Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

newWindow.document.write('+alt+');

Brasília

PAC tem de respeitar indígenas, diz Funai

Sexta-feira, 6 de abril de 2007

 

"Nós queremos desenvolvimento, sim, de qualquer jeito, não", defendeu o novo presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Augusto Freiras de Meira. Ele concedeu entrevista ontem (5) à Radiobrás, em que defendeu a conciliação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) com a proteção dos territórios indígenas. Meira considera ser possível harmonizar as duas coisas, desde que o crescimento pretendido pelo PAC seja um desenvolvimento sustentável, com respeito ao meio ambiente e às populações nativas.

Em relação a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que vem sendo criticada no atendimento aos povos indígenas, Meira destacou que "não tem nenhuma intenção que o trabalho de saúde dessas comunidades volte às mãos da Funai". Ele acredita que uma maior parceria entre os dois órgãos pode funcionar, tendo a Funai no "papel de protagonista para que a política de saúde possa se qualificar". Como a Funasa está sem presidente, Meira acrescentou que só está esperando o novo empossado para discutir uma maior integração.

Sobre a situação das comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul (MS), que vivem problemas de conflitos com latifundiários e posseiros, de demora na demarcação das terras, e de morte de crianças por inanição, Márcio Meira destacou que a "situação é muito grave". Alegou que a população indígena local vem crescendo vertiginosamente, e que as terras indígenas não estão conseguindo dar sustentabilidade econômica às comunidades. "A desnutrição está associada a questão fundiária, que é precária no estado", resumiu.

Para o presidente da Funai, a solução para os problemas sul-matogrossenses não passa por ajustes pontuais, mas por "soluções programáticas". "O governo criou um grupo de trabalho interministerial que vem atuando de forma integrada na região, nas áreas de saúde, alimentação e segurança pública", disse. Quanto a demarcação de terras, ele sublinhou que dentro desse grupo interministerial foi criada uma "força-tarefa" que vem se debruçando para avançar no tema. "Essa é uma questão básica. Se não avançarmos na área fundiária, as outras questões também não avançam".


Fonte: Agência Brasil  (Colaboração do pastor Paulo da Silva Costa, da Missão Metodista Tapeporã)


Posts relacionados

Geral, Expositor Cristão, por Sara de Paula

EC de janeiro: a importância vital da unidade cristã

Em 2020 a Igreja Metodista em terras brasileiras trabalhará o tema da unidade. Já disponibilizamos na edição de dezembro o logo e todas as informações a respeito do tema. Nesta edição, abordamos a importância do Corpo de Cristo estar unido. Uma reflexão do Pastor Hernandes Dias Lopes a respeito da temática ajuda a ampliar os olhares ainda mais nesse sentido.

Sombra e Água Fresca, Geral, por Sara de Paula

Encontro do Projeto Sombra e Água Fresca acontece em São Paulo

Agentes Regionais do SAF se reúnem na Sede Nacional durante todo o fim de semana

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães