Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

joão batista javé

 

Texto: Salmo 14

v. 1 Diz o insensato em seu coração:

"Não há ?Elohîm".

Eles provocam ruína, cometem atos abomináveis.

Não há um que faça o bem.

v. 2 Javé olha dos céus

para os homens,

para ver se há alguém perspicaz

que busque a ?Elohîm:

v. 3 Cada um é extraviado,

estão todos corrompidos.

Não há um que faça o bem,

não há um único.

v. 4 Acaso não têm conhecimento, todos os malvados,

que devorando meu povo comem seu pão?

Eles não invocam Javé.

v. 5 Lá - foram tomados por pavor,

pois ?Elohîm está na geração do justo.

v. 6 Plano do oprimido vós quereis arruinar,

mas Javé é seu refúgio.

v. 7 Quem traz de Sião a salvação para Israel?

Quando Javé muda o destino de seu povo,

Jacó exulta, Israel se alegra.

 

      A matriz do Salmo 14 é de gente que vive em ambiente de exclusão em sua própria terra, é exílio interno. Posteriormente as comunidades religiosas do judaísmo antigo (séculos VI-V a.C.) contextualizaram o salmo com a sua situação vital, acrescentando o v. 7 e iniciando-o com uma frase interrogativa sintomática do anseio pelo retorno da Babilônia ( = quem):

v. 7: Quem traz de Sião a salvação para Israel?

Quando Javé muda o destino de seu povo,

Jacó exulta, Israel se alegra.

      Mesmo realizando a tradução literal a partir da Bíblia hebraica, entendo que o versículo 2 ganha maior sentido quando proclamado no interstício do v. 1, pois o v. 1b tem a sua sequência narrativa no v. 3; outrossim, transliterei as referências à divindade (?Elohîm = Deus ou, literalmente, "deuses"; Yhwh = Javé) e não ignorei o sinal interrogativo do v. 4 (halo?):

v. 1a Diz o insensato em seu coração:

"Não há ?Elohîm".

v. 2 Javé olha dos céus

para ver se há alguém perspicaz

que busque a ?Elohîm:

v. 1b Eles provocam ruína, cometem atos abomináveis.

Não há um que faça o bem.

v. 3 Cada um é extraviado,

estão todos corrompidos.

Não há um que faça o bem,

não há um único.

v. 4 Acaso não têm conhecimento, todos os malvados,

que devorando meu povo comem seu pão?

Eles não invocam Javé.

 

      Este canto "para o regente de coral" (lamnasseah) é uma liturgia profética reflexiva, fala do malvado como algo inaceitável; não tem relação com o Salmo 53 apesar de alguma semelhança sintática e, diferente de outros salmos (12.8; 75.10-11), não se dirige a toda a comunidade mas a pequenos grupos religiosos.

      A liturgia começa com uma queixa; traz como motivo a antecipação da libertação dos jurídica e economicamente fracos, e pode ser interpretado como uma forma dramática da segurança de salvação.

      Ao contrário do culto pessoal praticado pelos potentes, a espiritualidade de "meu povo" (?a) consiste em devolver às vítimas das opressões sua dignidade e sua esperança na vida. O nosso canto é experiência de gente!

 

A matriz do canto

 

      À margem e ao léu da vida brota uma sensação de impotência, mas nas súplicas e no desejo contra os opressores não há ressentimento; temos, na verdade das coisas, o registro da sociedade por quem obstinadamente resiste e não pode se conformar com a situação de privação de direitos.

      Quando a gente marginalizada resiste conscientemente aos desmandos dos potentes, a sua desobediência civil e o seu enfrentamento ganham um aliado em Javé, o Deus salvador. Antes de qualquer protesto Ele exclui o nome dos opressores do "livro dos vivos" (cf. Sl 69.29a: yimmahû missêfer hayyîm). São inaceitáveis as relações de sujeição política e social; portanto, há intrínseco ao canto um "envio" à recuperação dos direitos indevidamente apropriados. Javé toma posição em favor de "meu povo" simultaneamente em que mostra que a situação de miséria não é sinal de abandono divino; na verdade, o "fraco" é o verdadeiro povo de Deus (v. 4).

 

Interpretação do canto

 

      O v. 1 é radical e orienta uma conduta moral e ética: o princípio da sensatez é temer a Javé. A questão consiste em negar ou buscar o Deus vivo; aos que negam a existência de Javé e, por isso mesmo, tentam devorar "meu povo" resulta pavor, sendo que o seu próprio nome nabal (insensato) os avalia.

      O que Javé vê dos céus? O v. 2 registra: uma sociedade pré-diluviana (v. 1b, 3-4; cf. Gênesis 6.5,11,12; 8.21), com pessoas execráveis, que não fazem o bem; especificamente: cometem injustiças contra o povo de Deus.

      O v. 3 traça um balanço deprimente: inexistência de gente de bem entre os potentes. O apóstolo Paulo interpretou este Salmo 14 à luz de lugares por onde andou (cf. Romanos 3.10-18). Ao realizarmos o mesmo exercício tornamos coetâneas as imemoriais ações libertadoras, ainda que os potentes da sociedade atual tenham sofisticado os antigos instrumentos de escravidão e morte social.

      A liturgia especifica a fala de Javé, pode-se ouvi-la nos v. 4-6. Há no v. 4 a caracterização daqueles/as que negam a existência do Deus salvador através das suas maldades: operadores do mal e devoradores de meu povo; eles devoram o que não lhes pertence, a vida do "fraco", como se comessem pão e não invocam a Javé. Acrescentaria ao v. 4 inúmeras intervenções sociais reveladoras da avaliação bíblica negativa contra atitudes insensatas (p. ex.: Números 12; Am 9.7 [contra o racismo e em favor do povo da pele preta]; Números 27.1-11 [contra a discriminação de gênero]; Deuteronômio 15.12-15 [indenização ao escravo pelos anos de escravidão]; Juízes 19 [em favor do imigrante]; 1Reis 21 [em favor da herança do campesino]; Isaías 10.1-2 [em favor do direito do pobre]; Amós 2.6-8; 6.1-7 [em favor da liberdade e do bem-estar do pobre]; Jeremias 34.8-22 [protesto contra a escravidão]; Neemias 5.1-12 [em favor do perdão de dívidas e do direito à terra de cultivo]; Malaquias 3.5 [em favor do salário do trabalhador]), mas basta a denúncia do nosso canto - realizada em santuário estatal, portanto corajosamente subversiva. Assim a pergunta indignada continua sem resposta: "Acaso não têm conhecimento...?".

      Onde é o lugar de Javé, o Deus salvador? Ei-lo nos v. 5-6: Seu lugar é na história de todas as gentes, especialmente entre as que sofrem injustiças. O alcance da denúncia e as possibilidades de salvação impossibilitam restringir o "refúgio" ao santuário (p. ex.: 1Reis 1.50-53; 2.28-30). A teofania/epifania de Javé acontece "Lá" (o v. 5 inicia com o adv. de lugar xam), na geração dos justos (saddîq), a quem Ele se manifesta como refúgio e onde evita a ruína do plano do oprimido (?anî); mas também a teofania/epifania de Javé acontece onde fracassam os ataques dos insensatos contra "meu povo" e onde Ele os infunde pavor. A salvação acontece na terra em que vivemos.

      "Lá, no meio daqueles que se presumiam entregues à arbitrariedade, aparece a presença de Deus, justamente do Deus que eles supunham estar longe do fazer humano, mas é na verdade o refúgio dos oprimidos." (Martin Buber)

      Também na gôlah (v. 7) há esperança e salvação para "meu povo", o povo de Javé.

 

Lições do Salmo 14

 

  1. O estado do mundo tem sua causa no agir dos insensatos;
  2. Com o v. 5, entendemos que o lugar de Javé é "lá", onde o oprimido sofre - em um mundo que parece sem Deus, Javé está "na" geração do justo;
  3. Devemos converter a nossa vida religiosa em autoafirmação salvadora, pois na fé há força de libertação.

      Neste estudo por vezes estive em diálogo com F. Crüsemann (Cânon e história social), R. Albertz (Historia de la religión de Israel en tiempos del Antiguo Testamento, vol. I) e L. Alonso Schökel & C. Carniti (Salmos, vol. I). Por fim, assinalo que a pedagogia do nosso canto será adequadamente assimilada ao som das qualidades exigidas por Javé para nos tornarmos "meu povo", canonizadas logo a seguir, no Salmo 15:

v. 1 Javé, quem pode abrigar em tua tenda?

Quem pode habitar em teu monte santo?

v. 2 Aquele de conduta perfeita e ato justo,

e que fala (a) verdade em seu coração.

v. 3 Não calunia com sua língua,

não faz ao seu próximo mal

e não põe difamação sobre seu vizinho.

v. 4 O que tem por desprezível em seus olhos o que é vil,

e aos fiéis de Javé honra;

promete por dano próprio e não deixa de cumprir.

v. 5 Seu dinheiro não dá em juro

e suborno contra o inocente não aceita.

Aquele que age assim não fracassará jamais.

 

Revdo. João Batista Ribeiro Santos, biblista e pastor da Igreja Metodista na 3ª R.E.

jj.batist@gmail.com


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Educação Metodista apresenta plano de recuperação

A Educação Metodista protocolou, nesta sexta-feira, 09/07, seu plano de recuperação na Vara de Direito Empresarial, Recuperação de Empresas e Falências de Porto Alegre. O plano prevê a venda de imóveis não utilizados em atividades educacionais para o pagamento das dívidas e garante que aproximadamente 90% dos credores trabalhistas receberão seus créditos integralmente.

Geral, por Sara de Paula

Dia Mundial da Terra, 22 de abril CMI lança nova ferramenta de apoio ao engajamento dos jovens

Depois de lançar em 2020 o artigo de pesquisa Cooler Earth - Higher Benefits: Actions by those who care about children, climate and finance (Terra Mais Fria - Maiores Benefícios: Ações de quem se preocupa com as crianças, clima e finanças), o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está lançando uma ferramenta para ser usada online ou impressa, incentivando os jovens a promover escolhas financeiras em resposta à crise climática.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães