Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

aids e igreja

"Chamo os líderes religiosos a pregar a tolerância", disse Ban Ki-moon no discurso de abertura da Conferência, reunida na Cidade do México de 3 a 8 de agosto. O fato de que pessoas que vivem com HIV sejam discriminadas "deveria encher a todos com vergonha", disse Cahn.

O médico argentino Pedro Cahn afirmou que "é tempo dos líderes de todo tipo - políticos, religiosos e comunitários - ajudarem para que estes grupos [de pessoas em situação de vulnerabilidade] deixem de estar à margem da sociedade e passem a estar no centro da resposta frente ao HIV". Para isso, agregou, é preciso lutar contra "a desigualdade de gênero, a homofobia e a pobreza que continuam conduzindo esta epidemia".

Cahn disse que "é tempo das nações assumirem os seus compromissos". Ele exigiu maior visibilidade para a América Latina e o Caribe, uma região onde cerca de dois milhões de pessoas vivem com HIV.

"Queria pedir em particular a todas as partes envolvidas que não se esqueçam da região da qual provenho e na qual esta conferência está tendo lugar: a América Latina e o Caribe também estão sofrendo as conseqüências da epidemia de Aids no contexto da pobreza e da marginalidade", disse.

A América Latina é a fonte de algumas das mais dinâmicas respostas à Aids, destacou Ban, "mas é também um lugar onde se apresentam alguns dos maiores desafios".

Embora seja alentador que mais pessoas tenham acesso à prevenção e ao tratamento do HIV em países de baixo e médio rendimentos, Ban sustentou que a maioria dos países terá "grandes dificuldades para atingir o objetivo do Milênio de deter e reverter a disseminação da AIDS até 2015".

Na avaliação de Cahn, o estigma e a discriminação representam barreiras que impedem deter a pandemia. "É tempo de desafiar a tirania da ignorância e da negação", sustentou.
------------------------
Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC)

Comunidades de fé devem ações no combate à Aids

As religiões poderiam fazer mais em resposta à pandemia de Aids? Para abordar esta questão mais de 450 representantes de organizações religiosas empenhadas em responder aos desafios do HIV e Aids estarão reunidos na Cidade do México, de 31 de julho e 2 de agosto, antecipando os debates da XVII Conferência Internacional sobre Aids.

ALC/CMI
Genebra, quarta-feira, 30 de julho de 2008

"Não é possível solucionar a crise global do HIV e Aids sem a participação ativa das comunidades de fé", disse o encarregado do programa de saúde do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Dr. Manoj Kurian. "Ainda que as igrejas e outras comunidades de fé ao redor do mundo estejam realizando uma contribuição crítica à superação da pandemia, requer-se de nós muito mais ação, uma ação em concordância com os ensinamentos e valores que nos guiam", enfatizou.

Líderes religiosos, da sociedade civil e do âmbito governamental falarão durante a Pré-Conferência Ecumênica, dentre eles o embaixador holandês para a luta contra a Aids, Paul Bekker; o presidente da Federação Luterana Mundial e presidente da Igreja Evangélica Luterana na América, bispo Mark Hanson; o presidente da Comissão Social da Igreja Católica no México, monsenhor Gustavo Rodríguez; a diretora executiva da iniciativa sobre HIV e Aids da Igreja Saddleback, dos Estados Unidos, Kay Warren; o vice-presidente adjunto da Fundação Ford, Jacob Gayle; a representante da Rede Africana de Líderes Religiosos Vivendo com ou Afetados Pessoalmente pelo HIV e Aids (ANERELA+), pastora Patrícia Sawo; o diretor executivo adjunto do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Purnima Mane.

"Os grupos religiosos desempenham um papel central em muitas das áreas de resposta a Aids", assinalou Linda Hartke, coordenadora da Aliança Ecumênica de Ação Mundial (Ecumenical Advocacy Alliance), entidade que liderou a organização da Pré-Conferência Ecumênica. "Esperamos que os participantes estejam inspirados, re-energizados e desafiados a expandir e fortalecer nossos esforços", agregou.

As sessões plenárias agendadas para os três dias da Pré-Conferência enfocarão os obstáculos e oportunidades para atingir a meta de acesso universal à prevenção, cuidado e tratamento da Aids. As sessões incluirão temas como liderança, prevenção, violência, vulnerabilidade das crianças, estigma e discriminação.

"Tenho a expectativa de que a Pré-Conferência Ecumênica seja uma oportunidade para escutar àqueles que nas comunidades de fé lutam para conseguir um impacto real", disse a coordenadora no CMI da Iniciativa Ecumênica sobre HIV e Aids na África, pastora Nyambura Njoroge. "Espero que os líderes religiosos e aqueles que têm o poder de tomar as decisões no mundo escutem o crescente número de vozes proféticas, vozes que surgem do centro da tormenta chamada HIV e Aids", afirmou.

Realizada pela primeira vez na América Latina, a XVII Conferência Internacional sobre AIDS ocorrerá na Cidade do México, de 2 a 8 de agosto, e corresponde ao maior evento dedicado a um só tema de saúde. 

Conhecida como "AIDS 2008", a Conferência reunirá cerca de 25 mil participantes das comunidades acadêmica, científica e médica, bem como do setor privado, do governo, das organizações religiosas e da sociedade civil, membros de redes de pessoas soropositivas. Mais de 33 milhões de pessoas em todo mundo vivem com o HIV. O tema do Congresso 2008 é "Ação Universal Já!"

VEJA TAMBÉM: Um leigo anglicano na Conferência sobre Aids


.


Posts relacionados

Geral, Escola Dominical, por Sara de Paula

Liturgia para o Dia das Crianças 2021

Esta liturgia foi preparada para ser dirigida pelas crianças de sua comunidade. Por isso, sugerimos que organize as leituras e cânticos com as crianças de forma que todas elas participem de cada momento do culto. 

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães