Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Não fazemos qualquer negócio

 

É mera repetição dizer que vivemos sobre a influência do mercado. Num dia desses assisti pela televisão uma reportagem sobre pais que remuneram os filhos para os pequenos serviços da casa - arrumar a cama, preparar a refeição, limpar o quarto e coisas afins. Segundo eles, esta prática desperta as crianças para a vida, à dinâmica do receber proporcionalmente pelo que se faz, do ganho e da perda.

O mercado permeia a vida. Dentro e fora de casa, vivemos como vítimas de suas tensões. De certa maneira, estamos cotados, diariamente, como que numa bolsa de valores, que pesa, remunera e cobra tudo o que fazemos.

Entre créditos e débitos, existem poderes que nos regem? se temos, exigimos, se devemos, lamentamos. "Quem tem mais, chora menos"? esta é a lei. Isto nos confunde como um todo, inclusive nossa devoção.

A religião em tempos pós-modernos serve como moeda de domínio e, pasmem, inclusive de Deus. Quem tem muita fé, obrigatoriamente precisa ter resultados, porque a "fé de mercado" é regulamentada por certas normas, por exemplo: que quem "paga o preço", exige. Se a pessoa paga a Deus seus débitos - orando, jejuando e participando de reuniões - ela tem o "direito" de alguns favores; afinal, o mercado se caracteriza por troca.A nova lógica é que o/a "crente" acumula saldos diante do Altíssimo e, no devido tempo, cobra.

O que coloca em cheque esse mercado da fé são as provações. Diante delas, geralmente as pessoas encontram duas saídas: considerá-las como pecado - débito - ou como ameaça da concorrência - o diabo.

Os imprevistos, na lógica do mercado, devem ser previstos. Mas na vida, e de forma mais evidente, na fé, existem causas imprevistas e inexplicáveis, não processáveis pela cartilha da "fé de troca", de direitos adquiridos.

Quando fatos naturais a qualquer pessoa - afinal, segundo o próprio Cristo, Deus "? faz o sol nascer sobre maus e bons" (Mt 5.45) - surpreende os alicerces dessa fé que só vive por decretos e exigências, a "bolsa quebra" e os argumentos faltam.

Talvez nesta hora seja necessário evocar o drama de Paulo, que admitiu ter um espinho incurável, a amargura de Jó, que viu sua vida ruir, ou mesmo a dor de Estevão diante da morte. Existem momentos em que a fé foge à razão do mercado e, ao contrário dele, conclui-se que não fazemos qualquer negócio.

Aliás, me parece que ter a noção de que não se faz qualquer negócio é a grande tônica do evangelho de Cristo. Quando mais consciência disso se tem, mais força e valor - que contradição com o "evangelho" que se escreve nos tempos atuais!

A lei que contraria o mercado e nos lembra de nossa fragilidade é, no meu modo de ver, a possibilidade da dependência, da humildade, da disposição de andar segundas, terceiras milhas. Parece-me que é assim que nos livramos da arrogância do mais forte, do determinismo do intolerante, do devaneio do autoritário.

Quando leio sobre o Cristo da cruz e me lembro do mercado, fico em crise. Porque um me leva para o auto-sacrifício, o outro para a queda de braços, um me remete ao oferecimento, o outro para o ganho próprio? um para os outros, o outro, para mim mesmo.

Lamento que o mercado venha abarcando nossa vida de maneira tão poderosa e que não existam muitas esperanças de evitá-lo. Espero que a fé volte logo para a cruz e que voltemos a ser uma contracultura, tal como eram nossos pais? que voltemos a ter, novamente, nossas próprias referências? sem medo de ser sal - que mesmo em pouca quantidade, faz-se notar - e luz, que esclarece, que ilumina sem alardes. Que tenhamos pudor para não fazer qualquer negócio em nome de nossa fé.

Na graça e na paz,

 

Rev. Nilson da Silva Jr, pastor da Catedral Metodista de Piracicaba, SP

 

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães