a sociedade, segundo o modelo de Jesus Cristo, e questionando os sistemas de dominação e morte, à luz do Reino de Deus". Isto é educação e anúncio.
Separar a evangelização da educação ou a educação da evangelização é fragmentar a missão da Igreja.

Se focarmos o ministério de Cristo, veremos que o amor está presente na sua vida e no seu ministério, como sinalização para a vida e ministério da Igreja. Ele veio ao encontro do ser humano porque Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu filho para salvar a todos (Jo 3.16). Quando questionado pelos líderes religiosos, Jesus declara que o amor é o primeiro mandamento de Deus e resume todo o ensinamento da lei e dos profetas (Mt 22.34-40).

O amor está presente também no processo da educação como um caminho libertador. O educador Paulo Freire declara que (FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2007, p. 29)
"não há educação sem amor. O amor implica luta contra o egoísmo. Quem não é capaz de amar os seres inacabados não pode educar. Não há educação imposta como não há amor imposto. Quem não ama não compreende o próximo, não o respeita. Não há educação do medo. Nada se pode temer da educação quando se ama".

Não se trata de um amor platônico, romantizado, intimista ou individualizado, mas sim de um compromisso com a vida integral que tem a libertação, a transformação e a conscientização como elementos fundantes. O amor aproxima as pessoas e promove o diálogo e a interação. Nesta relação as pessoas vão se constituindo seres que se tornam plenos na luta e na transformação da sociedade. Assim, evangelizar e educar são imperativos que acompanham estas duas ações da Igreja.

As Diretrizes para a Educação na Igreja Metodista também enfatizam o tema do amor e o fazem em termos de atos que quebram as cadeias da opressão, do pecado e de toda sorte de injustiças, superando o egoísmo e promovendo a vida em comunidade que se manifesta no serviço ao próximo (DIRETRIZES, 1996). Assim, o amor é também uma prática educativa que promove o bem estar e a integração de todas as pessoas. Ele compromete o educador e o educando com a vida.

Portanto, evangelizar e educar são caminhos do amor libertador, pois ele sustenta a evangelização e a educação. A sociedade precisa experimentar a cura do amor, nos relacionamentos, na família, nas convivências, nos debates e embates que a vida impõe para todos. A Igreja também precisa vivenciar este amor transformador e libertador, para que as pessoas da igreja sejam agentes de transformação na sociedade e a igreja não se constitua num clube de iguais e sim numa comunidade onde os diferentes encontram o pastoreio na comunhão e na dignidade que o amor de Cristo oferece.

Evangelizar e educar sem amor é o mesmo que "malhar com ferro frio". Fica o desafio para que encontremos o equilíbrio entre estas duas ações que dão plenitude à missão da Igreja.

Bispo Josue Adam Lazier


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

505 anos da Reforma Protestante

O “espírito” que move os movimentos de reforma, no contexto eclesial, tem relações históricas com a necessidade percebida de ajustar os rumos presentes e futuros da comunidade de fé, à luz de suas raízes originárias, à luz do Evangelho de Cristo e dos desafios da realidade.

Pastoral do Combate ao Racismo, Geral, por Sara de Paula

Programa Nacional Antirracismo da Igreja Metodista

Acesse o documento está disponível para download

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães