Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

o momento político brasileiro

 

  

Estamos diante de um novo processo eleitoral. Isto era previsto, porque faz parte do ritual democrático brasileiro. O que não se esperava era chegarmos a um período eleitoral com tanta perplexidade no cenário político.

A razão é simples: quando da eleição do Presidente Lula houve como que uma comoção (emoção com) de ampla parcela da população, especialmente os setores mais desassistidos, explorados e humilhados, que enfim, viam chegar ao poder um representante seu: de origem humilde, operário etc, sustentado por um partido que apontava para transformações sociais, embalado pelo discurso da ética na política.

Agora a população está dividida, digamos assim, em três partes: os que se opunham a esta visão e à eleição de Lula e sentem confirmadas suas posições; os que justificam sua descrença na política, e se abstêm, convencidos que o melhor é não participar; e os que estão meio embasbacados com o que ocorreu, procurando encontrar o ponto de retomar e de refazer as esperanças. 

Por onde começar? Talvez uma coisa importante para este momento seja começarmos tudo de novo, desde o início, pensando em dois conceitos sobre os quais devemos basear nossa vivência política: a República e a Democracia.

República é uma palavra composta: o prefixo res do latim, que quer dizer coisa, e o adjetivo público, portanto "coisa pública". Agora, quando falamos no sentido político, o que vem a ser público? O dicionário nos ajuda a entender: 1. relativo ou pertencente a um povo, a uma coletividade; 2. relativo ou pertencente ao governo de um país, estado, cidade etc.;  3.  que pertence a todos; comum. Portanto, podemos dizer que público tem a ver com o que é de todos e, no sentido político, com a forma de gerenciar o que é de todos. 

Isto é importante para entendermos porque tanta indignação com a corrupção, pois corrupção é a apropriação para uso privado daquilo que é público. No sentido financeiro, pegar o que é de todos para o enriquecimento pessoal. Evidentemente nenhum tipo de corrupção se justifica. Entretanto, podemos fazer algumas considerações a respeito dos acontecimentos revelados nos últimos meses.  Corrupção é coisa nova no Brasil? Surgiu somente agora? Todos sabemos que não. Esta deformação é um "pecado original", "grudado" na forma de se fazer política no Brasil desde que começou a nossa história. Mas algumas coisas têm contribuído para criar essa sensação de que "tudo está podre na política brasileira": o aumento da consciência ética da população, que não mais aceita as sujeiras feitas para beneficiar interesses pessoais ou privados; o aperfeiçoamento dos órgãos públicos que têm o papel de fiscalizar ou controlar o uso dos recursos públicos (Ministério Público, Polícia Federal, o próprio Poder Legislativo através de suas comissões, etc.) e, até mesmo, a visibilidade que a imprensa tem dado aos casos de corrupção.

            E a Democracia? Vamos de novo ao dicionário: 1.  governo do povo; governo em que o povo exerce a soberania; 2.  sistema político cujas ações atendem aos interesses populares; 3.  governo no qual o povo toma as decisões importantes a respeito das políticas públicas...; 4.  governo que acata a vontade da maioria da população, embora respeitando os direitos e a livre expressão das minorias.

Evidentemente esses conceitos referem-se a um ideal de democracia. Na prática, para exercer a soberania, o povo necessita de mecanismos políticos através dos quais faça prevalecer seus interesses. E sabemos que não existe essa entidade abstrata chamada "a vontade do povo"... Existem muitas "vontades" e muitos interesses em jogo. É por isso que existem os partidos políticos. Já o próprio nome diz: partido - o que não é inteiro, o que é parte. Os partidos representam partes ou parcelas da população que têm visões de mundo e interesses relativamente semelhantes. Existe também o esforço de parte dos partidos de atrair a população. E para isso, nem sempre são publicados os reais interesses que têm ou quem representam efetivamente. Por exemplo, é considerado "feio" no Brasil representar os ricos e poderosos. Por isso, nenhum partido diz que representa esta parcela da população - o que não significa que não o faça.... Portanto, temos que pensar bem antes das escolhas que fazemos e não basta lermos o programa dos partidos. Temos que "ler" também a trajetória histórica dos partidos e das pessoas que os compõem. 

Outro fator a considerar é que, de toda a história do Brasil, muito poucos foram os momentos em que a democracia esteve em vigência. O atual período tem apenas 21 anos (iniciou-se com a redemocratização posterior ao regime militar). Assim, nossa democracia tem muito que se aperfeiçoar. E se ela é capenga eu diria: qual o remédio para a democracia? Mais democracia. É só reforçando os mecanismos da democracia que vamos ter uma melhor democracia (que nunca será perfeita, pois sabemos que a perfeição só poderá existir no Reino de Deus). 

A forma de se aperfeiçoar a democracia é a participação. Na democracia formal que temos essa participação manifesta-se através do voto. Mas não é essa a única possibilidade de participação democrática. Podemos, e penso que também devemos, estar presentes nas instâncias de participação popular como os movimentos sociais que vão constituindo grandes "correntes de opinião" de como deve ser gerenciado o poder no país, bem também nos partidos políticos. Afastar-se e adotar uma posição de individualismo ou de cinismo em nada contribui para o aperfeiçoamento da República e nem da Democracia. Votar nulo ou branco não resolve nada na eleição. É preferível errar tentando acertar a, simplesmente, desistir e deixar que outros tomem as decisões por nós. 

Para concluir: O que fazer diante dessa situação em que vivemos? Minha resposta é participar. No mínimo com o voto, se esta for sua disposição. Mas mais do que isto, temos que também participar de organismos que possam influenciar positivamente a vida e as decisões políticas no Brasil. Escandalizar-se ao ponto de abster-se neste momento é deixar o campo livre para quem não tem escrúpulos de usar em benefício privado a coisa pública e também para quem, mesmo com boas intenções, equivoca-se na condução política. Essa é minha opinião. Qual é a sua?

 

Rev. Luiz Eduardo Prates da Silva

 

Uma outra opinião. Reflexão de Luiz Felipe Lehman, membro da Igreja Metodista em Belo Horizonte. Clique aqui.


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Em oração | 10.07.2020

Com o objetivo de mobilizar pessoas a orarem semanalmente e diariamente pelos propósitos selecionados pela área nacional da Igreja Metodista, te convidamos a participar da campanha EM ORAÇÃO. Veja os pedidos dessa semana. 

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães