Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

vocação bispo josué

II Tm 1.6

 

 

Dois conceitos

Em II Timóteo 1.6 encontramos uma recomendação que podemos chamar de universal e abrangente. Universal porque é dirigida a todos os servos e servas de Deus que exercem algum tipo de liderança, seja no ministério pastoral ou no exercício dos dons e ministérios. Assim se expressa o autor bíblico: "Reaviva o dom que há em ti". [1]

 

Esta frase apresenta dois conceitos bíblico-teológicos de fundamental importância para a vida de todos nós: Reavivar o Dom. Estas duas palavras contêm grandes verdades e transmitem a mensagem de Deus de uma forma muito clara e objetiva.

 

Reavivar

A palavra grega traduzida para reavivar tem o sentido de "soprar as brasas quase apagadas", numa referência ao despertamento e ao reavivamento vocacional e ministerial que deve ser uma constante na vida das pessoas vocacionadas por Deus.

 

Soprar é uma atitude que parte da pessoa. É uma ação no sentido de buscar renovação e força para o cumprimento da vocação. É o ato de pegar o fole e soprar as brasas quase apagadas. Paulo indica várias destas ações utilizando a expressão "Tu, porém...".

 

O dom

A palavra grega utilizada tem o sentido de "favor imerecido" ou "dom supremo". Trata-se de carismas que Deus concede. São carismas pastorais e laicos através dos quais o Espírito Santo age na vida do cristão e da Igreja na medida em que o cristão se oferece a Deus em resposta ao Seu amor. O carisma se evidencia de forma comunitária e não individualizada, pois ele se expressa por meio da dedicação da pessoa ao serviço de Deus e por meio da Sua Graça.

 

Dom indica uma função, ordinária ou extraordinária destinada à edificação do Corpo de Cristo. Esta palavra aparece 17 vezes no Novo Testamento. Em seis delas o sentido é de dom gratuito. Nas outras vezes o sentido é de edificação da Igreja (Rm 12.6; I Co 1.7; 7.7; 12.4; 12.9; 12.2; 12.30; 12.31; I Tm 4.14 e I Pe 4.10).

 

Tu, porém

Com esta expressão o apóstolo introduz várias ações que o discípulo deve exercitar como um fole sendo utilizado para produzir vento e ativar uma combustão. Porém é uma conjunção que indica uma ação contrária, uma ação tensional e provocativa de algo novo. Indica também uma reação positiva e crescente em busca de uma vivência renovadora.

 

1. Tu, porém, fortifica-te na graça de Deus - II Tm 2.1

O que faria de Timóteo um discípulo preparado para enfrentar as situações da vida e do ministério era o fortalecimento na Graça de Deus. O propósito do apóstolo era torná-lo um adulto na fé, um cristão maduro e um discípulo na medida e estatura de Cristo. Como é um ministério exercido sob a graça de Deus?

 

a)      Envolve outras pessoas - II Tm 2.2. O ministério não é isolado, centralizado, personalista, autoritário ou ascético. Ele é envolvente e integrador.

b)      Transmite princípios de vida - II Tm 2.2. A transmissão das verdades divinas se dá através do discipulado e da convivência entre liderança e liderados.

c)      Desenvolve empatia - II Tm 2.3. O ministério sob a graça de Deus tem empatia com a dor e sofrimento dos outros.

d)      É perseverante - II Tm 2.6. Assim como o lavrador acredita na semeadura e trabalha arduamente para ver o fruto do seu labor, assim é o líder que vive sob a graça de Deus, também acredita na semente do Evangelho e no trabalho da educação e formação de seus liderados.

e)      Pondera na Palavra de Deus - II Tm 2.7. Ponderar não é uma obrigação, tampouco ordem do apóstolo. Ponderar significa considerar, avaliar, meditar, levar em conta, pois as implicações da obediência a Deus são fortalecidas pela Graça de Deus.

f)        Para João Wesley, o "homem debaixo da graça tem os olhos que se abrem para ver o amável e grandioso amor de Deus estampado na face de Jesus Cristo".[2]

 

2. Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina - Tt 2.1

A carta endereçada a Tito apresenta um tu, porém que também é dirigido à liderança da igreja. A orientação é para que os líderes ensinem em todo tempo a sã doutrina aos diversos grupos presentes na igreja. Em destaque, os idosos (Tt 2.2), as idosas (Tt 2.3-5), os jovens (Tt 2.6) e os servos (Tt 2.9-10). A sã doutrina apresenta as características que acompanham a vida de quem foi alcançado pela graça de Deus. Este ensino tem as seguintes características: integridade, reverência, linguagem sadia, irrepreensível e vivência da Palavra de Deus para envergonhar os falsos mestres.

 

3. Tu, porém, segue o meu ensino - II Tm 4.5

O conhecimento da Palavra de Deus seria um estimulo para a realização do ministério de Timóteo num contexto de oposição e de lutas. Para tanto, o apóstolo orienta seu discípulo a seguir o seu ensino.

 

a)      Exercitar a piedade - I Tm 4.7b-8. Trata-se de uma referência a espiritualidade. Espiritualidade não é o isolamento do mundo ou fuga dos problemas da vida. Não se trata de estereótipos ou modismos que vão sendo criados e colocados como padrão. Espiritualidade tem a ver com a vida integral, com o todo da vida humana. Ela acontece em meio ao cotidiano. Ela é a vivência do conhecimento de Deus e das experiências advindas deste conhecimento. Espiritualidade é compromisso e vivência dos mais altos valores da Vida e do Evangelho de Jesus Cristo.

b)      Não negligenciar o dom - I Tm 4.14. É o carisma dado por Deus e reconhecido pela Igreja. No caso, o dom de ensino e o ministério ordenado de Timóteo. "Aprendemos que um carisma não é algo que seja outorgado por Deus de forma permanente e estática; seu vaso humano tem de usá-lo e desenvolvê-lo. É verdade que Timóteo era jovem e inexperiente. Mas convinha que ele se lembrasse (e também lembrasse os outros) de que Deus o havia chamado (através da palavra profética), o havia capacitado (através do dom espiritual) e o havia comissionado (por meio das mãos dos presbíteros), pois assim ele não seria desprezado em face de sua juventude, nem o seu ensino seria rejeitado".[3]

c)      Ter cuidado da doutrina - I Tm 4.16. Trata-se de uma orientação insistente do apóstolo para com o seu discípulo. Cuidar da doutrina é um imperativo e zelo pelo fundamento da Igreja.

d)      Ter cuidado de si mesmo - I Tm 4.16. Timóteo já conhece a fragilidade da vida humana e recebe a orientação para desenvolver o cuidado consigo mesmo. Que cuidado é este? Cuidado com a saúde (I Tm 5.23); cuidado com o dom (II Tm 1.1); cuidado com a tradição do conhecimento obtido (II Tm 3.14, 1.14); cuidado com os relacionamentos (I Tm 5.1-3); cuidado com a família (Hb 13.1-6).

 

4. Combate o bom combate da fé - I Tm 6.12

O combate da fé valia a pena ser combatido, pois tinha o apelo de promover as virtudes que devem acompanhar a vida do cristão e líder servo. Paulo dá o seu testemunho de ter combatido o bom combate, completado a carreira e guardado a fé (II Tm 4.7). Em outras palavras, combater o bom combate tem a ver com o carisma recebido de Deus. Desta forma, o ministério é o exercício cabal da vontade do Senhor. De que forma combater o bom combate? O texto de Romanos 12.9-21 nos responde: com amor, com zelo, com alegria e choro e fazendo o bem. Em outras palavras,

 

"A liderança não se ganha mediante a promoção, mas através de muita oração e lágrimas. É obtida pela confissão de pecados, pela sondagem cuidadosa do coração, pela humildade diante de Deus, pela auto-entrega, pelo corajoso sacrifício de cada ídolo, pela tomada audaciosa, decidida, incondicional, sem reclamações, da cruz, e pela contemplação incessante, eterna, de Jesus crucificado. A liderança não é ganha mediante a procura de grandes coisas para nós mesmos, mas, antes, como Paulo, mediante o considerar daquilo que é ganho, para nós, como perda, por causa de Cristo. Eis o grande preço a ser pago sem qualquer hesitação, por todo aquele que não deseja ser apenas um líder, mas um verdadeiro líder espiritual de homens, líder cujo poder é reconhecido e sentido no céu, na terra, e até mesmo no inferno".[4]

 

 

"Que o Senhor seja com o teu espírito" (II Tm 4.22).

 

Bispo Josué Adam Lazier

Ministério Tu, porém

 



[1] Para aprofundar esta reflexão ver nossa publicação: Lazier, Josué Adam. Reaviva o dom - discipulando líderes. São Paulo. Editora Cedro. 2006.

[2] HINSON, William J. A dinâmica do pensamento de Wesley. São Paulo, Imprensa Metodista, 1997, p.49.

[3] STOTT, John. A Mensagem de I Timóteo e Tito. São Paulo, ABU, 2004, p.123.

[4] Citado em SANDERS, Oswald J. Liderança espiritual. São Paulo, Editora Mundo Cristão, 1985, p.13.


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães