Publicado por José Geraldo Magalhães em Expositor Cristão, Administração - 10/07/2014

Administração financeira na Igreja

Fonte: Eni Domingues / 
Presidente da Comissão Geral de Constituição e Justiça (CGCJ) da Igreja Metodista
 
Este artigo objetiva apresentar, de forma sintética, a importância de uma administração financeira sustentada em princípios legais, éticos e morais, que resultam na aplicação sábia dos recursos financeiros entregues para sustento da casa de Deus e investimento no Seu Reino.
 
Nem sempre a má fé é a causa de deficiências administrativas e financeiras nas igrejas. O despreparo e desconhecimento de líderes ou de quem ocupa cargos administrativos é gritante. Geralmente, e quando há, a estrutura administrativa é formada por pessoas bem quistas no meio da comunidade, o que não significa que são as mais preparadas para ocuparem lugares como representantes legais de uma igreja, resultando na necessidade de qualificar esses/as irmãos/ãs que se colocam à disposição para servir.
 
Não é possível falarmos de administração eficiente sem nos atentarmos para a aplicação de alguns princípios norteadores da administração pública, que entendo serem plenamente aplicáveis à vida da igreja. São eles: 
 
O Princípio da Legalidade segundo o qual o/a administrador/a não pode agir contra a lei ou além da lei, só podendo agir nos estritos limites da lei, vale dizer, que o/a administrador/a não é o/a dono/a da igreja, mas ele/a submete-se à ditames legais previamente estabelecidos e bem delineados nas nossas normas internas de administração;
 
O Princípio da Moralidade onde o/a administrador/a, ao agir, deverá decidir não só entre o legal e o ilegal, o conveniente e o inconveniente, o oportuno e o inoportuno, mas também entre o honesto e o desonesto, levando-se em conta o texto explicitado em Tiago 4.17 – Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado; 
 
O Princípio da Impessoalidade segundo o qual quem administra, deve fazê-lo visando o interesse comum, não sendo admitido o tratamento privilegiado aos/as amigos/as ou mesmo líderes e o tratamento diferenciado para aqueles que não lhe são gratos ou que não exercem nenhum tipo de liderança direta ou indireta. 
 
O Princípio da Publicidade que objetiva assegurar transparência na gestão, pois o/a administrador/a não é o/a dono/a dos recursos que ele/a cuida, sendo mero delegatário a gestão dos bens comuns, devendo possibilitar a todos o conhecimento pleno de suas condutas administrativas. É premente que quem administra tenha coragem de ser transparente e tenha um canal de comunicação aberto com a igreja, pois a transparência e a comunicação são indispensáveis nas instituições que levam a sério a administração, para que tudo seja tratado em concílio ou pelos órgãos que administram a igreja no seu interregno. Importante frisar que no pertinente à transparência, o controle é um fator relevante, pois permite checar se tudo está ocorrendo conforme o planejado e aprovado, além de apontar fraquezas e erros; 
 
O Princípio da Eficiência onde se espera em relação à forma de atuação do/a administrador/a que ele/a tenha o melhor desempenho possível em suas atribuições, a fim de obter melhores resultados e, quanto ao modo de organizar, estruturar e disciplinar, exige-se que seja o mais racional possível, no intuito de alcançar melhores resultados na execução de suas atividades. Para tal, quando falamos em planejamento, é necessário que as estratégias sejam consistentes com a realidade da igreja e traduzidas em planos de ação, que as consequências operacionais e financeiras desses planos, possam ser detalhadas para toda a comunidade e que os resultados possam ser monitorados pela igreja.
 
Concluindo, ressalto o exemplo de José no Egito (Gênesis 41. 37-52) que foi chamado para administrar um projeto que aparentemente era de Faraó. Porém, Deus o constitui administrador, visando modificar toda a história de um povo.
 
Na figura desse administrador, podemos identificar algumas características importantes para aqueles/as que são chamados/as para a missão. São elas: unção (v. 38), sabedoria (v. 39) autoridade (vs. 40/41), dedicação (v. 45), efi­ciência e eficácia (vs. 47/48) e reconhecimento da soberania de Deus (vs. 51/52). 
 

Posts relacionados

Expositor Cristão, por Sara de Paula

EC de dezembro: Natal, Deus conosco!

Trazer mais uma vez nas páginas do Expositor Cristão (EC) o verdadeiro significado do Natal (as edições mais recentes foram de agosto de 2012, setembro de 2013, novembro de 2017 e de 2018) é lembrar que o Verbo se fez carne e habitou entre nós! Deus se fez humano para salvar todo/a aquele/a que nEle crê (Jo 3.16). Não se trata de uma data. Natal significa comunhão com Cristo no cotidiano. 

Expositor Cristão, Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Conselho Editorial do Jornal Expositor Cristão se reúne em São Paulo

O Conselho Editorial do jornal Expositor Cristão se reuniu na Sede Nacional da Igreja Metodista, em São Paulo/SP, nessa quinta-feira, 4/12. O grupo contou com a presença do Bispo Adonias Pereira do Lago, presidente do Colégio Episcopal.

Administração, por José Geraldo Magalhães