Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 05/04/2011

Salve Vidas Para a eternidade!

Mocidade de Itaberaba, doando sangue e salvando vidas para eternidade

 “Conhecemos o amor nisto: que Ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos”. 1 João 3:16


No dia 26 de março, parte da Mocidade da Igreja Metodista em Itaberaba esteve no Hemocentro do Hospital Samaritano para doar sangue, e mais do que isso, para cumprir o mandamento de Deus: amar aos nossos irmãos, assim como o próprio Jesus nos ensinou.

Identificados como cristãos por meio das nossas camisetas, sentimos que o Senhor estava nos capacitando para sermos vistos naquele lugar além da nossa aparência, mas pela presença do Espírito Santo em nós.

Como está escrito em Atos 2, fomos encorajados a abrir a nossa boca e desfrutar de experiências maravilhosas com Deus. Em certo momento, conversando com uma enfermeira, soubemos que ela estava desviada dos caminhos do Senhor e que se sentia em débito com o Pai. Então falamos a ela do amor de Deus, que independente do que façamos, não cresce ou diminui, pois Ele nos gerou e escolheu morrer pelas nossas vidas sem cobrar ao menos nosso reconhecimento. Vimos aquela menina ser quebrantada e tocada, e diante disso, nos sentimos satisfeitos por estarmos ali, podendo doar mais do que o nosso sangue, mas a nossa vida inteira para Jesus, a ponto de sermos usados por Ele em qualquer lugar e da forma que Ele quiser. Apenas através do Senhor, conseguimos realmente salvar as vidas, não só temporariamente, mas para a eternidade!

Ao pensarmos que abençoaremos alguém, somos surpreendidos e ainda mais abençoados! Todos podem fazer a sua parte e desfrutar de experiências maravilhosas com o Espírito Santo!

Por Flávia Pini
Integrante do Ministério de Comunicação da IM em Itaberaba


Posts relacionados

Mulheres, Geral, por José Geraldo Magalhães

Pastoral Regional da Mulher da Igreja Metodista declare-se inconformada com decisão de Juiz

Igreja Metodista – 2ª Região Eclesiástica - RS Pastoral Regional da Mulher Nota de Repúdio

Geral, por José Geraldo Magalhães