Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 24/10/2011

Cristãos se únem para celebrar os 494 anos da Reforma Protestante

Cristãos se únem para celebrar os 494 anos da Reforma Protestante na Quinta Região Eclesiástica da Igreja Metodista. Leia o texto enviado a redação do Espositor pelo pastor Zé do Egito.

"Aconteceu na Igreja Presbiteriana Jardim Tatiane o 4° culto alusivo aos 494 anos da Reforma Protestante. A exemplo do que ocorreu no dia 1º, primeiro sábado de outubro, na IMEFAS - Igreja Metodista em Fátima do sul, na Igreja Presbiteriana Central e na Igreja do Evangelho Quadrangular, cristãos evangélicos/protestantes se reuniram para adorar a Deus dando – lhe graças pelos 494 anos da Reforma Protestante. O templo da Igreja Presbiteriana estava repleto, com pastores e leigos das Igrejas: Presbiteriana do Brasil, Presbiteriana Independente, Igreja Metodista Igreja Luterana, Igreja do Evangelho Quadrangular e Igreja Pentecostal Deus é a Verdade.

O pregador da noite foi o pastor José do Carmo da Silva, o Zé do Egito, o qual pregou o sermão, a Salvação Pela fé em Cristo - Texto base At. 16; versículos 19 a 31 - Tema do sermão – “O contexto religioso da Reforma e Igreja Reformada, sempre reformanda.”. Veja abaixo um trecho da mensagem:

“Estamos nos aproximando do dia 31 de outubro, data que marca os 494 anos da Reforma Protestante. Evento que mudou a História da Igreja e da Sociedade Ocidental.  Hoje estamos reunidos aqui para cutuarmos a Deus prestando a ele ações de graças pelas vidas de homens tais como: John Wycliff, John Huss, Jerônimo Savonarola e William Tyndale, homens conhecidos como pré –reformadores. Os quais antecederam a Martinho Lutero na busca pela restauração da centralidade das Escrituras na Idade Média, período conhecido como idade das trevas, na qual imperava o obscurantismo religioso.

Mas quem sabe algumas pessoas aqui estejam se perguntando: por qual razão em um culto celebrativo da Reforma o pastor José do Egito usa como base de seu sermão um texto como At. 16 de 29 a 31 e não Romanos 1.17, o qual foi o texto que inspirou Martinho Lutero enquanto lia a Bíblia na torre?

Diante de suas indagações respondo: As razões de eu ter escolhido esse texto que retrata a conversão do carcereiro de Filipos  são baseadas em duas citações de Lucas.
1º - Lucas diz que o carcereiro pediu luz: - Versículo 29.

Aplicando isso ao contexto da Reforma podemos dizer que o povo buscava uma luz, o povo vivia em busca de salvação, queria algo que o tirasse das trevas. Diante dos problemas da vida caminhavam tateando no escuro em meio a um sistema religioso que não oferecia  a verdadeira Luz que vindo ao mundo ilumina a todos os homens.
2º - Lucas diz que, o carcereiro pergunta aos apóstolos o que deveria fazer para ser salvo.

No contexto religioso de 1517 as pessoas andavam em busca de respostas sobre seu destino final. Estavam preocupadas com o porvir, com o que lhes ocorreria ao findar o labor dessa vida, quando a morte lhes visitassem. Contudo, dificilmente as pessoas ouviriam a resposta que os Apostolos, fundamento da Igreja Cristã, lhes deram: “Crê no Senhor Jesus e serás Salvo, tu e tua casa.”

No conturbado ambiente religioso do século XVI, a resposta que sairia da boca de um padre, bispo, ou outro religioso provavelmente seria: visite as relíquias expostas em determinada igreja, prostre se orando o terço, diante do recipiente que contém gotas do leite da bem aventurada Virgem Maria; reze o terço completo diante da cabeça de São João Batista exposta na catedral que leva o nome do profeta (dizem que havia quatro cabeças as quais diziam ser de João Batista).

Prostre-se frente aos pregos e pedaços da cruz de Cristo e reze uma novena às chagas do Salvador. (dizem que havia tantos pedaços da cruz e tantos pregos que daria para construir um navio). Faça uma peregrinarão até a catedral onde estas expostas penas da pomba a qual o Espírito Santo em forma corpórea desceu sobre Jesus por ocasião de seu batismo. Isso tudo se somando a um certificado de indulgências assinado por Leão X, o qual era vendido por João Tetzel, o qual dizia: "Quando a moeda cai no fundo da salva (saco de coleta) a alma salta do purgatório para o céu, completamente salva".

Esse era o sistema religioso no contexto que eclodiu a Reforma Protestante, possivelmente, o povo tremulo a semelhança do carcereiro de Filipos, dificilmente ouviria que, bastava crer no Senhor Jesus para ser salvo. O desejo de salvação, de ser aceito por DEUS o qual era apresentado como irado e cruel, tornou-se uma fonte de renda a qual gerava lucro financeiro para a Igreja através das vendas de indulgências, que garantiam o livramento das chamas do purgatório aos já mortos, e o céu aos vivos, ou a ambos, mortos e vivos, desde que a indulgência fosse plena. O povo comprava o perdão de seus pecados, pagava em dinheiro e através de visitas a locais de romarias.

Mas, se ao comemorarmos 494 anos da Reforma sem olharmos para a atual realidade da Igreja evangélico/protestante e alguns grupos que demonstram não estarem comprometidos com os cinco pontos da Reforma; Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fide, Sola Christus, Soli Deo Gloria, não formos capazes de uma auto-analise estaremos sendo meros saudosistas. Pois, inegávelmente necessitamos de um Retorno as Escrituras, uma vez que a despeito do que pregou Lutero, atualmente “neoprotestantes” usam a Bíblia, manipulam e torcem as Escrituras para venderem lenços, toalhas e meias ungidas, martelos da justiça, usam sal grosso, rosa ungida, água benta, praticam constantemente a “bibliomancia ” a fim de saber seu futuro, acrescentam numerologia a Bíblia prometendo unção extra a quem der ofertas com valores estipulados.

A Igreja Reformada só será reformanda como afirmou o teólogo holandês Gisbertus Voetius (1589-1676), durante o Sínodo de Dort (1618-1619) se for capaz de uma auto-critica e um retorno a sua fonte, a Bíblia Sagrada, a qual afirma que pela graça “ao Senhor pertence a salvação”( Jonas 2.9)”
 
Ao termino do sermão Pastor Zé do Egito convidou os pastores e missionários/as a irem à frente. E declarou: “esta sobre o/a pastor/a, a responsabilidade de ensinar a Palavra de Deus, pois se o povo padece por falta de conhecimento é por muitas vezes os líderes omitirem a verdade das Escrituras frente aos ensinos mercantilistas que entram no lar de nossas ovelhas, se não tivermos nossas consciências cativas a Palavra de Deus não poderemos responder ao povo que sedento pede uma luz e pergunta o que deve fazer para ser salvo. Só podemos responder: crê no Senhor Jesus e serás salvo, se assim como Lutero tivermos nossas consciências cativas pela graça á Palavra de Deus, a qual em nossos corações produz a fé, nos levando a Cristo através do qual a Deus rendemos toda glória. Vamos nos penitenciar agora, pedindo perdão a Deus pelas vezes que fomos omissos no ensino da verdade Bíblica e do verdadeiro caminho da salvação.”

O Encerramento do mês da Reforma será dia 29 de outubro com um grande culto público na orla do Parque Aquático, onde serão distribuídos 300 Bíblias como símbolo maior da Reforma, e sorteado uma Bíblia de Estudo. A organização do culto de encerramento esta sob a responsabilidade da Igreja Luterana de Fátima do Sul, mas contara com a participação de cor ais, bandas e ministérios de louvor de outras denominações.

SÓ A DEUS A GLÓRIA."


Posts relacionados

Geral, por Comunicação

Aniversariante do Dia 31/01

  Bispo Adriel de Souza Maia

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães