Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 10/04/2013

Mensagem especial para os pastores e pastoras da Igreja Metodista

Amadas pastoras e queridos pastores,
Graça e Paz!

“... Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá. Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério. Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”. 1 Timóteo 4:12-16

Temos a honra de celebrar mais um dia da Pastora e do Pastor! Que benção, pois indica que estamos ativos no pastoreio, independente de onde estamos geograficamente servindo a Deus e a Igreja Metodista.

O ministério que tivemos o grande privilégio de receber de Deus visa duas práticas constantes e fundamentais, as quais não podemos nos esquecer jamais; segundo Wesley “visa à Gloria de Deus e à Salvação de Vidas”.

O pano de fundo de nosso ministério, o que o alicerça, foi o encontro pessoal que tivemos com Jesus Cristo, culminando em nossa salvação pela graça mediante a fé. Experiência extraordinária, pois foi a manifestação pratica do grande e caro amor de Deus por nossas vidas, nos dando redenção e nos possibilitando ser discípulas e discípulos nos caminhos da missão.

Não tem como ocultar o privilégio do chamado para o ministério pastoral, momento sublime, marcante e muito relevante em nossa caminhada de fé. Sem tal convicção mais difícil se torna o ministério, para não dizer quase impossível. No ministério encontramos lutas, tribulações, angustias, contradições, paradoxos e outras realidades que não estamos isentos. Daí a importância de ter marcas que confirmam o chamado e revelam que alem de sermos de Deus, possuímos marcas de seu caráter em nossas vidas e ações pastorais.

Ser pastora e pastor tem como marca fundamental a vivencia do amor para com o próximo, ovelhas e não ovelhas, mais do que dos demais de nossa comunidade. Ter compaixão passa ser motivação real para avançarmos na direção dos outros com algo bom e profundo para ministrar em nome de Deus. Quem ama e tem compaixão não consegue ficar inerte diante dos outros, por isto se responsabiliza e leva muito a serio a grande obra que lhe foi confiada.

Wesley diz:“Quanto ao seu oficio, o que faz ser um ministro do Evangelho, um pastor de almas, se não a completa dedicação a Deus, a abstenção, com todo cuidado e diligencia, de toda má palavra e obra, de toda aparência de pecado? Não deve sua vidas estar de acordo com o chamado a ser exemplo de caráter? Não deve sua vida estar de acordo com o chamado, em continuo ato de louvor a Deus e de solidariedade a todas as pessoas? Não deve ele ser humilde, serio, prudente, gentil, paciente e abstêmio? Não foi vocacionado por Deus com a finalidade de providenciar luz e poder a seus irmãos, guiando-os nos muitos perigos”?

Que na continuidade de seu ministério pastoral, você seja guardado, amado e usado pelo Deus trino, juntamente com sua preciosa família e comunidade local.

Conte com a oração de seus bispos e bispa,

Bispo Adonias Pereira do Lago
Presidente do Colégio Episcopal


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães