Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Natal pede submissão

Há mais de dois mil anos, na manjedoura, em Belém, nasce uma humilde criancinha.

Era o enviado de Deus, e um anjo anuncia "hoje vos nasceu na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E subitamente apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem" (Lc 2.11,13 e 14).

Sinos bimbalham, pinheirinhos tremeluzentes evocam o brilho das estrelas que iluminavam o firmamento naquela noite santa. Mística emoção acalenta os nossos corações. Tudo é encanto, gratidão, amor e ternura.

A magnitude do acontecimento excede a todos do universo, das celebrações grandiosas e singulares da História ao espaço imenso, e ao próprio infinito. É a eternidade que se comunica na linguagem do tempo, na meiguice de uma criança.

O seu nascimento coincide com uma época de discórdias, hipocrisia religiosa, contradições e desesperança. Os fracos e os humildes eram alvos constantes de menosprezo e exploração. A Palestina padecia sob o domínio do Império Romano, fascinado por glórias, ávido por poder e riqueza. Impunha a sua supremacia sob intimidação das armas e de um escorchante sistema tributário. Cresciam incontroláveis a insatisfação e a revolta, simultaneamente ao incontido anseio por mudanças radicais neste perverso cenário.

A situação político-econômico-social alimentava a tradição do messianismo de que somente um emissário de Deus reuniria prerrogativas para libertar o povo, esmagado pela prepotência dos seus inescrupulosos dominadores.

A predição do nascimento de Jesus já estava preconizado no cântico de Maria: "Porque o Poderoso me fez grandes coisas [...] dispersou os que no coração alimentavam pensamentos soberbos. Derrubou dos seus tronos os poderosos e exaltou os humildes" (Lc 1.49-52). Os ânimos estavam preparados para a recepção do Infante de Belém, o Messias, que, como rei e sacerdote, assumiria essa missão libertadora.

Paralelamente às humanas expectativas, nasceu e cresceu o menino em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens (Lc 2.52). Na sua trajetória, do berço ao túmulo, realizou portentosos feitos, operou milagres, prodígios e sinais. Na infância deixou atônito e alarmado o rei Herodes, pois temia que Ele viesse destroná-lo; e, na meninice, no templo, deixa perplexos os doutores. Na vida adulta, como ser divino, praticou atos que desafiaram a imaginação de todos, até mesmo dos seus mais íntimos e fiéis seguidores: andou por sobre as águas; repreendeu os ventos e as tempestades; acalmou a fúria do mar; fez andar os aleijados; deu vista aos cegos; aos surdos a audição; curou os enfermos; resistiu ao tentador, no deserto; brandindo a flamejante espada do Espírito; libertou os oprimidos pelo maligno; restituiu a vida a Lázaro e à filha de Jairo; e, finalmente, realizou o seu mais glorioso ato - a sua ressurreição dentre os mortos.

Ensinava a todos a depositarem a sua confiança em Deus levando-os a observarem o Seu desvelo para com as aves do céu e para com os lírios do campo.  Como ser humano, era manso e suave: chamava para si as criancinhas; era solidário e compassivo alimentando as multidões famintas, comovendo-se diante do sofrimento e da dor, e chorando com Marta e Maria na morte de Lázaro.

 Diante da majestade de Sua pessoa divino-humana todos se inclinam e quedam-se genuflexos tal o indescritível significado de sua gloriosa presença no mundo - "Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra e toda língua confesse que Jesus é Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.9-11)".

O poeta sacro em uníssono com a proclamação apostólica exclama: "Eu, remido pecador, me dedico ao redentor. Teu é este coração. Teu em plena sujeição" (HE 181); "Vinde, alegres, celebremos este dia de Natal, dando a Cristo nossas almas oferenda filial. Aleluia! Ele é o Rei Universal" (HE 13).

 A linda história do Natal a todos enternece e comove. As solenidades de sua celebração duram apenas alguns dias, mas, para as almas que fizeram do Natal a razão maior de sua espiritualidade, a audição desta música divina, a melodia dos hinos e das canções natalinas, e o cântico dos anjos, naquela noite memorável, permanecem como se fossem uma quotidiana harmonia.

Seja o nosso único anseio, na contingência e transitoriedade da existência, submetermo-nos integral e incondicionalmente a Jesus, o sublime Infante nascido em Belém, poi,s Natal inspira plena submissão.

Rev. Ivam Pereira Barbosa (Redator do IR - Informativo Regional da 5ª RE)

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Os 15 anos do Projeto Sombra e Água Fresca é celebrado nas igrejas locais. Confira!

O projeto Sombra e Água Fresca (SAF) da Igreja Metodista completa 15 anos e cada projeto local é orientado a fazer a sua celebração. No dia 11 de outubro foi a vez do SAF em Jundiapeba, na cidade de Mogi das Cruzes/SP. Os voluntários do projeto aproveitaram também o Dia das Crianças para fazer a celebração comemorativa dos 15 anos de projeto nacional. Todas as crianças receberam camisas personalisadas do projeto.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães