Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Xenofobia

Brasileira agredida na Suíça é internada novamente

da Agência Brasil
da Folha Online

A advogada brasileira Paula Oliveira, 26 anos, que na última segunda-feira (9) foi agredida por supostos skinheads na Suíça, precisou ser internada novamente no fim da tarde desta quinta-feira, segundo informações do tio dela, Sílvio Oliveira. Ele mora em Recife (PE) e acompanha o caso por telefone.

   

A advogada Paula Oliveira, 26, perdeu gravidez de gêmeos após ser atacada por neonazistas nos arredores de Zurique, Suíça

A informação foi repassada ao tio pelo pai da advogada, Paulo Oliveira, que está na Suíça com a filha. Ele disse que ainda não tem detalhes sobre os motivos que levaram Paula a retornar ao Hospital Universitário de Zurique, o mesmo que a atendeu depois da jovem ter sido espancada e ter tido o corpo retalhado por estilete.

Grávida de três meses de gêmeas, Paula sofreu aborto na mesma noite, quando foi socorrida e internada. A agressão foi cometida por três homens brancos e carecas que pareciam skinheads.

Hoje, pela manhã, de acordo com o tio da advogada, Paula foi ao hospital para tomar uma medicação para prevenir doenças infecciosas --que podem ser causadas pelos cortes de estilete. "Ela já estava de alta, após a medicação, Paula voltou para casa. Mas no fim da tarde precisou ser internada novamente", disse o tio.

Em seu corpo, havia marcas da sigla SVP (Partido do Povo Suíço) --também conhecido como UDC (União Democrática do Centro)-- que defende políticas anti-imigrantes consideradas racistas pela oposição.

O partido, no entanto, negou qualquer ligação com as agressões contra a brasileira Paula Oliveira. "Se realmente ocorreu o que a brasileira contou trata-se de um crime terrível e os criminosos devem ser punidos" afirmou Alain Hauert, assessor do partido, ao site de notícias Swissinfo.

Ao site de notícias sobre a Suíça o assessor de imprensa disse ainda que o partido é contra qualquer forma de xenofobia e violência contra estrangeiros. "A UDC defende claramente a segurança e pleiteia que criminosos devam ser sempre penalizados. As leis valem para todos", disse.

Xenofobia

O ministro Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou nesta quinta-feira haver uma "aparência evidente" de xenofobia na agressão a brasileira.

"Nós não podemos fazer nenhum prejulgamento mesmo porque a investigação tem de ocorrer, mas há uma aparência evidente de xenofobia. A moça não foi assaltada, aparentemente não houve estupro. Não que essas outras coisas diminuíssem o caso, apenas denotam outra motivação. Se ficar provado que tem relação com xenofobia é mais grave ainda", afirmou o ministro.

Amorim disse que aguarda ainda nesta quinta-feira informações mais detalhadas sobre o que ocorreu com a advogada.

Passeata

Na internet, grupos de brasileiros que moram na Suíça organizam uma passeata neste final de semana em protesto contra as agressões. A mobilização está sendo organizada por membros de ao menos três comunidades do site de relacionamento Orkut.

Nas comunidades, outros brasileiros relatam terem sofrido agressões por supostos skinheads no país. Hoje, o ministro das relações exteriores Celso Amorim diz ter visto "evidente xenofobia" na agressão à brasileira.

A ideia dos brasileiros é realizar a passeata no domingo, saindo do Palácio da Justiça de Zurique, e percorrer algumas das principais ruas da cidade com cartazes e faixas de protesto. O horário do protesto ainda não foi definido.

 


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Dia Nacional dos Povos Indígenas

A Igreja Metodista destaca hoje a Pastora Indigenista

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães