Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

visão pentecostal dom de línguas

A questão do dom de línguas nunca foi um ponto pacífico nem no meio pentecostal, afirma o pastor Ricardo Gondim, presidente da Igreja Assembléia de Deus Betesda. No início do movimento, o dom de línguas era visto como um dom milagroso concedido por Deus para a evangelização, diz ele. Segundo o pastor, há relatos de pessoas que testemunham ter recebido o dom de proclamar a Palavra de Deus em idiomas estrangeiros que nunca haviam estudado.

Mais tarde, o movimento pentecostal e se dividiu; novas concepções sobre o dom também surgiram. Para a maioria dos pentecostais, o dom de línguas passou a ser visto como uma evidência física do batismo do Espírito Santo - concepção que tende a criar duas "classes" de cristãos. "Mas há, atualmente, teólogos pentecostais, como Gordon Fee, que embora não rejeitem essa experiência como sinal do Espírito, não a vêem como obrigatória", diz Gondim. Ele atesta que a terceira geração de pentecostais já não demonstra o fenômeno com a mesma freqüência - e nem por isso é "menos pentecostal" do que os cristãos de gerações anteriores...

Para o pastor da Betesda, o dom de línguas foi uma grande contribuição do movimento pentecostal para a cristandade, expressando que a experiência religiosa transcende a racionalidade. Hoje, porém, o dom de línguas tem sido banalizado e até instrumentalizado. Ele percebe, com tristeza, que existe até quem busque "produzi-lo" artificialmente, por meio de cerimônias com forte apelo emocional, ou exibi-lo no púlpito. Para Gondim, esse dom - que ele próprio recebeu - é, sobretudo, uma experiência de edificação pessoal. "Não exerço o dom de línguas em público. É uma experiência de vida devocional que é relevante para mim, assim como a oração contemplativa e meditativa. É uma capacitação para o exercício do ministério. O dom de línguas, assim como os demais dons do espírito, são capacitações divinas para que a Igreja possa ser missionária".

Elienai Cabral Júnior, pastor da Assembléia de Deus Betesda em Fortaleza, Ceará, também manifesta o dom de línguas em sua vida devocional. E também não vê o dom recebido como sinal de poder, prestígio e orgulho. "É um sinal de fraqueza, humildade e esvaziamento. Falamos línguas que sequer conseguimos entender (1Co 14.14). Isto que recebemos de Deus, por sua graça, a salvação em Cristo é algo tão superior a nós, tão acima de nossos méritos e habilidades que sequer conseguimos fazer caber em nossa linguagem. Outras línguas são as que falam com satisfação, mas apenas para o íntimo de quem fala. Aquele que fala em outras línguas é lembrado e torna-se um lembrete de Deus de que é limitado. De que o Reino do qual participa não foi conquistado por suas habilidades e, portanto, quem quer que dele participe precisará depender do Espírito Santo de Deus, o Outro Consolador que nos guiará em todas as coisas", explica ele.

Segundo o pastor Elienai, a descrição da igreja pentecostal em Atos não é de uma igreja potente e imponente, mas de uma comunidade de irmãos que se amavam concretamente, como se descreve em Atos 2.44-47.É a igreja que tem Jesus como modelo: "No deserto, Jesus recusou-se ao poder de conquistar o mundo em fama e glória, de ter uma imagem brilhante de poder: tudo isto de darei se prostrado me adorares. O poder que veio exercer não atrairia o mundo pela glória e fama, mas pela graciosa entrega de si mesmo em amor".


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães