Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Freud

Freud, moda de viola e Deus: anotações sobre a brasilidade...

Luiz Longuini Neto

Minha esposa amanheceu com o joelho doendo. Estava inchado. Fomos ao médico. Levei um excelente livro que estou lendo, "A vida e a obra de Sigmund Freud", de Ernest Jones. Enquanto estávamos na sala de espera, a televisão mostrava no programa de Ana Maria Braga uma entrevista com a dupla sertaneja César Menotti e Fabiano. Sala pequena, várias pessoas, a concentração para a leitura estava difícil, mas insisti. O som alto me fazia prestar atenção na entrevista. A dupla é fruto dessa coisa que resolvemos chamar de pós-moderno. Isso que está por tudo, em todos os lugares, em todas as instituições. Essa coisa que se diz nova, mas que na realidade é um oceano de mediocridade que se instalou na televisão, no teatro, na música, nas escolas, faculdades e curso de pós-graduação. Assim como existem duplas sertanejas novas, existem também igrejas novas. Entre elas não há diferença alguma -- são produtos de um lixo cultural que colocou o ser humano não como produto final de uma racionalidade consciente, mas como apenas um produto que consome cultura e religião da mesma maneira que consome pizza.

A entrevista arrastava-se com os cantores afirmando serem caipiras e a apresentadora também dizendo ser caipira. Como se isso pudesse ser algo produzido ou comprado. Como afirma Almir Sater, "caipira é um estado de espírito". E eu, caipira legítimo, ouvindo aquelas besteiras todas. A dupla afirmando cantar "musicão" novo, mas com raízes em Torres e Florêncio, Tonico e Tinoco. Heresia da mais brava. Assim também procedem essas novas igrejas ao afirmarem que estão vinculadas às raízes bíblicas. Que também são caipiras. Mentira. Essas novas igrejas promovem uma traição à Bíblia e negam completamente as origens do cristianismo, que tinha na barca pobre de Pedro e na cruz do Ressurreto seus maiores exemplos. Entre essas duplas novas que se fazem de caipiras e esse padres, pastores, bispos e cantores gospel, não há diferença alguma. Tudo é lixo cultural, e, se for evangélico, de pior qualidade.

Eu permanecia, entre uma fala e outra, tentando entender o complexo de Édipo e as nuances sexuais da vida de Freud, confortar a esposa com dor e desejando exterminar o programa e a dupla. Lembrei-me então de outro mestre, Roberto da Matta, muito lido nos cursos de antropologia, e pensei que isso tudo também é Brasil e isso tudo também é religião. Freud também nos ajuda bastante nessa análise. O que somos nós? Somos tudo isso. O lixo e a beleza humana. Deus ama o lixo que somos e nos salva em Jesus Cristo. Da Matta trabalha muito com o conceito de dualidade. O Brasil é como uma moeda de duas faces. Somos esses seres complexos e não podemos jogar fora nenhuma parte de nós. O curso de psicanálise está me ajudando a ser mais feliz. Mesmo numa sala de espera apertada. O desafio é justamente conviver com essa coisa nova que nomeei como um monte de mediocridade. Nós também somos assim, medíocres às vezes. A entrevista estava chegando ao fim. A dupla estava lançando um DVD e a música principal, agora entoada por eles era: "Segura na mão de Deus e vai". É, realmente estamos na pós-modernidade. Só nos resta segurar na mão de Deus e ir. Vamos não sei para onde. Talvez para o alto-mar. Mas vamos.


Luiz Longuini Neto é doutor em teologia pela Universidade de Hamburgo, Alemanha, e autor de
O Novo Rosto da Missão -- os movimentos ecumênico e evangelical no protestantismo latino-americano (Editora Ultimato).

Fonte: http://www.ultimato.com.br/?pg=show_conteudo&util=1&categoria=3&registro=1020

 

Da "mediunidade" protestante

 

Robinson Cavalcanti

Quando tive a honra de ser professor do Seminário Presbiteriano do Norte (SPN), no Recife, conheci um aluno que nos dias de semana passava a tarde dormindo ou jogando futebol na quadra, enquanto deveria pregar nas congregações. O mesmo era conhecido por se pretender "espiritual" e "renovado". Intrigados, procuramos saber se ele não estudava as Escrituras e preparava os sermões com antecedência. O mesmo considerou tal expediente muito "carnal". Ao dormir a tarde toda ou jogar bola, ele acreditava deixar a mente limpa para o Espírito Santo "baixar" com seu recado, de forma pura e cristalina, logo mais à noite...

Devemos reconhecer a força cultural do espiritismo e dos cultos de origem afro-ameríndia, e como eles influenciaram a percepção de espiritualidade de algumas igrejas protestantes. O Espírito Santo e os anjos funcionam como espécies de "orixás evangélicos", "baixando" sobre pastores e missionários, qual "médium protestante". Isso sem falar em "profetas", principalmente "profetizas", com suas revelações particulares sobre saúde, família e negócio, tomando o lugar simbólico das benzedeiras do catolicismo popular, das cartomantes e dos pais e mães-de-santo. Há uma forte equivalência simbólica.

Nos cultos, ou se tem os "médiuns" ou se tem os "artistas", que lideram o show-da-fé, no centro do palco e das atenções, promovendo o entretenimento.

C.S. Lewis denunciava as gerações que desprezam as outras do passado, supervalorizando o presente (presentismo). Isso não somente atenta contra a herança apostólica e o consenso dos fiéis, vivenciado através dos séculos, como também pretende ser melhor: restauradores da "pureza" e outras formas de arrogância espiritual, que rompem a unidade mística da "comunhão dos santos" (conforme confessamos nos Credos).

John Stott diz que o que faz uma liturgia viva ou morta, seja ela mais ou menos estruturada (não há liturgia informal, pois o "informal" é, apenas, uma outra forma), é o fato de os fiéis serem convertidos ou não e acreditarem ou não no que se pronuncia. A entonação, os sentimentos, a fé fazem a diferença. Foi o mesmo Stott quem disse que "um anglicano carismático não é um pentecostal".

Somos carismáticos porque acreditamos que não há igreja sem o Espírito Santo, e não há presença do Espírito Santos sem carismas. Se Hans Kung disse que uma das marcas do anglicanismo era a sua aversão a extremismos, alguém também afirmou que "na Igreja Anglicana o Espírito Santo sopra como um gentil cavalheiro".

Somos uma igreja que preza dois mil anos de herança litúrgica da igreja, católica e reformada. Herança que é o conjunto do que foi, nas diversas etapas e lugares, fruto da ação do Espírito Santo nas comunidades de fé. Daí o Livro de Oração Comum -- Bíblia pura, ortodoxia pura -- ser uma das marcas distintivas do anglicanismo. Os seus diversos ritos não engessam os crentes, antes os edificam, e podem ser intercalados com orações espontâneas, cantos, declamações, teatro, testemunho, em uma convergência com um presente que não rompe com o passado. Uma das maiores contribuições que a Diocese do Recife está fazendo para a maturidade da igreja no Brasil é a edição (ora no prelo) do Livro de Oração Comum Brasileiro (LOCb).

Há quem goste de culto batista tradicional, e nós os respeitamos. Quem gosta desse tipo de culto é livre para adorar em uma Igreja Batista. Há quem gosta de culto pentecostal "clássico", e nós os respeitamos. Quem gosta desse tipo de culto é livre para ir, por exemplo, e adorar na Assembléia de Deus. Há quem goste do culto neo (pós) pentecostal, com apóstolos, banhos de descarrego, retirada de encostos e três recolhimentos de ofertas, e nós os respeitamos. Quem gosta desse tipo de culto é livre para ir à Igreja universal, Internacional ou Mundial. Agora, pelo amor de Deus, deixem o anglicanismo em paz, com sua liberdade litúrgica, com sua diversidade, sim, porém "com ordem e decência", com a alegria do Espírito Santo e o LOCb na mão. E isso não é "anúncio de missa de sétimo dia" para se adotar como "um doloroso dever", mas uma adesão livre, convicta e entusiástica.

Somos uma igreja sem mediunidade, sem estrelismo e sem "showbiz", graças a Deus!


Dom Robinson Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife e autor de, entre outros,
Cristianismo e Política -- teoria bíblica e prática histórica e A Igreja, o País e o Mundo -- desafios a uma fé engajada.
www.dar.org.br

Fonte; http://www.ultimato.com.br/?g=show_conteudo&util=1&categoria=3&registro=1018


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Em oração | 05.11.2021

Com o objetivo de mobilizar pessoas a orarem semanalmente e diariamente pelos propósitos selecionados pela área nacional da Igreja Metodista, te convidamos a participar da campanha EM ORAÇÃO. O versículo que conduz a campanha lembra a importância da oração para fazer qualquer coisa: ...porque sem mim nada podeis fazer. (João 15:5b).

Geral, por José Geraldo Magalhães

-

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães