Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

Mensagem do concilio geral às Igrejas

- julho de 2006 -  Aracruz (ES)

Irmãos e irmãs,
Nós, delegados e delegadas de todas as Regiões do Brasil ao 18º Concílio Geral da Igreja Metodista, saudamos a todas as comunidades metodistas na paz do nosso Senhor Jesus Cristo, aquele que era, é e será para sempre.
No ano do Centenário do Metodismo no Espírito Santo, nos reunimos neste Estado, em Aracruz, de 10 a 16 de julho de 2006, para deliberar sobre as ações da Igreja nos próximos anos e renovar nosso compromisso com a Missão de Deus em nosso país.
Queremos, como fruto do nosso encontro aqui, diante de tanta diversidade de pensamentos e desejos, expressar nossa gratidão e nossas esperanças em oração a Deus e os/as convidamos a partilhar tal oração conosco.

A ti, Deus de amor, misericórdia, paz e justiça, Deus Pai, Filho e Espírito Santo, Trindade Augusta e Soberana, a quem seja toda honra, glória e louvor:
Agradecemos-te pelo nosso País, e por todas as oportunidades que ele nos oferece para te servir como Igreja.  Louvamos-te porque as crises, contradições e injustiças vividas em nossa sociedade, embora dolorosas, têm sido transformadas pela Tua graça em oportunidade de superação e renovação.
Agradecemos pelos esforços e ações em favor da vida, da paz, da solidariedade, da tolerância e do acolhimento, sem preconceitos e barreiras entre pessoas.
Louvamos-te pelos campos missionários, congregações, igrejas locais, corpo pastoral, membresia, missionários e missionárias, evangelistas, que trabalham sobre o fundamento da Palavra de Deus. E pelas vidas alcançadas pela graça e salvação em Cristo, por causa deste testemunho de fé, fidelidade e participação.
Louvamos-te por todos os projetos e ações sociais, que abençoam pessoas, famílias e comunidades, como o Instituto Central do Povo, que também chega a seu centenário, sendo o primeiro centro comunitário brasileiro.
Mas também é tempo de refletir, reconhecer e confessar nossos pecados e faltas. Reconhecemos nossa pouca e ineficiente presença pública frente aos graves problemas de nossa sociedade: o excludente e opressor sistema econômico mundial; a espoliação das grandes empresas multinacionais contra os recursos naturais, os/as trabalhadores/as, os povos oprimidos em nosso País e em todo o mundo; a violência, sob as mais diversas formas de manifestação; a religião que muitas vezes aliena as pessoas e dissemina valores, práticas e teologias que contrariam a Palavra de Deus e alimenta ainda mais o abismo entre as pessoas e a vida abundante em Cristo.
Em nossa vivência pessoal e comunitária, reconhecemos e confessamos que temos deixado de dar à Tua Palavra a devida centralidade em nossa vida; que muitas vezes não temos nos dedicado à sua meditação, nem à oração, ao jejum e a todas as ordenanças e práticas espirituais que edificam e conduzem à santidade de coração e vida, e não temos praticado com fidelidade as obras de piedade e misericórdia.
Reconhecendo, como o profeta Isaías, que somos pessoas de "lábios impuros e que vivemos no meio de um povo de impuros lábios" (Isaías 6.5), também sabemos que o sangue de Cristo nos purifica de todo o pecado (1Jo 1.7) e, por isso, ouvimos a tua palavra a nos chamar, dizendo: "A quem enviarei eu, e quem há de ir por nós"? (Is 6.8). Senhor, diante do teu chamado, clamamos por tua graça, misericórdia e poder. Que possamos, como Samuel, dizer: "Fala, Senhor, porque os teus servos e servas ouvem" (1Samuel 3.10), e como Isaías, responder; "Eis-nos aqui, envia-nos a nós!" (Isaías 6.8).
Confiados e confiadas em teu perdão, graça, poder e misericórdia, queremos nos colocar como vasos em tuas mãos, como instrumentos de mudança dessas realidades já há tanto enraizadas em nosso mundo, mas não imutáveis. E te bendizemos por perceber, em todos os lugares do teu domínio, fontes de vigor, renovação e esperança.
Agradecemos-te pela Igreja, corpo de Cristo, que em todos os lugares e sob todas as condições, anuncia com fidelidade o Evangelho do Reino por seu testemunho e serviço, proclamando Cristo Jesus, nossa única segurança.
Ajuda-nos a colocar em prática, de modo cada vez mais eficiente, o projeto missionário de uma igreja a serviço do povo em dons e ministérios, voltados não somente para nossas próprias necessidades e expectativas, mas também para as necessidades das comunidades onde nos encontramos, com a missão de testemunhar e servir no nome de Jesus Cristo, nossa única segurança.
Ajuda-nos a não ceder às pressões do presente século quanto a uma fé que se torna comercial e consumista, buscando, no poder do Espírito Santo, crescimento não somente em quantidade, mas também na qualidade de sua vida cristã e comunitária, de santidade de coração e vida, na busca da perfeição cristã, mediante a prática constante das obras de misericórdia e piedade.
Ajuda-nos a recuperar a oportunidade que temos perdido para transformar nossas vidas, nossa igreja e as instituições do nosso país. Queremos fazer um novo Brasil, justo e solidário, sob a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, capaz de assegurar as condições necessárias a uma vida digna e abundante segundo a Palavra de Deus.
Ouve, Senhor, os gemidos da tua criação e sara nossa terra. Abre os teus ouvidos, Senhor, ao clamor do teu povo. Alivia a dor das mulheres e crianças que sofrem a violência doméstica, dos trabalhadores sem emprego e das crianças exploradas pelo trabalho; das vítimas de todo tipo de discriminação; das pessoas que vivem nas periferias das cidades desprovidas da qualidade de vida necessária; das populações do nosso país, sujeitas à ação arbitrária do crime organizado e das polícias; das pessoas encarceradas nos presídios e cadeias do Brasil, tratadas indignamente, de forma subumana.
Nosso Deus, colocamo-nos em tuas mãos para que nos envies em teu serviço, em solidariedade com a tua criação. Aumenta o nosso amor. Capacita-nos com o teu Espírito para que alcancemos a plenitude da santidade de coração e vida. Ajuda-nos a ser instrumentos teus para em nome de Jesus salvar, curar, transformar e restaurar teus filhos e filhas que andam pelo vale da sombra da morte, trazendo-lhes vida e vida em abundância. Fortalece-nos para exercer uma ação profética frente à injustiça, violência, corrupção e morte, apregoando o ano aceitável do Senhor.
Desperta-nos a "evangelizar os pobres, proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, e pôr em liberdade os cativos" (Isaías 63.1), enquanto aguardamos, ansiosos, a revelação da tua Glória, a redenção completa da tua criação. É em nome de teu Filho, Jesus Cristo, nosso Salvador, que oramos: "Venha o teu reino". Amém.

Bispo João Alves de Oliveira Fº
Presidente do 18º Concílio Geral


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães