Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Que país é este?

Já somos o país do carnaval. Somos também o país do futebol. Sediaremos a Copa do Mundo de futebol de 2014. O Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016. Parece que somos o país das comemorações.

Mas quando celebraremos a derrota da mortalidade infantil? Quando faremos um "carnaval" porque a violência contra a criança e a mulher foi debelada em nossa sociedade? Quando faremos uma "Copa" para comemorar o fim da desigualdade social e econômica? Quando organizaremos "Jogos Olímpicos" para celebrar a vitória da ética e da moral contra a corrupção?

Quando seremos um país de fato democrático e progressista? Se há recursos públicos e privados por que não foram ainda aplicados para minimizar a dor e o sofrimento de uma grande parcela da sociedade brasileira, não com esmolas ou donativos, mas com ações transformadoras da realidade que vivemos. Quando sairemos da ilusão que alguns midiáticos plantam todos os dias?

A festa e a celebração pela escolha do Rio de Janeiro para ser a Sede das Olimpíadas de 2016 evidencia a carência e a auto-estima baixa de um povo que tem força para superar as adversidades da vida, mas que sofre as dores das injustiças e dos desmandos de governantes e líderes.

Onde estarão os recursos para a saúde, para a educação, para a autonomia e para o desenvolvimento sustentável em terras brasileiras? De onde virão os recursos para a Olimpíada? Dos impostos que são pagos pelos brasileiros? Da iniciativa privada? Será? Ou os recursos para a olimpíada virão da falta de recursos para que a dignidade alcance todos os brasileiros?

Muitos celebram a escolha da sede olímpica. Muitos choram esta mesma escolha. A desigualdade social continua vigente, com aplausos de muita gente. Afinal, para hospedar os jogos olímpicos vale a carestia da dignidade mínima do cidadão brasileiro! Vale?

 

Bispo Josué Adam Lazier


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães