Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

mensagem do concilio geral sobre violencia em SP

"Orai pela paz da cidade, porque na sua paz, vós tereis paz." (Jeremias 29.7)

A Igreja Metodista reunida nos dias 10 a 16 de julho de 2006, na cidade de Aracruz, ES, com representantes de todo o País, vem declarar, por meio desta carta de solidariedade e amor, nossos sentimentos e anseios em relação à onda de violência que invade o nosso Brasil e que, de modo especial, se abate sobre a capital e demais cidades do Estado de São Paulo, sob a ação criminosa do primeiro comando da capital (PCC). Choramos juntamente com as famílias das pessoas que atuam nos presídios e que se sentem caçadas nas ruas e praças; pelas vítimas inocentes pegas em meio à violência que toma ruas e invade casas, pela população amedrontada e refém dessas ações de morte.
A violência nasce das desigualdades humanas e é um insulto a Deus. Ela está hoje presente de modo mais marcante nas grandes capitais, mas nem mesmo as cidades interioranas escapam à sua ação. A população não acredita mais nas instituições públicas, tais como o governo, a polícia e a própria sociedade como um todo.
A luta contra a violência é uma luta de todos os segmentos da sociedade. É preciso vencê-la em sua esfera doméstica, econômica e social. Cremos que uma nova ordem mundial é possível e grande parte desse projeto está baseada na ação cidadã ativa e não na mera expectativa. Esperar a ação somente dos poderes constituídos tem-se mostrado um caminho ineficiente. A população precisa ser co-autora deste projeto de vida, unindo-se e munindo-se com as ferramentas do amor, da paz e do bem.
Jesus Cristo, em seu Evangelho, nos afirma: "A minha paz vos dou" (João 14.27). O Reino de Deus e sua justiça são o ponto de partida para alcançar o verdadeiro estado de paz. Jesus é nossa maior segurança. Achegar-nos a Ele é o caminho para aprendermos valores que constroem, que unem, que se erguem contra as injustiças e separações, promovendo a verdadeira paz e o bem-estar pleno que vêm de Deus. Nele, por meio da oração, também obtemos o socorro divino. De fato, não há casos perdidos para Jesus.
Vencer a violência significa superar e vencer suas causas. A má distribuição de renda e uma estrutura econômica que amplia as separações entre ricos e pobres; a educação pública e também privada sem a preocupação fundamental de educar para a vida; o desemprego e os baixos salários que aumentam a economia informal e forçam os aposentados a se tornarem os responsáveis pela manutenção da casa, com poucos recursos; as crianças e adolescentes que são aliciados pela rede do tráfico de drogas; a violência doméstica; o abandono de pessoas que vivem nas ruas; o aumento do consumo de drogas e suas diversas conseqüências; o turismo sexual de crianças e adolescentes, o tráfico de seres humanos e sua escravização em trabalhos clandestinos; a desumanização dos presídios e cadeias que em nada contribuem para a reinserção das pessoas na sociedade; a insegurança com que se vive nas cidades; a falta de acesso aos serviços adequados de saúde pública; a destruição causada pelas grandes empresas ao meio-ambiente e às populações indígenas e ribeirinhas são alguns dos muitos desafios que temos diante de nós.
Ao mesmo tempo, já existem entre nós muitas ações em favor da vida. A Igreja Metodista, por exemplo, atende 2.100 crianças por dia em seus projetos sociais na cidade de São Paulo. Também são acolhidos 350 moradores de rua e centenas de mulheres nas mais diversas atividades sociais, de cidadania e de fé. Em cada bairro, muitas ações semelhantes podem ser encontradas. Há focos de esperança em nosso meio. Devemos localizá-los, contribuir com eles, estimulá-los e fazê-los crescer, de modo a alcançar o todo da nossa sociedade.
Quanto aos nossos governos, por outro lado, esperamos uma postura digna e eficiente. Entre as coisas que o Senhor abomina, estão "mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos" (Provérbios 6.16-17). A dor das pessoas que choram por causa da violência sobe a Deus e Ele há de cobrar isso dos que exercem a autoridade para mudar a situação. Deus recomenda às autoridades por meio de sua Palavra: "Abre a boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados. Abre a boca, julga retamente e faze justiça aos pobres e aos necessitados." (Provérbios 31.8-9). A sociedade brasileira em geral, e a sociedade paulista em particular, não espera menos de seus governantes.
Jesus chorou sobre Jerusalém, dizendo: "Ah, se tu conhecesses também, o que à tua paz pertence!" (Lucas 19.42). Ele igualmente chora sobre nossas cidades hoje e pode efetivamente consolá-las. Cabe ao povo de Deus responder a esta realidade em nome de Jesus Cristo, sob o poder do Espírito Santo, que nos ungiu para "apregoar o ano aceitável do Senhor" (Isaías 61.2), isto é, o tempo de acontecerem coisas boas para a vida, e a boa-nova da salvação.
Pequenos tijolos constroem grandes pontes. Pequenas ações levam a grandes mudanças. Cada comunidade pode e deve fazer pequenos sinais e ações de paz, que despertem a todos para a necessidade de superação desta realidade: uso de cores e símbolos como o verde e o branco, para sinalizar paz e esperança; vigílias, passeatas, caminhadas e orações pela paz em templos e praças públicas; cartas às autoridades cobrando mudanças e propondo idéias; realizando campanhas que conscientizem sobre a importância do voto, especialmente neste ano eleitoral. E de forma especial, usar o dom da voz para consolar, anunciar o bem e denunciar o mal. São algumas medidas que já estão ao nosso alcance. Muito mais poderemos fazer na criatividade da vivência de cada um, cada uma.
"Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor. Pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que desejais." (Jeremias 29.11).

Assim seja, dá-nos tua paz, venha teu reino, Senhor!

Bispo João Alves de Oliveira Fº
Presidente do 18º Concílio Geral


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

EC de setembro | Igreja no lixão!

São mais de cem voluntários e voluntárias que deixam suas denominações e vão, em nome de Jesus, fazer missão. São membros de várias igrejas, entre elas, a Metodista, a Segunda Igreja Batista e Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Um verdadeiro testemunho cristão que mereceu a capa desta edição.

Educação, Geral, por José Geraldo Magalhães

Educação Metodista emite nota aos familiares do Prof. Dr. Almir de Souza Maia

Nos últimos 37 anos, as instituições educacionais metodistas tiveram o imenso privilégio de contar com o trabalho incansável, ético, coerente e absolutamente dedicado do Prof. Almir.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães