Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Significado da Santa Ceia

O significado da Santa Ceia

 

Um dos principais meios da transformação da pessoa e da sociedade é a educação cristã. Pela formação sistemática ou pelo esclarecimento de questões afins à experiência com Deus, a educação possibilita a maturidade cristã. Sendo assim, nada como melhor do que dialogar sobre temas que são fundamentais na caminhada de fé. Recebemos a seguinte correspondência: "Ao ler a matéria sobre a Santa Ceia no site www.metodista.org.br (também publicada no Expositor de março de 2009) fiquei com algumas dúvidas. Na Igreja Metodista é adotada a transubstanciação ou a consubstanciação? Obrigado, Paulo."  É a Revda. Hideíde Brito Torres, teóloga, jornalista e pastora da Igreja Metodista em Cataguases, MG, 4ªRE, que responde a essa pergunta:

 

   

Ceia do Senhor: seu significado para nós

 

Texto bíblico: 1 Coríntios 11.23-30

 

Frequentemente, a Ceia do Senhor é celebrada em nossos cultos nas igrejas evangélicas hoje de duas formas: como algo tão místico e espiritual que muita gente é excluída; ou de forma tão banal que se faz uma espécie de apêndice no culto para realizá-la; num último momento, com correria porque o horário já venceu.

Mas a Ceia é um dos momentos mais sérios da vida cristã. Desde os primeiros tempos, os cristãos priorizavam este momento e o realizavam com grande freqüência (At 2.42). A Ceia é sinal do nosso compromisso e envolvimento na obra do Reino de Deus. Nós, metodistas, cremos nisto por, pelo menos, três razões principais:

 

1. É uma refeição memorial: Em 1 Coríntios 11.23-30, quando o apóstolo Paulo discute os problemas daquela comunidade relacionados com a prática da Ceia do Senhor, ele afirma: "Eu recebi o que também vos entreguei"; e repete as palavras proferidas por Jesus: "Fazei isto em memória de mim". A palavra recordar, no hebraico, significa "lembrar algo ou alguém de forma tão intensa que esse evento adquire uma dimensão vital, renovada, nova e fresca no presente". Quando participamos da Ceia, a presença de Jesus se renova em meio à comunidade, porque atualizamos sua mensagem, como se nós mesmos estivéssemos lá, com seus discípulos, na noite em que celebrou com eles a primeira ceia.

 

 

2. É uma refeição com a real presença de Cristo: Quando falamos isso, muita gente pensa em termos místicos ou supersticiosos. Muitas lendas surgiram em torno da Ceia do Senhor. Nós, protestantes, cremos que não há modificação dos elementos; não é transubstanciação (os elementos não se tornam mesmo carne e sangue de Cristo. O pão continua pão e o suco de uva continua com sua natureza e substância). Também não há a presença real de Cristo no pão e no vinho (a doutrina chamada consubstanciação). É sim, que o Cristo ressurreto está presente no meio da comunidade cada vez que a Ceia é celebrada. Ele vem por meio de seu Espírito, o qual se faz presente na comunidade e no momento celebrativo. Por isso, quando o pastor ou pastora convida os presentes a partilhar da mesa, o convite não é da Igreja Metodista, mas do próprio Cristo. A graça de Deus não pode ser "sequestrada" por nenhuma igreja ou sacerdote: ela é de todos. Por esta razão, discordamos da prática de algumas comunidades, que limitam a participação da Ceia apenas para seus próprios membros, ignorando que a Igreja de Cristo é mais do que a própria denominação. Por outro lado, é sempre importante lembrar que os cristãos e cristãs são chamados/as a esta mesa por compreender a seriedade deste momento para seu crescimento na fé. Por isso mesmo é que Paulo diz que é um momento consciente: "Examine, pois, o homem a si mesmo e assim coma do pão e tome do cálice". Ele não diz que devemos nos examinar e nos abster de participar! Ao contrário, o auto-exame e a confissão são os passos daquele que quer assumir o compromisso com Deus. Jamais devemos deixar de participar desta mesa, mas sempre temos de fazê-lo com consciência!

 

 

3. É uma refeição que é penhor: Penhorar significa dar uma garantia: A Ceia do Senhor é uma garantia do céu. Jesus mesmo disse: "Não mais beberei do fruto da videira, até que venha o Reino de Deus" (Lucas 22.18). Participar dessa ceia é ter a promessa do céu. Quem não participa dessa graça aqui não experimentará a futura também; pois indica que não está em comunhão com o Senhor. Mas quem recebe aqui, participará lá. Na ceia, louvamos a Deus pela vida eterna e antecipamos nossa entrada no céu.

 

João Wesley, fundador da Igreja Metodista, no século 18, declarou: "Que todo aquele que tem no seu coração algum desejo de servir a Deus, ou algum amor à sua alma, possa servir a Deus e buscar o bem do seu coração por meio da comunhão, toda vez que isso for possível". E ele disse ainda: "Comer e beber indignamente significa participar do Santo Sacramento de forma tão desordenada e rude que alguns estão com fome enquanto outros se fartam e se embebedam. Mas o que isso tem a ver convosco? Não é possível que estejais fazendo isso - comendo e bebendo de forma tão indigna"?

Assim sendo, fica claro que, então, a questão é o modo de comungar e não o caráter de quem comunga. Pois, exceto Jesus, que era sem pecado, quem é digno de participar da mesa? Por isso, ela é graça. Além disso, é uma ordem de Jesus: "Fazei isso." Quem não o faz está em desobediência a uma ordem direta do Senhor. E que servo é este que desobedece seu Senhor? Que serva é esta que ignora uma ordem direta do Mestre? O chamado à Ceia é um chamado à obediência; é um ato de fé naquele que morreu por nós. E é um testemunho: "Anunciais a morte do Senhor até que ele venha"!

 

Revda. Hideíde Brito Torres

Igreja Metodista em Cataguases, MG, 4ª RE


Posts relacionados

Geral, Intercessão, por Julyana Rodrigues

Semana de oração pela Bielorrússia, Moldávia, Rússia e Ucrânia.

Nesta semana estamos em oração pela Bielorrússia, Moldávia, Rússia e Ucrânia. Você é convidado a fazer parte desse círculo de oração entre os dias 21 de setembro a 27 de setembro de 2014. Envolva sua Igreja e faça parte também desses momentos de oração em comum. Leve os motivos de ações de graças e intercessões nos cultos de orações de sua comunidade.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães