Publicado por Sara de Paula em Colégio Episcopal - 22/02/2019

Nota Oficial do Colégio Episcopal


Em 2005, o Colégio Episcopal da Igreja Metodista publicou um pronunciamento acerca do Referendo do Desarmamento, então em voga na agenda nacional. Naquele momento, a Igreja posicionou-se a favor da vida, enfatizando a busca da paz e o enfrentamento a toda forma de violência.

No momento em que a temática da violência volta à pauta da nação e de suas instâncias de decisão sobre as formas de seu combate, cabe-nos voltar aos nossos fundamentos. João Wesley e os primeiros metodistas lutaram por uma educação de qualidade, por melhor distribuição de renda, pelo enfrentamento às formas desumanas de trabalho e pela saúde das cidades. Na proclamação do Evangelho, a ênfase na paz e na justiça social como parte do projeto de plenitude de vida em Cristo.

Desta forma, reafirmamos nossos princípios. Entendemos que se deve lutar por uma sociedade pacífica e pacificadora, pois dessas tais pessoas é o Reino dos Céus. Entendemos que a chaga da violência, que ceifa vidas inocentes e alicia pessoas para o crime deve ser tratada e sarada. O Reino de Deus deve ser anunciado em uma sociedade que carece de saúde, educação, moradia, cuidado para com as famílias, condições dignas de trabalho e de vida, enfrentamento dos males e vícios que fomentam o caos e roubam especialmente nossa juventude.

Nas palavras do apóstolo Paulo, lembramos que “andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus.” (2 Coríntios 10.3-4). E, lembrando as palavras dos bispos e da bispa, em 2005, seguimos firmes para “criar em nossa nação, tão empobrecida pelas desigualdades sociais, uma cultura de paz, de diálogo e solidariedade, sob a inspiração das palavras do profeta Jeremias: “trabalhai pela paz da cidade e orai por ela ao Senhor. Porque na sua paz vós tereis paz” (Jr 29.7).”

 

São Paulo, 21 de fevereiro de 2019.

 

Colégio Episcopal da Igreja Metodista


Posts relacionados

Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Educação, Unidade e a missão no nordeste | Diálogos em tempos de crise

  Assista ao episódio 6 do programa Diálogo em tempos de crise. A conversa conduzida pelo Bispo Luiz Vergílio Batista da Rosa conta com a participação dos Bispos Honorários da Igreja Metodista: Bispo Josué Adam Lazier, Bispo Stanley da Silva Moraes e Bispo Geoval Jacinto da Silva.

Destaques Nacionais, Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Nota oficial do Colégio Episcopal

Para os devidos fins de direito, informo que em 28 de dezembro de 2019, encerra -se a penalidade imposta por sentença da Comissão Geral de Constituição e Justiça (CGCJ) ao Revmo. Bispo Emanuel Adriano Siqueira da Silva.

Geral, Mídia, Destaques Nacionais, Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Nota do Colégio Episcopal: nomeação do diácono M Bracklay

Tem circulado nas mídias eletrônicas a notícia, publicada originalmente pelo jornal The Washington Post, sobre a nomeação do diácono M Bracklay, pela Bispa Sally Dyck , da Conferência Nordeste de Illinois, USA, da Igreja Metodista Unida dos Estados Unidos da América. O fato em destaque é o de que Barclay se declara transgênero (Queer).

Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Diretor da Rede Metodista de Ensino se reúne com Colégio Episcopal

Encontro acontece na Sede Nacional em São Paulo

Colégio Episcopal, Entrevistas, Cogeam, Expositor Cristão, Destaques Nacionais, Mulheres, Discipulado, Pastoral do Combate ao Racismo, Social, por José Geraldo Magalhães

Expositor Cristão de janeiro: Igreja Metodista reafirma o combate ao Racismo

Expositor Cristão já refletiu várias vezes sobre a diversidade, intolerância religiosa e racismo. O Colégio Episcopal fez vários pronunciamentos reafirmando a doutrina da Igreja Metodista combatendo essas chagas sociais que têm diminuído várias pessoas. Retomei o assunto nesta edição. A princípio, seria apenas sobre a chacina que ocorreu no Rio de Janeiro envolvendo cinco jovens que foram mortos por policiais, mas a pauta se ampliou. Parece que o assunto ainda não foi esgotado na vida de muitas pessoas. O caso mais recente de injúria racial ocorreu no 1º Concílio Regional da Sétima Região Eclesiástica, no início de dezembro, quando foi feita uma denúncia ao plenário. “Desbancamos o urubu”, disse a denunciante ao ouvir a expressão de um pastor sobre outro pastor após as eleições da lista tríplice.