Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 04/04/2012

Estudo bíblico: Páscoa e seu significado

Veja material de apoio para celebrar a Páscoa em sua Igreja no site da Escola Dominical!

I. O nome, Páscoa, e seu significado

Na Bíblia Hebraica, a palavra pesah, páscoa, é usada para significar:

A. mancar, coxear.
B. saltar sobre.
C. A vítima do sacrifício, isto é, o cordeiro pascal.

Farás o sacrifício da Páscoa (...) Dt 16,2; conforme versos 5 e 6.

 

II. O uso do verbo pesah, coxear, saltar, na história bíblica


Não há muitas ocorrências no AT e no NT do verbo pesah, porém é muito significativo o seu uso.

A. O verbo pesah com o sentido de coxear, mancar

Então, Elias se chegou a todo povo, e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; se é Baal, segui-o.
Porém o povo nada lhe respondeu (1Rs 18,21).

B. O verbo pesah com o sentido de saltar.
No relato da Páscoa, o verbo pesahé usado com o sentido de saltar,para proteger as casas dos hebreus, da ação do destruidor.

E Javé passará para ferir os egípcios. E quando vir o sangue sobre a travessa da porta, e sobre ambas ombreiras. E Javé saltará sobre a porta, e não permitirá ao destruidor entrar em vossas casas para ferir (Ex 12,23).

E vós dizeis: Esta páscoa é para Javé que saltou sobre as casas dos filhos de Israel, no Egito, quando feriu os egípcios, e livrou nossas casas. E o povo a ajoelhou-se(Ex 12,27).

E o sangue será para vós por sinal sobre as casas que estiverdes lá: quando eu vir o sangue, e eu saltarei sobre vós, e não haverá convosco praga pelo destruidor, quando eu ferir na terra do Egito (Ex 12,13).

 

III. Tentando interpretar o sentido do verbo pesah, coxear e saltar

Os profetas, autênticos e incansáveis proclamadores e intérpretes da palavra de Deus para o povo usaram esta divergência – coxear e saltar – para aprofundar o sentido da ação salvadora de Deus.

Primeiramente, vamos tomar uma reportagem inserida na história de Elias. Tomaram o novilho que lhes fora dado, preparam-no e invocaram o nome de Baal, desde a manhã até ao meio dia, dizendo: Ah! Baal, responde-nos! Porém não havia uma voz que respondesse; e, manquejando, se movimentavam ao redor do altar que tinham feito (IRs 18,26).

O autor da história de Reis usou o sentido de coxear para afirmar a presença salvadora e protetora de Deus no confronto com os profetas de Baal. Ele quer afirmar que os profetas de Baal coxeiam, mancam, e não encontram a resposta para os seus clamores.

Ao afirmar isso, o texto bíblico quer assegurar que Javé não manca com os seus seguidores, mas Ele salta para salvar e proteger o povo. A continuação da história atesta esta verdade.

De modo intencional, o deuteronomista sutilmente ridiculariza os profetas de Baal. Só Javé responde aos pedidos de seus fiéis, e Javé não coxeia e não manca com aqueles que gritam, pedindo sua ajuda.


Em segundo lugar, apesar de parecer que o significado de pesah, coxear e saltar, seja divergente, o profeta Isaías soube como conciliar o que, até então, era inconciliável: coxear e saltar.

(...) Sede fortes,
Não temais!
Eis que vosso Deus vem para vingar-vos,
trazendo a recompensa divina.
Ele vem para vos salvar.
Então se abrirão os olhos dos cegos,
e os ouvidos dos surdos se desobstruirão.
Então o coxo saltará como o cervo,
e a língua do mudo cantará canções alegres,
porque a água jorrará no deserto.
e rios da estepe.
A terra seca se transformará em brejo,
e a terra árida em mananciais de água... (Is 35,4-7)


O profeta Isaías, no propósito reagir contra qualquer aliança com os povos vizinhos, afirma que a proteção de Javé é suficiente para o povo de Deus. O profeta aproveita esta aparente divergência para afirmar o milagre de Javé na história: Ele transforma os oprimidos em pessoas libertas; Ele concede forças ao que não têm nenhum vigor. Assim, Isaías aprofundou mais a noção do verbo pasahcomo saltar para a salvação.

Javé dos Exércitos protegerá Jerusalém,
Ele protegerá e libertará,
Ele saltará sobre e salvará(Is 31,5)

O profeta Isaías, no propósito reagir contra qualquer aliança com os povos vizinhos, afirma que a proteção de Javé é suficiente para o povo de Deus. O verbo pesah é usado, por Isaías, para caracterizar o milagre da proteção, libertação e salvação de Javé sobre o povo bíblico, diante da Assíria, a maior potência política do oitavo século antes de Cristo.

 

III. O sentido de pesah no Novo Testamento

A língua grega não contempla a teologia da mesma forma que a língua hebraica. O substantivo páscoa segue a mesma grafia, e a palavra coxo escreve de forma diferente: é xwlos. Porém, a relação hebraica dos verbos coxear, mancar com pular, saltar seguem o mesmo sentido usado pelo profeta Isaías. Nos dias de Jesus, o Novo Testamento reporta, em diferentes ocasiões, o encontro de Jesus com pessoas portadoras de deficiência física. A atitude de Jesus nunca foi de explicar essa deficiência com o argumento da maldição hereditária. Diante do coxo, Jesus procurava devolver-lhe a saúde física, incluindo-os na sociedade, bem como nas festas religiosas. A cura de um coxo é, para Jesus, anúncio do Reino de Deus, tal como o profeta Isaías anunciara muitos séculos antes.

Ao dares um almoço ou jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem os vizinhos ricos; para que não te convidem por sua vez e te retribuam do mesmo modo. Pelo contrário, quando deres uma festa, estropiados, coxos, cegos; feliz serás, então, porque eles não têm com que te retribuir. Serás, porém, recompensado na ressurreição dos justos (Lc 14,12-14).


Atos dos Apóstolos relata a cura de coxo (At 3,1-10). O contexto dessa cura está no esforço dos apóstolos Pedro e João de continuarem sinalizando a presença de Jesus, mesmo após a sua morte e ressurreição.

E tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente os seus pés e artelhos se firmaram; de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no Templo, saltando e louvando a Deus(At 3,7-8).

É sugestivo observar que o duplo significado hebraico do verbo pesah está presente nestes textos. Eles tentam afirmar o milagre de Deus que transforma a impossibilidade do coxo na possibilidade da ação de Deus, protegendo e salvando.

Rev. Tércio Machado Siqueira
professor da Faculdade de Teologia da Universidade Metodista de São Paulo - UMESP

Veja material de apoio para celebrar a Páscoa em sua Igreja no site da Escola Dominical!


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães