Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

estudo bíblico Josué

"Venha, faça para nós deuses que nos conduzam..." (Ex 32.1b)

Moisés estava a 40 dias no monte Sinai e não descia... "Ora, façamos nós mesmos os nossos deuses e sigamos em frente!". Pensaram os hebreus impacientes. Podemos considerá-los um povo tolo. Mas ainda assim, buscamos também durante nossas vidas o nosso "bezerro de ouro", que vai, através de sua imagem aparentemente brilhante, nos guiar em nossa trajetória de vida. O que queremos encontrar para nos conduzir? Um ídolo ou a Deus? Na verdade, continuaremos a viver normalmente com qualquer um dos dois. Mas antes é bom fazermos a distinção entre ídolos e Deus:

1) Ídolos: Falsas e falhas imagens de Deus.
Os hebreus fizeram algo que nós fazemos constantemente e não percebemos: Queriam algo em que mirassem os olhos e pudessem dizer "Estão vendo! Este é o nosso deus e é feito de ouro puro doado por nós mesmos!" Ídolos não criam, são criados! Quando se busca um ídolo, o adorador enxerga apenas a perfeição do momento: beleza, voz, carisma, a ideologia...O ouro para criar um ídolo adquire várias formas, de acordo, com o gosto de cada um. Um ídolo é o que motiva seu seguidor a viver. Porém, ídolo não dá vida, pois ele é inerte, é fruto da projeção humana, do querer "ser igual ao ídolo" e isso provoca todo esse fervor de emoções. Porque um ídolo requer "sacrifícios" e não pode oferecer nada em troca...pois não tem como oferecer. Um ídolo mais do que adorado é bajulado, é objeto de "paixão"...necessita da submissão e de pessoas que o sigam cegamente.

Os hebreus libertos, como nós cristãos libertos...não queria tão somente a ação de um Deus invisível, queriam mais. Os outros povos tinham seus deuses, que na verdade eram ídolos, e eles podiam ver, tocar...ainda que nada fizessem esses deuses...eram belos, alguns eram a reprodução perfeita do ser humano, outros eram uma simbiose entre seres humanos e animais, provocando uma visão aterradora e ao mesmo tempo atraente. Podemos dizer com toda certeza que na verdade esses ídolos eram a representação da personalidade humana, o desejo da imortalidade, do poder, da beleza...os ídolos, os deuses eram nada mais do que "eu queria ser assim!" Por isso os ídolos são tão perigosos, em toda a esfera da vida...ídolos são criados quando o ser humano materializa a sua insatisfação consigo mesmo. Passa a sua auto-estima para a imagem que ele gostaria de ser. Por isso o panteão de deuses gregos, egípcios, escandinavos e outros era tão diversificados...as pessoas adotavam o deus que lhe eram mais simpáticos, ou seja, o que mais se aproximava de seu ideal de ser.

Os ídolos não são apenas imagens esculpidas ou pessoas, mas também podem se manifestar com outros aspectos: ideologia (capitalistas, comunistas, ecologistas), dogmas (sacramentais, legislativos, sociais) ou até mesmo a própria pessoa...os egocêntricos são os mais fieis adoradores de ídolos...porque seu ídolo (ele mesmo) está sempre em primeiro lugar em todos os momentos de sua vida. Tudo que venha a tomar o lugar da dignidade e preservação da vida é uma forma de cultivar ídolos. Tudo que tome a prioridade da solidariedade e despeje opressão, ansiedade ou egoísmo é uma forma de ídolo... Todos que pensam apenas em si mesmo e em seu próprio beneficio criam seu ídolo de ouro...seu rei...seu deus. Mas a verdade é que, não precisamos de um bezerro de ouro, não precisamos criar nossos ídolos...Nós temos um Deus verdadeiro...

2) Deus: A verdade libertadora.
A manifestação divina e verdadeira já nos foi apresentada, não a vemos, não tocamos...não deixou fotos, desenhos, não deixou nada escrito...justamente porque sabia dessa "necessidade" humana de ídolos...o Deus que se mostrou a nós, revelou a verdadeira manifestação do divino, não pela aparência, mas pela essência interior...não pelo toque, mas pelo sentir...Gosto de um aspecto do Judaísmo em que nem mesmo o nome de Deus pode ser pronunciado. "Não farás para ti imagens..." Também nomes são imagens, são ídolos...Deus quer tirar o véu e lá revelar não a imagem esculpida de um corpo perfeito ou de um ser assombroso, mas sim encontrar o seu próprio coração.
Deus não se mostra a nós como uma imagem visível, mas quer que vejamos o mundo e as pessoas através dEle...realmente Deus não quer que o vejamos, mas nos convida para vermos com Ele. Os hebreus queriam, através do ouro doado por eles, moldar a deus. Porém, Deus não é moldado, não é criado...Deus é eternidade. Quando Deus quis se mostrar ao mundo, o fez de forma frágil, humana...

Os ídolos são aspectos humanos que tentam a divinização. O Deus verdadeiro fez o caminho reverso, foi a divindade única, verdadeira e absoluta que se dignou a ser humano. O corpo de Deus é o Espírito gracioso, capaz de sorrir, capaz de gerar e de morrer de amor. Nenhum ídolo é capaz disso, nem mesmo o meu próprio eu, porque a morte assusta e nos lembra o que somos...muitos homens e mulheres são adorados e são postos como deuses...humanos divinizados! Prefiro estar com o meu Deus humanizado...esse Deus que tem o conhecimento de saber de mim e de meus limites.
O Deus verdadeiro, é o Deus crucificado, sacrificado, Deus de redenção, lágrimas, Deus que chora...Deus vítima...Deus que nos enche de esperança e não de ilusão...O Deus que acredito, nos diz muitas vezes: "É necessário esperar!" É o Deus que na mensagem da ressurreição revela: "Em esperança somos salvos. Mas esperança não se vê, se guarda..." A humanidade de Deus nos incomoda...Queremos ser deuses, ter deuses e Deus tornou-se homem! Através de Jesus de Nazaré, Deus mostrou do que Ele é feito. Querem saber do que Deus é feito? Como Deus é? Jesus respondeu com sua vida: Deus é amor!

3) Conclusão:
Outro dia, em uma conversa com um pastor, ele me dizia algo que me fez pensar muito. Ele disse: "O ser humano busca mais reputação do que dignidade!" E cheguei a conclusão que isso é o que moveu o povo hebreu naquele momento e nos move muitas vezes...ter uma boa reputação é uma forma de idolatria, mas para manter esse "ídolo" chamado reputação é preciso algumas vezes sacrificar a dignidade. Todo "ídolo" tem uma reputação a zelar e faz qualquer coisa para mantê-la. Que diferença para o Deus verdadeiro! Deus coloca a dignidade acima da reputação! E mais: coloca a minha dignidade, a sua, acima de sua própria dignidade. Por isso, não faça do Deus verdadeiro um ídolo...Ele é Deus e não há definição para isso...é Amor e não somente paixão...Deus precisa que o amemos e não que o idolatremos ou simplesmente nos apaixonemos.
Como eu disse, você pode caminhar e continuar vivendo seguindo a um ídolo qualquer, seja ele qual for. Mas trago aqui as palavras de Josué ao povo hebreu diante da renovação da aliança. Ele, Josué, a frente do povo falou:

Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade; e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais além do rio e no Egito, e servi ao Senhor. Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais;
porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.

Que seja essa sempre a nossa escolha!

Assim seja!

Antônio Carlos Soares dos Santos, pastor IM Altamira




Posts relacionados

Expositor Cristão, Destaques Nacionais, Mídia, Geral, por José Geraldo Magalhães

Expositor Cristão terá 30 mil exemplares em junho

Jornal também vai ganhar novo visual e melhor distribuição pelo Brasil

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães