Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

língua dos anjos pastor nilson

A língua dos Anjos

Nilson da Silva Jr
 
Eu ainda era muito jovem quando me disseram que precisava ter o "dom de línguas"? era uma obsessão de muitos/as de nossa comunidade naquele tempo? lembro-me de que as pessoas se reuniam para buscar esse dom? oravam, se ajoelhavam, choravam? mas muitas frustrações também encontravam lugar na emoção daqueles/as irmãos/ãs!

Quando amadureci na fé e na vida, entendi que existiam questões mais emergentes como referencial cristão? o dom de se relacionar, o dom de respeitar, o dom de apoiar? também conheci muitos/as que falavam línguas que eu não conhecia? do desamor, da intolerância, do desafeto? mas insistiam que dominavam o "idioma dos anjos".

Hoje, como pastor, tendo ciência da Glossolalia, continuo a mesma reflexão que tinha na época de adolescência? qual a língua dos anjos? O que eles falam?. qual seu vocabulário? seu tom de voz, sua mensagem?

Acredito que esta linguagem angelical tenha seus mistérios? mas podemos divagar sobre alguns de seus desdobramentos.

Quero crer que ela não traga o propósito exclusivista de deixar alguém de fora da conversa? os anjos são amistosos, pacíficos, compreensivos? não se furtariam a nenhuma tendência ou pensamento? dialogariam com os desiguais? imagina? Uma língua compreendida pelas diferenças de protestantes, católicos, tradicionais, pentecostais, progressistas?

Ou não? será que haveria um código com imposições e restrições na linguagem celeste, uma senha de poucos/as escolhidos/as por mérito ou espiritualidade?

Haveria essa língua capaz de transcender os limites da diferença? de ser ouvida, entendida, aceita? inteligível o suficiente para encontrar eco, reestruturar significados, desfazer desavenças, disputas, reorganizar sentimentos e mudar sentidos?

Se é que o idioma do céu tem sido falado na terra, onde está sua diferença? apesar de ser estranho, dissonante em nossos ouvidos, ele não deveria dizer alguma coisa, alguma novidade, gerar algum fruto em nossa vida?

Ou nós é que não temos tido a capacidade de traduzir, de decifrar suas mensagens e desafios? Será que temos falado idiomas diversos e divergentes do que se fala na Glória de Deus?

Onde estão os vocábulos da unidade, as consoantes da harmonia, as trovas da compreensão? os parágrafos da tolerância, os pontos do respeito, as frases da igualdade?

Lembro-me novamente dos tempos de adolescência de quando insistiam comigo que precisava falar a língua dos anjos? e penso que realmente devo buscar esse aprendizado? mas a língua que quero falar, e que imagino ser de fato a que deva ser falada por ministros/as de Deus, tem que ser audível e compreensível a todos/as? não pode estar fechada em redutos? mas harmoniosa e pacífica, consoladora, unificadora, conciliadora, edificante e desafiante, terna, amável.

Quero falar a língua dos anjos? desde que minhas palavras se traduzam em bênçãos para os homens e mulheres a quem fale? desde que nela hajam mensagens de entendimento, amor, arrependimento, Graça, salvação.

Que o Senhor do céu nos ajude a falar, a sentir e a ouvir as doces palavras que saem dos lábios dos anjos e que essas palavras inspirem nossas vidas!

Na graça e na paz,

Rev. Nilson da Silva Jr


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães