Publicado por José Geraldo Magalhães em Educação | 06/03/2015 às 14:30:16


Instituições Educacionais Metodistas promovem ação especial para o Dia Mundial de Oração e Dia Internacional da Mulher


Os próximos dias serão especiais: Hoje, dia 6 de março, comemora-se o Dia Mundial de Oração; já no domingo é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Para marcar as datas, as Instituições Educacionais Metodistas prepararam uma ação inovadora: todos os alunos receberão marcadores de página com imagens e versículos relativos às datas.
 
A ação faz parte do Projeto Confessionalidade, que visa reforçar os valores éticos cristãos metodistas, transmitindo estes princípios por meio de datas especiais do calendário litúrgico cristão, levando aos alunos mais conhecimento sobre o Metodismo e incentivando a prática da oração e uma vida baseada no evangelho de Jesus Cristo.
 
 
 
Dia Mundial da Oração
 
O Dia Mundial da Oração é um movimento que reúne mulheres cristãs, de muitas tradições, em todo o mundo, para observar um dia comum de oração por ano. Em muitos países, esse contato tem continuidade em reuniões de oração e trabalho.
 
É um movimento iniciado por mulheres e realizado em mais de 170 países e regiões, simbolizado por uma celebração anual – primeira sexta-feira de março – a qual todos são bem-vindos, que aproxima mulheres de várias raças, culturas e tradições, estreitando, relacionamento, compreensão e trabalho. Por meio do Dia Mundial da Oração, mulheres de todo o mundo afirmam sua fé em Jesus Cristo; compartilham suas esperanças e temores, alegrias e tristezas, oportunidades e necessidades.
E são encorajadas:
 
a se conscientizarem do que acontece no mundo e a não viverem isoladamente;
a se enriquecerem com experiências de fé vividas por cristãos de outros países;
a levarem as cargas de outras pessoas, orando com e por elas;
a reconhecerem seus dons e talentos e usá-los em benefício da comunidade;
a reconhecem que a Oração e a Ação são inseparáveis e que ambas tem incontestável influência no mundo, unindo todos em torno da Oração com Informação.
Em 1926, as mulheres da América do Norte distribuíram a liturgia do culto para muitos países e a resposta, a nível mundial, foi recebida com grande entusiasmo. Em 1961, Ottília de O. Chaves e Dina Rizzi, metodistas, Júnia Machado, presbiteriana, e Olga R. T. Nogueira, episcopal, participam do “Jubileu de Diamante” do Dia Mundial da Oração.
 
Em 1986, é eleita Alice G. Labaki, metodista, que teve a oportunidade de celebrar o Centenário do Dia Mundial de Oração em 1987 com uma liturgia especial vinda do Comitê Internacional e celebrar o Jubileu de Ouro do Dia Mundial de Oração no Brasil realizando o culto em março de 1988 sob o tema, “Portas Abertas”, escrito por mulheres brasileiras.
 
O culto anual é celebrado no Brasil, em português, espanhol, inglês, alemão, japonês, chinês, ucraniano, árabe e polonês, e em cerca de 1.150 pontos do nosso país. A cada ano, o DMO tende a abranger maior número de igrejas cristãs e algumas delas já tem essa celebração oficializada em seu calendário litúrgico anual.
 
Várias entidades assistenciais, anualmente, têm sido beneficiadas com as ofertas de gratidão levantadas nas celebrações. Nesses encontros, são usados programas elaborados, a cada ano, por mulheres de países diferentes.
 
Neste ano de 2015, o programa ficou a cargo das mulheres das Bahamas, com o tema: Jesus disse: Vocês entenderam o que eu fiz? João 13.1
 
Para receber o caderno de liturgia proposta para este ano, acesse: www.dmoracao.com
 
Que neste dia possamos dedicar um minuto, uma hora, ou o dia todo, conforme a possibilidade, para orarmos pela humanidade e para agradecermos pelo dom da vida.
 
 
 
Dia Internacional da Mulher
 
O Dia Internacional da Mulher – 8 de Março – é um dia para lembrar e honrar as conquistas sociais, políticas, econômicas e culturais das mulheres. A data faz referência às lutas femininas ocorridas na Europa, no final do século XIX, no protesto que ficou conhecido como Pão e Paz, no qual as mulheres reivindicavam melhores condições de vida, trabalho e o fim do trabalho infantil. Faz, também, referência ao que aconteceu nos Estados Unidos, durante a Revolução Industrial, quando 130 operárias foram mortas carbonizadas, como represália por suas demandas por melhores condições de trabalho e vida.
 
O primeiro Dia Internacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908. Mas somente em 1977 o dia 08 de maio, foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas. Este é um dia para refletir, mobilizar e colocar em pauta a discussão sobre os direitos, a discriminação, a violência física e moral, que muitas mulheres continuam a sofrer em todo o mundo.
 
No Brasil só em 1932 com a reforma da constituição é que nós mulheres passamos a ter direito ao voto e de sermos eleitas para cargos no executivo e legislativo. E até hoje existe uma representação desproporcional das mulheres nas esferas do poder.
 
Reforço a ideia de que neste dia devemos refletir sobre a condição da mulher na sociedade, em seus diferentes âmbitos. Trata-se de um dia para denunciar as injustiças contra a mulher e para fortalecer nossa consciência de justiça e cidadania.
 
A mulher sempre sofreu discriminações e violências. Tal situação atravessa séculos, com o ideal equivocado de que a mulher deve ser apenas esposa, mãe, cuidadora de casa e da família, etc. Sua importância na sociedade não era – e ainda não é – reconhecida em paridade com o papel e valorização do sexo masculino.
 
No campo do trabalho o que se vê é que a mulher, por mais brilhante que seja, não tem merecido o mesmo reconhecimento de mérito e a mesma remuneração que recebem os homens. Em Gênesis 1:26 e 27 encontramos o relato de que a mulher, também, foi criada a semelhança de Deus.
 
Jesus quebra esse preconceito muitas vezes quando, em diversos momentos, enaltece o valordas mulheres de seu tempo. Podemos citar, por exemplo, a mulher samaritana, Maria Madalena, Marta e Maria, dentre várias mulheres a quem Jesus acolheu e deu valor.
 
Muitas mulheres não têm consciência de seu papel na sociedade e se acomodam no que é instituído à elas. Mas a luta continua e as desigualdades devem ser mostradas para darem lugar a oportunidades e direitos iguais. Afinal, a mulher antes de mais nada é um ser humano, como já disse, criado a semelhança de Deus.
 
Deixar preconceitos de lado, assumir postura de igualdade entre os seres humanos não é nada fácil, não só em relação à mulher, mas também no que se refere à raça, à religião, etc.
 
Muito já se avançou na estrutura familiar, na inserção no mercado de trabalho, na participação da mulher, que é a maioria atualmente, nos cursos universitários
 
As mulheres estão presentes em todas as atividades, mesmo naquelas que eram somente direcionadas aos homens. As mulheres são em maior número chefes de família. Porém, a violência continua.
 
No Brasil podemos citar o nome de muitas mulheres à frente de seu tempo em várias áreas de atuação, como: Eugênia Moreira, jornalista; Rachel de Queiróz, escritora, Cora Coralina, poetisa, Maria da Penha, que lutou pela lei que leva seu nome, Zilda Arns, médica, Fernanda Montenegro, atriz; além das diversas Marias, que lutam diariamente por aquilo em que acreditam, pela sua liberdade de viver, plenamente, como encontramos no livro de João 10.10.
 
Muito se tem prá falar e discutir sobre a luta diária das mulheres. Desejamos que as conquistas alcançadas se solidifiquem e que as que estão sendo articuladas não fiquem esquecidas e que se concretizem.
 
Importante, sim, celebrar este dia de luta para que a sociedade coloque a mulher no lugar de igualdade com os homens, principalmente por ela ter sido feita à imagem e semelhança de Deus.
 
Com carinho
 
Profª   Nilza Mary Rosário
 
Pastoral do IMS
 
Fonte: Cogeime

Tags: Educação