Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

uma oração simples salmo 30


A oração simples
O Salmo 30 é considerado um cântico de Ação de Graças. Nele o salmista agradece a Deus por algum livramento que alcançou e convida seus ouvintes a fazerem o mesmo. Há vários salmos como este. Eles eram cantados no dia-a-dia das famílias de Israel, tanto nas reuniões domésticas, como nas públicas. Alguns eram cantados nas viagens para Jerusalém e no retorno para casa.

O Salmo é atribuído ao Rei Davi, pois segundo a tradição ele foi um músico inspiradíssimo. Este e outros salmos de Davi vieram a fazer parte do repertório do povo de Deus, alimentando assim a esperança e a confiança nas ações divinas. Davi, além de ser um músico e de ter se tornado Rei de Israel, era também um pastor de ovelhas. O salmo expressa o sentimento e a fé deste pastor de ovelhas. Ele é um modelo de oração para nós hoje.

Vamos meditar neste salmo, considerando-o como uma "oração simples para os símplices". Moisés, Eliseu, Davi e outros membros do povo de Deus fizeram esta oração. Oração simples é definida por Richard J. Foster como: "Na oração simples apresentamo-nos diante de Deus assim como somos, com verrugas e tudo. Como filhos de um pai amoroso, abrimos o nosso coração e fazemos as nossas petições. Não tentamos separar as coisas, as boas e as más. Simples e despretensiosamente, falamos dos nossos cuidados e fazemos as nossas petições. Contamos a Deus, por exemplo, quando estamos frustrados com o colega de escritório ou o vizinho que mora logo adiante. Pedimos alimento, clima favorável e boa saúde".

Na oração simples a pessoa reconhece sua fragilidade
Inicialmente o salmista reconhece suas fragilidades e suas limitações, bem como sua vulnerabilidade diante das dificuldades da vida. Ele fala que era alvo das zombarias e das brincadeiras de mau gosto de algumas pessoas, que o salmista chama de inimigos (v. 1). O autor descreve a situação da sua saúde, que estava agravada. Em outras palavras, o autor do salmo estava à beira da morte quando foi contemplado pela misericórdia de Deus (vv. 2-3). Davi, em sua oração, registra o choro e o lamento que tomou conta da sua vida em virtude da sua fragilidade e fraquezas humanas (v. 5) e não deixa de mencionar que ficou confuso e desorientado quanto à vida e os desafios que estavam presentes em sua vida (v. 7).

Este sentimento e esta constatação da precariedade da vida humana devem acompanhar aqueles e aquelas que têm fé, a esperança, e a graça de Deus em suas vidas. É natural que a pessoa humana, em sua experiência com Deus, esqueça suas limitações. Mas é imperativo que o homem e a mulher reconheçam sua fragilidade ante o poder e a grandeza de Deus. Faz bem para a alma, para o corpo, para a mente, para a espiritualidade e para o bem-estar daqueles que convivem conosco.

Na oração simples a pessoa revela confiar em Deus
O salmista aprendeu a ser humilde e a confiar em Deus. No versículo 6 ele declara: "Quanto a mim, dizia eu na minha prosperidade: jamais serei abalado". Ou na linguagem de hoje: "Eu me senti seguro e pensei: nunca terei dificuldades". Ele se encontrava tranqüilo em sua prosperidade, riquezas, conquistas e na sua própria saúde. Achava-se inatingível. Ledo engano. Aprendeu grande lição. Aprendeu que a segurança estava na confiança em Deus e que Ele age através de pessoas frágeis e imperfeitas porque é cheio de graça e misericórdia.

Na oração simples a pessoa reconhece as ações divinas
O verso 5 é o centro deste salmo. Ele ensina que o silêncio de Deus é momentâneo. Quando o salmista diz que chorou a noite toda revela que se sentia abandonado por Deus e inseguro quanto ao futuro. Ele confiava em sua prosperidade e quando adoeceu gravemente buscou a Deus, mas não recebeu resposta imediata. Orou e lamentou a noite toda buscando a graça de Deus.

Ainda no verso 5 o salmista ensina outra grande lição: o período de silêncio de Deus é curto e para nosso próprio bem, pois o "seu favor dura a vida inteira" - a bondade divina é para toda a vida. Os momentos de tensão, angústia, medo, fragilidade, desesperança e dor podem durar a noite inteira, mas o regozijo, o consolo, a paz, a segurança interior vêm pela manhã.

Na oração simples a pessoa agradece a Deus
O salmista conclui seu salmo e sua oração com uma ação de graças - v. 12. Ele aprendeu a importância da ação de graças e manifestou seu conforto e sua satisfação por todas as coisas, sabendo que elas refletem o cuidado do Deus eterno. O salmista agradece porque Deus mudou os seus sentimentos: "converteste o meu pranto em folguedos; tiraste o meu pano de saco e me cingiste de alegria". Ele convidou outras pessoas para seu culto em ações de graças, pois queria que todos reconhecessem o cuidado de Deus e a Ele fizessem ações de graças.

Quem são os símplices?
Os símplices são os que vivem a simplicidade da vida cristã; os que estão com o coração aberto para acolher os outros em suas lamentações; os que se colocam na posição de servos dos outros; os que não intentam o mal contra o próximo; os que oram muito e pouco falam sobre o assunto; os que podem perdoar porque acolheram o perdão de Deus. Símplices são os misericordiosos, os pacificadores, os pobres de espírito, os que buscam a justiça, rejeitam a maledicência e pagam o mal com o bem. Símplices são os que se esvaziam de si mesmos e se enchem da graça de Deus e que evidenciam isto nas atitudes. Símplices são os que não tocam trombetas, não vestem sacos e não vão às multidões para se promoverem com uma falsa espiritualidade. Símplices são os que combatem a violência, rejeitam as injustiças e proclamam a paz. Símplices são os que fazem a oração simples...

Você já fez hoje a oração simples?
Se for assim, continuemos, dia após dia a fazer esta oração e convidemos outros para orarem conosco. A oração nos leva ao altar de Deus e, no encontro com a graça divina, nós recebemos o pastoreio do Pai, do Filho e do Espírito Santo e o fortalecimento para a vivência dos mais altos valores do Evangelho e a convivência na perspectiva do Reino de Deus.

Bispo Josué Adam Lazier


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães