Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

pra não dizer que não falei das flores

 

   Atualmente a presença da mulher na vida da Igreja é algo bastante comum e notável a todos e todas. Porém, no Ministério de Jesus a participação das mulheres foi algo escandaloso e admirável. E há razões para tanto espanto. Nas páginas da Bíblia, regadas por interpretações equivocadas a respeito da participação da mulher na consumação da Queda do ser humano diante da Graça de Deus, sempre a colocou como principal responsável por este fato desastroso, relegando assim a sua história e sua vivência no texto bíblico a uma condição em segundo plano.

Diante da Lei Mosaica a mulher era vista mais como uma propriedade adquirida do que como uma companheira de caminhada: "Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seus servos e servas, nem teu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença" (Êxodo 20.17). E adiante, salvo alguns lampejos da ação e desejo de Deus pela igualdade entre ambos, homens e mulheres, a situação da mulher não muda dentro da história de Israel.

Mas, no Ministério de Jesus as mulheres ganharam espaços jamais antes concedido a elas. Culturalmente nada havia mudado nas regiões da Galiléia e Judéia. Mesmos costumes, até mesmo um rigor maior na Lei Mosaica era percebido. Mulheres não eram contadas e a vida seguia assim. Jesus trouxe uma nova perspectiva na visão que se tinha do ministério feminino. A uma mulher que há dezoito anos andava encurvada (Lucas13. 10-17), chama de Filha de Abraão, ou seja, filha da Promessa. Com a mulher Samaritana (João 4.4-26), Jesus trava um dos mais belos e ricos diálogos das páginas da Bíblia. Exaltou a viúva (Lucas 21.1-4) que ofertou tudo que tinha. Foi ungido em Betânia (Marcos 14. 1-9) pelas mãos sinceras de uma mulher. À mulher adultera (João 8.1-11), concede o perdão, e declara que ela não era mais pecadora do que os mentirosos, os invejosos, os intolerantes, os acusadores...E até mesmo se curvou diante da humildade de uma mulher-mãe siro-fenícia (Marcos 7.24-30), que rogou apenas por algumas migalhas, por sua filha, não por ela mesmo, apenas um minuto de atenção à sua dor e desespero. Impossível negar: Jesus soube dar um lugar de destaque à mulher em sua missão de evangelização e salvação.

No entanto, foi na Paixão e Páscoa que a presença feminina ganhou moldes definitivos de valor imprescindível dentro do cristianismo. Foram nesses momentos, em particular, que mostraram que a fidelidade a qual mostravam até então, transpassava a euforia da multidão diante dos milagres que assistiam.

Na multiplicação dos pães e peixes, uma verdadeira multidão se aglomerava para ouvir ou, ao menos ver a Jesus. Cinco mil a contar e talvez mais cinco mil não contados. Fartura, comida, o sobrenatural acontecendo...Mas veio a cruz, e com ela a ausência, a multidão se foi, o alvoroço sumiu, os gritos se calaram. Apenas um madeiro e...ao pé da cruz quatro figuras revelavam que Jesus não estava sozinho. Quatro mulheres (João 19.25) permaneceram fiéis até o momento da cruz. Multidões seguem Jesus na multiplicação, mas os verdadeiros discípulos sabem que existe a cruz. Sem ela, não há cristianismo. Quatro mulheres dignas de serem mencionadas: Maria, a mãe de Jesus; a irmã dela (Joana?); Maria, mulher de Clopas e Maria Madalena. Ao pé da cruz, elas choravam o amor partido, o bem calado, a justiça castigada...Mas ainda assim estavam ali firmes. Aqui começava a se desenhar a força do ministério feminino na história da Igreja de Jesus. Já na cruz a história da mulher mudava, assim como a própria história mudava com a manifestação de Deus por meio de Jesus Cristo.

Maria Madalena foi a primeira a ver pedra do sepulcro removida, foi a primeira a falar com Jesus depois da ressurreição e foi a primeira a anunciar que Ele estava vivo e dessa forma também estava viva a Palavra que é capaz de transformar toda uma realidade. Páscoa da Ressurreição!Nada mais justo do que, em Maria Madalena, as mulheres recebessem a incumbência do anuncio da ressurreição daquele que tanto as valorizou. Maria Madalena levou a mensagem de que a Morte não é maior que a Vida...Lucas e Marcos revelam que não apenas Maria Madalena, mas outras mulheres, como Salomé e Maria, mãe de Tiago, presenciaram em primeiro lugar o milagre do Sepulcro Vazio. Mas a narrativa de João, onde Maria Madalena é a personagem, comove pela beleza das palavras. Ao chamá-la pelo nome (João 20.16) Jesus parece convocar todas as mulheres, todas as Marias sofridas, esquecidas, mas também as esperançosas, lutadoras. "Maria!" disse Jesus, "Vá e anuncie que estou aqui". A mulher em sua sensibilidade guerreira, onde é capaz de entender e ouvir melhor os sinais do Reino de Deus nos conduz a uma dimensão onde o mais importante é a Mensagem e não a sistematização de dogmas.

Hoje em nossas igrejas vemos o impacto da Mensagem do Evangelho nas mulheres. São elas a grande maioria a compor a assistência e os ministérios das igrejas locais. Ainda impulsionadas pelo chamado de Jesus... tantas são chamadas e uma mesma vocação: Vá e diga que estou vivo! Em meio às lutas travadas no decorrer da história, aquele momento diante do sepulcro vazio parece dizer que a fidelidade na tristeza é recompensada com a alegria da Ressurreição. E assim as flores vão nascendo ano após ano, na Páscoa de Jesus as flores anunciam a Vida quando Ele as chamam pelo nome: Maria, Tereza, Eva, Margarida, Joana, Regina, Fernanda... Antes de qualquer outro, Jesus já falava das flores!

Pastor Antônio Carlos Soares dos Santos

Igreja Metodista em Açude II, Volta Redonda


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães